Jurista de profissão, Marta Rebelo era, em 2005, uma espécie de símbolo da renovação parlamentar. Com apenas 27 anos, tornou-se deputada do Partido Socialista, durante o primeiro governo liderado por José Sócrates. Nos bastidores da política, porém, a então deputada lutava contra a depressão e a ansiedade.

Aos 44 anos, Marta Rebelo conta, no podcast Labirinto, do diário "Observador", que os problemas de saúde mental começaram na adolescência e se agudizaram "na faculdade". "[As crises de ansiedade] são uma sensação física muito parecida com um ataque cardíaco. É assim um pico de stress agudo por alguma razão ou, às vezes, por razão nenhuma", explica, na entrevista conduzida por Carla Jorge de Carvalho.

Numa crónica publicada a 7 de novembro na revista "Visão", intitulada "Suicídio: A minha história, os nossos números e muitos factos assustadores", a antiga deputada socialista revela que começou a ter pensamentos suicidas aos 15 anos. "Nunca recebi diagnóstico ou tratamento médico-mental senão aos 24 quando, adulta, os procurei; a depressão já era crónica, profunda e recorrente, o estrago neuroquímico estava feito, década e tal de sofrimento estigmatizado e silencioso; a desesperança venceu-me e escolhi, em 2009, não viver. Sobrevivi. Quando lá voltei, à voragem desesperançada, tive de revirar o mundo e os fígados para me manter agarrada à minha escolha: viver", escreve a jurista.

Ao podcast Labirinto, cuja versão na íntegra é divulgada este domingo, 2o de novembro, Marta Rebelo explica que o tabu em torno do tema era grande. "Comecei a sentir um incómodo muito grande com o secretismo, não só da minha experiência com a tentativa de suicídio como com toda a forma como se vive e como se tenta ignorar os problemas de saúde mental", diz, acrescentando: "Eu ainda era deputada... meu Deus, o que é que acontece se a senhora deputada da Nação assumir que se tentou suicidar! Maluquinha de pedra!", relembra.

"Eu passei mesmo muito mal durante mais de uma década. Foi uma coisa horrível. E eu sei que há milhões de pessoas a passar por isto. E a vergonha, o estigma e o preconceito são um grande combustível das doenças mentais", salienta a antiga deputada socialista, fazendo questão de enfatizar: "Eu não curei a depressão. Eu sou ex-deprimida. A minha depressão tornou-se crónica a dado momento. E eu tenho-lhe muito respeito, e parte do respeito vem do receio de lá voltar".

Precisa de ajuda? Estas são as linhas de Apoio e de Prevenção do Suicídio em Portugal

SOS VOZ AMIGA
Horário: 16:00 – 24:00
Contacto Telefónico: 213 544 545 | 912 802 669 | 963 524 660
Linha Verde gratuita: 800 209 899 (21:00 – 24:00)

CONVERSA AMIGA
Horário: 15:00 – 22:00
Contacto Telefónico: 808 237 327 | 210 027 159

VOZES AMIGAS DE ESPERANÇA DE PORTUGAL
Horário: 16:00 – 22:00
Contacto Telefónico: 222 030 707

TELEFONE DA AMIZADE
Horário: 16:00 – 23:00
Contacto Telefónico: 222 080 707

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.