Entre 1974 e 1978, Ted Bundy terá violado e assassinado mais de 100 mulheres nos Estados Unidos. Nos vários interrogatórios de que foi alvo, confessou estar envolvido em apenas 30 assassinatos — mas deixou sempre em aberto a possibilidade de esse número ser muito maior.

As restantes vítimas nunca foram encontradas, mas Bundy lançou o caos um pouco por todo o país. Tanto o é que, quando foi executado, em 1989, foram muitas as pessoas que se juntaram à porta da prisão onde estava detido para celebrar a sua morte com música, cânticos e fogo de artifício.

A história de um dos assassinos em série mais violentos dos EUA foi recuperada na passada quinta-feira, 24 de janeiro, com o lançamento de "Conversas Com Um Assassino: As Gravações de Ted Bundy". Estreado 30 anos depois da morte de Bundy, o documentário da Netflix conta todos os detalhes de um caso que tem tanto de estranho como de violento.

Matou 30 mulheres, decapitou-as e a história é agora um documentário da Netflix
Matou 30 mulheres, decapitou-as e a história é agora um documentário da Netflix
Ver artigo

Mas enquanto o documentário da Netflix se baseia em entrevistas e cassetes gravadas por Ted Bundy para tentar provar a sua inocência, o novo filme sobre o assassino em série aposta numa fórmula ligeiramente diferente.

Em "Extremely Wicked, Shockingly Evil and Vile", realizado por Joe Berlinger, o mesmo que assinou o documentário para a plataforma de streaming, toda a história é conduzida através de Elizabeth Kloepfer (Lilly Collins).

Além de ter sido a namorada de longa data de Ted Bundy, Kloepfer foi também a única que suspeitou e alertou as autoridades para o facto de Bundy ser, na verdade, o homem mais procurado do país na década de 70.

A história real (e insólita) que inspira a nova série da criadora de "Anatomia de Grey"
A história real (e insólita) que inspira a nova série da criadora de "Anatomia de Grey"
Ver artigo

Apesar do esforço, nunca ninguém acreditou nela. Muito devido ao charme natural do namorado, que seduziu muitas mulheres ao ponto de invadirem os tribunais ou criarem clubes de fãs para tentarem provar a sua inocência.

O assassino, que no filme é interpretado por Zac Efron ("O Grande Showman") serviu-se disso para raptar, violar e assassinar as vítimas previamente escolhidas em mais de sete estados dos Estados Unidos.

Nesta nova produção será mostrada a transformação de Ted Bundy, a forma como escolhia as suas vítimas e todo o processo de investigação que demorou anos até conseguir encontrar um culpado. Durante o tempo em que esteve preso, Ted Bundy fugiu duas vezes — matando cinco pessoas e ferindo outras duas.

No elenco estão também nomes como Angela Sarafyan ("Westworld"), Jim Parsons ("A Teoria do Big Bang"), Grace Victoria Cox ("Twin Peaks"), Alan B. Jones ("White Boy Rick") e até James Hetfield — vocalista e guitarrista dos Metallica, uma das bandas norte-americanas mais conhecidas de Heavy Metal.

"Extremely Wicked, Shockingly Evil and Vile" estreia este sábado, 26 de janeiro, no Festival de Cinema de Sundance. Ainda não se conhece a data de estreia nas salas de cinema portuguesas.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.