Morreu Cláudia Amaral, a jovem de 23 anos que sofria de síndrome Hutchinson-Gilford, uma condição que afeta cerca de 400 pessoas em todo o mundo e que faz envelhecer sete vezes mais rápido do que o habitual. A jovem morreu na madrugada desta sexta-feira, 19 de novembro.

Apesar da condição genética rara de que sofria, era através das suas plataformas digitais, como o Instagram ou o TikTok — duas redes nas quais, juntas, somava mais de 36 milhões de seguidores —, que a jovem se mostrava sempre alegre e com força. Numa das mais recentes publicações, Cláudia Amaral deixou uma mensagem de esperança a todos os que a seguiram. "Por vezes, é isso. A vida é um sopro. Por vezes, nós, humanos, estamos a desperdiçar o melhor que a vida tem para nos oferecer", lê-se.

Do TikTok para os palcos, Constanza Ariza é bailarina em espetáculo dirigido por Cifrão
Do TikTok para os palcos, Constanza Ariza é bailarina em espetáculo dirigido por Cifrão
Ver artigo

"Um dia quero que saibam que não poderia ter sido de outra forma. Um dia quero que saibam que não há, e nunca houve, mágoas comigo. Nunca houve arrependimentos. Valorizo cada um de vocês. Sou grata por tudo e por todos. Sorri, vou sorrir e sorrirei sempre. Porque a esperança é sempre a última a morrer“, acrescentou.

A jovem chegou a ser notícia na imprensa internacional quando, em 2019, o "Daily Mail" deu conta do seu caso, descrevendo-a como "a mulher de 20 anos" que aparentava "ter 140".

Em agosto de 2020, a jovem foi convidada de Mónica Jardim em "A Tarde é Sua" para explicar a síndrome, que se designa progeria. "É uma doença que envelhece sete vezes mais a idade que eu tenho", explicou, contando que, com o passar dos anos, iria começar a desenvolver doenças características de idosos, nomeadamente em termos nível cardíaco e ósseo.

"Viver a vida sem qualquer tipo de limites" era o lema pelo qual Cláudia se regia. Na entrevista à estação de Queluz de Baixo, contou que gostava de desafios e como começou com os vídeos no TikTok. "Não tinha mesmo rigorosamente nada para fazer, sem ser as caminhadas ali perto de casa ou passear os cães e achei piada."

Era nessa plataforma digital, aliás, que mostrava um pouco das suas rotinas dirias.

Sobre como gostaria de ser recordada, desabafou numa das suas publicações, disse que seria sempre a sorrir.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.