Nem todas as personagens da séries que aqui sugerimos se movimentam pelo universo riquíssimo e luxuoso de "Succesion", mas todas elas têm dinheiro, protagonizam jogos de poder e estão em mais ou menos sarilhos devido à forma como lidam com as pessoas à sua volta. É o caso de "The White Lotus", a série deste ano da HBO, que mostra como um conjunto de hóspedes privilegiados e irritantes é capaz de fazer a vida negra aos funcionários de um resort de luxo no Havai.

Inicialmente foi anunciada como sendo uma minissérie, mas a verdade é que já foi renovada para uma segunda temporada da qual se espera, tal como na primeira, privilégio, pseudo-ativismo, cinismo e hipocrisia em doses generosas de quem, por estar habituado a que as suas vontades sejam sempre correspondidas, tem zero paciência para pessoas de estatuto menor.

"Succession". Do ritmo à vida dos ricos que deslumbra, o que explica o sucesso da série?
"Succession". Do ritmo à vida dos ricos que deslumbra, o que explica o sucesso da série?
Ver artigo

Isso, claro, leva a inúmeros conflitos que dão corpo a esta série e que, aos poucos, vai fazendo cair a máscara de quem finge o que não consegue ser. De fazer cair máscaras percebe "The Undoing", também da HBO, ao mostrar como um casal aparentemente perfeito e invejado, vê a vida virada do avesso devido a um crime inesperado.

Estas famílias são complicadas, poderosas e estão constantemente em apuros. Mostramos-lhe 5 séries para ver depois do fim de "Succession", cujo último episódio da terceira temporada se estreou esta segunda-feira, 13 de dezembro.

"Ozark" (Netflix)

Poder, esquemas mesquinhos e dilemas complexos. O universo de "Ozark" não tem os ricos desmedidos de "Succession", mas tem mauzões com dinheiro que levam a família Byrde a sarilhos múltiplos logo na primeira temporada, quando é obrigada a fugir para a região de Ozarks, no estado de Missouri, dos EUA.

A explicação é simples: Marty Byrde, a personagem interpretada por Jason Bateman, é envolvido num esquema de lavagem de dinheiro e fica, devido a um erro de um colega, obrigado a pagar uma dívida durante anos. Essa dívida, percebemos logo no primeiro episódio, implica que este homem acima de qualquer suspeita tenha de trabalhar para um cartel.

De repente, a vida de toda aquela família sofre mudanças inexplicáveis.

"The White Lotus" (HBO)

Tem comédia e drama, tal como "Succession", mas aqui o foco está em várias famílias que decidem passar umas férias descansadas e tranquilas num resort de luxo no Havai. À medida que os hóspedes vão chegando e relacionando-se entre si, os funcionários do empreendimento exclusivo veem-se a braços com os comportamentos erráticos dos ricos e privilegiados.

"The White Lotus" tem privilégio, pseudo-ativismo, cinismo e caos numas férias que se queriam calmas, mas que se revelam trágicas para todos.

No final, ninguém aprendeu com a experiência. Não é suposto. Os ricos, diz-nos a série, estão acima disso.

"Peaky Blinders" (Netflix)

A história passa-se em 1919, logo após a Primeira Guerra Mundial, e opõe os criminosos bem vestidos, de fato e boina, a outras fações do submundo do crime. Chamam-se Peaky Blinders e são vagamente inspirados no gangue com o mesmo nome que dominou Birmingham, na Inglaterra, em meados de 1890.

Aqui os problemas são resolvidos à lei da bala ou à pancada num qualquer pub da região e o elenco é de luxo — com nomes como Cillian Murphy e Tom Hardy.

Apesar da pancadaria, há personagens complexas, intriga política e personagens carismáticas que arrancam suspiros ou nos prendem o olhar ao ecrã.

"The Undoing" (HBO)

É mais uma história que envolve traição e segredos obscuros no seio de uma família rica e privilegiada nos EUA. Protagonizada por Nicole Kidman e Hugh Grant, "The Undoing" conta a história de uma família cuja vida é virada do avesso com a descoberta de um crime hediondo e inesperado.

O crime faz espoletar a revelação de segredos obscuros no seio de uma família que, até então, projetava uma imagem de estabilidade e normalidade nos outros. Mas as brechas vão-se abrindo e fazem cair a máscara.

Afinal, ninguém é perfeito. Nem mesmo aquelas personagens que se esforçavam para o ser.

"Arrested Development" (Netflix)

Para destoar dos dramas do costume, uma sugestão de pura comédia. "Arrested Development", disponível na Netflix e protagonizada por Jason Bateman, dá a conhecer as aventuras e peripécias da família Bluth.

Trata-se de uma família completamente disfuncional que, embora em temos tivesse muito dinheiro e se vangloriasse das suas posses, atualmente está na penúria. É no meio desse caos que ninguém pediu que um dos filhos se vê obrigado a tentar manter a família à superfície, embora sejam muitos os obstáculos que convidem à desgraça.

A série vai já em cinco temporadas, todas elas disponível na Netflix que comprou a produção depois de esta ter sido cancelada, em 2006, pela Fox.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.