Um homem que levou o melhor amigo ao suicídio, depois de descobrir que este abusava sexualmente da sua filha de 6 anos, foi libertado da prisão, após cumprir seis meses de uma pena de ano e meio. O caso, que chocou a Rússia, acabou por causar uma onda de apoio público ao pai da menina abusada, Vyacheslav Matrosov, exigindo a libertação deste.

Tudo começou quando Vyacheslav Matrosov, 35 anos, descobriu imagens gráficas no telemóvel do amigo, Oleg Sviridov, 32, de um vídeo em que este forçava a filha de Matrosov, na época com 6 anos, a desempenhar um ato sexual — sendo que os abusos sexuais aconteceram repetidamente. "Oleg, já chega, já não aguento mais. Quero ir para casa", ouve-se a criança, atualmente com 9 anos, dizer no vídeo.

Criança de 12 anos encontrada morta num baú. Quatro pessoas detidas na sequência do crime
Criança de 12 anos encontrada morta num baú. Quatro pessoas detidas na sequência do crime
Ver artigo

Depois da descoberta, o pai da criança terá incitado o abusador ao suicídio, não sem antes o obrigar a cavar a própria sepultura numa zona de mato, escreve o "Daily Star". A dupla também ter-se-á envolvido numa luta, sendo que existem alegações que Oleg Sviridov foi avisado ainda antes do desfecho fatal para confessar o crime às autoridades, sendo a alternativa enfrentar o pai da menina, que já teria conhecimento do abuso sexual.

Inicialmente, Vyacheslav Matrosov foi condenado a 18 meses de prisão em abril deste ano pelo Tribunal de Krasnoglinsky por incentivo ao suicídio de Oleg Sviridov. No entanto, acabou a cumprir apenas seis meses da pena, depois de uma onda de apoio público na Rússia: uma petição pública assinada por 2.500 pessoas exigia a absolvição total de Matrosov, e habitantes locais da região de Samara acabaram mesmo por angariar dinheiro para os honorários iniciais dos advogados de defesa do pai russo.

Vyacheslav Matrosov
Vyacheslav Matrosov com a família

Depois do caso ser investigado, provas forenses ajudaram as autoridades a concluir que Vyacheslav Matrosov não teria apunhalado Oleg Sviridov, não se tratando assim de um homicídio. Caso fosse condenado por este crime, Matrosov podia enfrentar uma pena de 15 anos de prisão.

Vyacheslav Matrosov já regressou a casa e às redes sociais, e publicou uma imagem com as duas filhas e a mulher, Natalya, 35 anos. "Casa. Muito amor", escreveu na legenda.

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.