Arquivado. Foi posto fim ao processo contra o ex-ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, no caso do atropelamento mortal na A6 em junho de 2021 que vitimou Nuno Santos. Eduardo Cabrita foi oficialmente constituído arguido a 22 de abril e menos de um mês depois o Ministério Público decide encerrar o caso, alegando que "não lhe era exigível que cuidasse de sindicar a condução praticada pelo seu motorista", diz o despacho a que o "Expresso" teve acesso.

A viatura que atropelou Nuno Santos, de 43 anos, que fazia trabalhos de limpeza na berma direita da A6, seguia a 163 km/h na autoestrada, e a reabertura do processo tinha como objetivo apurar uma "eventual responsabilidade com relevância criminal" do ex-ministro. Contudo, após a avaliação do Ministério Público, foi considerado que Eduardo Cabrita não tinha poder sobre o que aconteceu. 

Eduardo Cabrita constituído arguido no caso do atropelamento mortal na A6
Eduardo Cabrita constituído arguido no caso do atropelamento mortal na A6
Ver artigo

Por ser apenas passageiro da viatura oficial, "não lhe era exigível que cuidasse de sindicar a condução praticada pelo seu motorista", diz o despacho, referindo-se a Marco Pontes, que tinha o exercício dessa função. Por isso, diz ainda o despacho de arquivamento, Eduardo Cabrita estava libertado "de quaisquer responsabilidades decorrentes do exercício da mesma, permitindo-lhe dedicar-se a outros assuntos".

Marco Pontes mantém-se então acusado de homicídio por negligência desde 3 de dezembro de 2021, ao passo que Nuno Dias, chefe do corpo de segurança pessoal do ex-ministro, que também seguia na viatura, viu a suspeita de homicídio ser-lhe arquivada. Para o Ministério Público, o dever de Nuno Dias era apenas para com Eduardo Cabrita, por isso, tal como o ex-ministro, não tinha responsabilidade em moderar a condução do motorista.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.