Edmar Teixeira foi o segundo concorrente expulso do programa “Big Brother 2020”. A saída do programa aconteceu poucos dias depois de uma polémica dentro da casa que envolvia Hélder, Edmar e um comentário homofóbico. No dia internacional contra a homofobia, Portugal escolheu que o concorrente homossexual saísse e preferiu que Hélder continuasse no programa. A situação não podia ter sido vista com melhores olhos pelo próprio Edmar que se revelou eufórico com a saída e com a possibilidade de conhecer Manuel Luís Goucha no dia a seguir.

“Amanhã vou conhecer o Manuel Luís Goucha, não vou?”, perguntou ainda antes de ter abandonado a mansão do Big Brother. Claúdio Ramos respondeu-lhe que sim e foi com a mesma euforia e animação que esta segunda-feira, 18 de maio, Edmar entrou no estúdio do "Você na TV”.

O concorrente explicou que havia uma razão muito forte para querer conhecer o apresentador – foi através do seu exemplo que assumiu a sua sexualidade à mãe. “Desde pequenino que o via na 'Praça da Alegria', na RTP Internacional. Adorava vê-lo, foi uma das pessoas com quem cresci. A minha mãe adorava-o”, relembrou.

"Big Brother 2020". La Familia 2.0, nomeações combinadas e um pedido de casamento. O melhor e o pior da gala
"Big Brother 2020". La Familia 2.0, nomeações combinadas e um pedido de casamento. O melhor e o pior da gala
Ver artigo

“Quando tinha 16 anos percebi que o Goucha era homossexual. E a minha mãe adorava esse homem, não passava uma manhã sem ver o Manel na televisão, era o preferido dela. E eu pensei: ‘Se a minha mãe adora o Goucha e aceita-o como é, ela vai aceitar o filho dela’”, recordou. “Nunca tinha falado com a minha mãe, mas sempre soube que era diferente desde muito novo. O Goucha deu-me muita força para me abrir aos 16 anos e contar à minha mãe. Ela ficou triste porque não foi a primeira a saber, mas foi aceitando. E o Goucha foi muito importante nisso”.

A juntar a este tópico, Edmar Teixeira falou também da sua participação no programa e revelou que tinha pensado que o formato se desenrolaria de outra forma. “Fiquei feliz [por ter sido expulso] porque pensei que ia ser uma coisa diferente”, atirou. O concorrente esperava que pudesse animar mais a casa, já que o que gosta é de fazer as pessoas rir, dançar e cantar. Mas quando entrou rapidamente percebeu que as coisas não seriam assim. “Estávamos lá dentro e eles começavam a falar uns dos outros. [O programa] começou há pouco tempo e já deu problemas”, acrescentou, referindo-se ao episódio com Hélder.

Apesar de ter ficado feliz com a expulsão, não estava à espera que esta se materializasse. A Manuel Luís Goucha explicou ainda que tinha ficado contente que Noélia permanecesse no programa. “A Noélia merece. Antes não gostava muito dela, no BB Zoom. Mas também não nos conhecíamos. Agora não tenho nada que me queixar dela”.

Edmar Texeira explicou também que, ainda que quisesse muito sair da casa, sente que aprendeu muito sobre si próprio e sobre as pessoas que o rodeiam. “Aprendi que tenho de ser mais forte na vida. Não posso estar sempre a chorar. Mas eu não gosto de ver as pessoas tristes. E quando as pessoas falam mal comigo e eu não respondo, depois fico em baixo”, acrescentando dando a entender que tenha isto que aconteceu com Hélder.

"Big Brother 2020". Assim que sai do programa, Edmar muda discurso: "Hélder é homofóbico. Estou desiludido comigo"
"Big Brother 2020". Assim que sai do programa, Edmar muda discurso: "Hélder é homofóbico. Estou desiludido comigo"
Ver artigo

Durante esta conversa o concorrente de Londres ainda teve uma surpresa: uma vídeochamada das duas irmãs que continuam a viver naquela cidade. Ana Garcia Martins, autora das plataformas “A Pipoca Mais Doce”, e também comentadora do reality show, esteve presente e explicou que gostaria de ter visto mais de Edmar. “Não estava à espera e não queria [que ele fosse expulso]. E é engraçado que vimos mais do Edmar nestes 10 minutos aqui do que os tempos em que estiveste na casa. Estive sempre à espera que te transformasses naquilo que vimos aqui. A energia da casa sugou-te um bocadinho”.

Ainda houve tempo para rever partes da gala deste domingo, e alguns momentos que aconteceram durante a semana. Os gritos de Ana Catharina por causa de uma galinha ou a escolha do líder desta semana foram alguns e Edmar não perdeu a oportunidade de se explicar mais uma vez.

“Fui ver as expressões dele ontem e chorei”, referindo-se ao episódio do comentário homofóbico proferido por Hélder. “Eu estava com medo de falar destas coisas lá dentro e que eles me odiassem. Fiquei com pena porque o homem [Hélder] estava a chorar a não percebi o que estava a acontecer”. Edmar explicou também que ficou com medo que o resto dos concorrentes lhe virassem as costas caso tivesse dito alguma coisa além de apoiar Hélder. “Devia ter sido mais forte para lutar por aquilo que acredito”.

Newsletter

A MAGG é uma revista digital pensada para mulheres e focada nas preocupações centrais da vida de cada uma. Falamos de tudo o que está a acontecer de forma descontraída mas rigorosa.
Subscrever

Notificações

A MAGG é uma revista digital pensada para mulheres e focada nas preocupações centrais da vida de cada uma. Falamos de tudo o que está a acontecer de forma descontraída mas rigorosa.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.