O acidente esteve apenas a um segundo de acontecer a 16 de setembro de 2019, mas o relatório só foi conhecido agora. Os pilotos do avião Airbus A320, que levava 167 passageiros de Lisboa para Manchester, no Reino Unido, calcularam de forma errada o tamanho da pista utilizada para a descolagem e estiveram a cerca de 10 metros de ficar sem pista e de embater, com violência, contra a vedação do aeroporto de Lisboa.

Através do cálculo da velocidade a que o avião se dirigia no momento da descolagem, bastaria apenas 1.3 segundos para que o aparelho chegasse ao final da pista e embatesse, segundo a investigação da Air Accidents Investigations Brancs (AAIB), que só agora foi conhecido e que é citado pela "Sky News".

Antes da descolagem, diz o relatório da investigação, os pilotos fizeram todos os cálculos para analisar o comprimento da pista número 21 do aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, usando o valor total para calcular a velocidade e o tempo que demoraria o processo. No entanto, os valores corretos a serem utilizados deveriam ter dito respeito ao comprimento da interseção da pista — que tinha um diferença de vários metros.

Avião passa rente ao areal das praias do Algarve e lança pânico
Avião passa rente ao areal das praias do Algarve e lança pânico
Ver artigo

Os pilotos só se aperceberam de que algo estava errado quando, no arranque para a descolagem, viram as luzes vermelhas e brancas nos últimos 900 metros de pista. A cerca de 10 metros estaria a vedação.

Devido à velocidade a que o avião seguia, o relatório conclui que o embate contra a vedação "poderia ter causado danos significativos no aparelho e nos seus ocupantes".

Uma das causas para a falha nos cálculos é atribuída ao facto de os pilotos terem sido interrompidos por diversas vezes durante a preparação do voo.

Apesar do percalço, o voo aconteceu sem mais nenhum problema e a EasyJet já reagiu à publicação do relatório reforçando isso mesmo — que a tripulação seguiu o protocolo estabelecido e que, apesar do incidente, o voo para Manchester decorreu sem quaisquer problemas adicionais.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.