Ben Buckley, apesar de se sentir envergonhado por ter que recorrer à plataforma de angariação de fundos, "GoFundMe", não arranjou outra maneira para conseguir salvar o Natal da família. Pediu ajuda para juntar 2 mil dólares, o equivalente a 1750€.

"Não sei mais o que fazer ou a quem recorrer, estou a trabalhar num armazém onde não pagam bem e faço 45 a 60 horas semanais o que normalmente chega para nos sustentar", conta, mas as complicações na gravidez da mulher dificultaram a vida ao casal. O crescimento demasiado rápido no útero e a possibilidade de vir a nascer com Síndrome de Down dificultaram os últimos meses de gestação.

A história do menino com cancro que pediu desculpa à mãe antes de morrer 
A história do menino com cancro que pediu desculpa à mãe antes de morrer 
Ver artigo

Jessica nasceu no dia 4 de novembro totalmente saudável, mas até lá, a mãe, Kristy, foi hospitalizada diversas vezes com infeções nos pulmões obrigando Ben a reduzir o seu horário de trabalho.

Residente em Hull, no Reino Unido, o pai de 32 anos passou os últimos meses a achar que no local de trabalho o iriam ajudar a ultrapassar as dificuldades que pudesse sentir, mas o patrão acabou por não lhe pagar o que esperava. "Estou em pânico, o que me pagaram chega apenas para a renda e despesas", escreveu.

"Devia ser uma época feliz para todos nós, mas eu e a minha mulher estamos preocupados e ansiosos com aquilo que poderemos ter que dizer aos nossos filhos", continuou. Foram precisas apenas algumas horas para que as pessoas aderissem e para que o valor fosse ultrapassado. No total, Ben juntou  1815€.

A incrível história da menina de 6 anos que cuida do pai paralisado
A incrível história da menina de 6 anos que cuida do pai paralisado
Ver artigo

"Gostaria de agradecer a todos pelas mensagens e pelos donativos. Eu e a minha família agradecemos a enorme generosidade. No próximo ano vai ser nossa prioridade fazer donativos mensais para outras contas", prometeu Ben no site de crowdfunding.

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.