24 de fevereiro: primeiro dia de guerra entre a Ucrânia e a Rússia e tomada de uma central nuclear em Chernobyl por parte das tropas russas.

4 de março: ataque dos russos à central nuclear de Zaporíjia, a maior da Europa.

5 de março: o mundo está atento ao avançar das tropas russas em direção à central nuclear de Yuzhnoukrainsk, no sul do país.

Desde que começou o conflito, têm sido vários os avanços dos militares russos em direção às centrais nucleares ucranianas. O presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, chegou a acusar Vladimir Putin de "terrorismo nuclear", cita o "Jornal de Notícias", após as forças russas terem bombardeado a central de Zaporíjia, provocando dois incêndios.

Invasão da Ucrânia. Russos preparam novos ataques, o negociador que podia ser espião e muita destruição
Invasão da Ucrânia. Russos preparam novos ataques, o negociador que podia ser espião e muita destruição
Ver artigo

O primeiro ataque, e único na história, no que diz respeito ao bombardeamento a uma central nuclear, deixou o país em alerta e o presidente ucraniano não poupou palavras no aviso que fez ao mundo sobre o que pode acontecer se a Ucrânia não for protegida.

"Dirijo-me a todos os ucranianos, a todos os europeus e a todas as pessoas que conhecem a palavra Chernobyl e que sabem quanto sofrimento e vítimas foram causados ​​pela explosão da central nuclear. Foi um desastre global. Centenas de milhares de pessoas lutaram contra as consequências. Dezenas de milhares de pessoas foram retiradas. A Rússia quer repetir isso, mas seis vezes pior", disse a 4 de março sobre o trágico acidente nuclear em 1986, na cidade de Chernobyl, que ainda hoje é considerada uma zona de exclusão nuclear devido à presença de radiação prejudicial à saúde humana.

Mas por que é que Vladimir Putin tem tanto interesse em assumir o controlo das centrais nucleares da Ucrânia? A resposta pode ser simples: poder económico. 

De acordo com a Agência Internacional de Energia Atómica, a Ucrânia tem 15 reatores nucleares operacionais, distribuídos por quatro centrais nucleares. Fora estes, há ainda quatro reatores nucleares da central de Chernobyl, permanentemente desativada, e ainda dois reatores nucleares em construção na central nuclear de Khmelnytskyi. Esta contagem mostra o poderio da Ucrânia, também o potencial do desastre se as centrais forem atacadas, mas principalmente a capacidade para produzir energia.

A Ucrânia não deixa, no fundo, de ser uma bomba relógio que o presidente Volodymyr Zelensky tenta proteger o mais que pode e que os ataques russos não facilitam.

Atacar uma central e o psicológico

O ataque a uma central nuclear é também o ataque a quem lá trabalha. E é isso que está a acontecer com a invasão à central de Chernobyl cujos trabalhares não têm descanso. A Agência Internacional de Energia Atómica referiu, aliás, na sexta-feira, 4 de março, que os trabalhadores estão “sob pressão psicológica” e em “exaustão moral”, cita o "Observador".

O diretor-geral da organização, Mariano Grossi, fez um apelos às tropas russas para que permitam o descanso dos trabalhadores da central e que os deixem organizar-se por turnos — algo de que estão impedidos, segundo relatos.

A situação não coloca apenas em causa o estado psicológico de quem trabalha na central nuclear de Chernobyl, mas também a “segurança das instalações nucleares”, avisou a agência internacional.

Porque é que a central nuclear de Zaporíjia é tão relevante?

A central nuclear que ardeu na madrugada de 4 de março é a maior da Europa e deixou o país, e a Europa, em alerta. "O exército russo está a disparar de todos os lados sobre a central nuclear de Zaporíjia, a maior central nuclear da Europa. O fogo já começou. Se houver uma explosão, será dez vezes maior do que Chernobyl. Os russos têm de cessar fogo imediatamente, permitir a passagem aos bombeiros e estabelecer uma zona de segurança", disse o ministro dos Negócios Estrangeiros ucraniano, Dmytro Kuleba, na altura do ataque.

A relevância, e ao mesmo tempo problema, é precisamente que esta central nuclear tem "seis reatores de energia" que, se forem atacados, corresponde a uma tragédia "seis vezes pior" do que Chernobyl, uma vez que em 1986 apenas explodiu um reator. 

Há ainda um outro fator de peso que justifica a intenção de Putin sobre o ataque à central de Zaporíjia. Sendo a maior e sendo a Ucrânia o terceiro país do mundo mais dependente da energia nuclear, de acordo com o "Observador", atacar a maior central da Europa é também atacar o acesso à eletricidade no país e os cofres do mesmo.

Russos atacam central nuclear. Zelensky faz apelo desesperado. "A Europa tem de acordar agora"
Russos atacam central nuclear. Zelensky faz apelo desesperado. "A Europa tem de acordar agora"
Ver artigo

Só em 2020, as centrais nucleares na Ucrânia foram responsáveis por 52,34% da eletricidade produzida no país, segundo dados do Our World in Data, e a Bloomberg avança que um total de 20% da eletricidade consumida na Ucrânia é produzida só pela central de Zaporíjia.

A intenção de Putin é atingir toda a Europa?

Tudo aponta para que não. A intenção da Rússia não será provocar um desastre nuclear, mas sim assumir o controlo das maiores centrais nucleares da Ucrânia e, consequentemente, tirar proveito da exploração da eletricidade, aponta o "Observador".

A teoria é confirmada por um especialista em segurança nuclear da Universidade de Harvard, Graham Allison, para quem a intenção dos russos no caso especifico da central de Zaporíjia era "fechar o fornecimento de eletricidade à área envolvente" e não a de causar um desastre nuclear, disse à BBC. 

A destruição provada na central de Zaporíjia terá sido um "dano colateral" da invasão russa e não uma ação intencionada, segundo o investigador britânico James Acton, diretor do programa de política nuclear do think-tank Carnegie Endowment for Internacional Peace. "Especularia que a central não foi deliberadamente visada como alvo e que foi, essencialmente, um dano colateral”, escreveu no Twitter.

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.