Quem disse que num percurso pedestre o único snack válido é a sandes que leva na marmita ou a barrita colocada à pressa na mochila? Ninguém e por não haver regra há percursos pedestres que fogem ao conceito que habitualmente conhecemos.

Na Quinta dos Murças é feito com recurso a um mapa e termina com uma prova de vinhos, em Campos, que faz fronteira com a aldeia de Lamalonga, o percurso pelas paisagens minhotas envolve pão e através da GR22 - Grande Rota das Aldeias Históricas de Portugal vai encontrar o que é mais típico para uma bucha bem composta.

Like na casa e like no preço: os favoritos na Airbnb em 2021 que valem uma estadia em 2022
Like na casa e like no preço: os favoritos na Airbnb em 2021 que valem uma estadia em 2022
Ver artigo

Mais ou menos longos, certo é que nestes percursos pedestres não vai sentir o frio que tem feito nos últimos tempos.

Campos e o Ciclo do Pão

Campos e o Ciclo do Pão
Campos e o Ciclo do Pão créditos: divulgação

Campos é uma das sete aldeias situadas no coração de Cabreira, no município de Vieira do Minho, e também onde fica um dos percursos pedestres que podem ser feitos na região. Escolhemos um mais gastronómico para aliar as paisagens a outro pormenor que salta aos olhos e mais depressa para a boca dos portugueses: o pão.

Para chegar a esta aldeia, que faz fronteira com a aldeia de Lamalonga, pode fazê-lo através daquele que é um dos percursos pedestres mais extensos do concelho, o PR 2 – Campos, para chegar ao centro onde ficam as habituações antigas feitas em pedra e ao forno comunitário que nos levou a escolher o percurso.

Uma vez por ano, em julho, há um evento que mostra desde a colheita das espigas à forma como a população local conseguia antigamente um pão tão saboroso cozido em forno de lenha. O processo passava ainda pelo moinho de água junto ao rio da Lage, onde agora funciona a praia fluvial de Campos para ir a refrescar no fim do percurso.

Quinta dos Murças

Quinta dos Murças
Quinta dos Murças créditos: instagram

Talvez associe mais o nome aos vinhos e é verdade que são o ponto principal da Quinta dos Murças, no Douro. Mas agora há mais um motivo para rumar à quinta com 155 hectares: percorrê-los para admirar o rio Douro e provar o que sai das vinhas que ocupam 48 hectares do total da propriedade.

Os percursos pedestres são uma das atividades de enoturismo da Quinta dos Murças e pode escolher entre três caminhadas com mapa: a que é finalizada com prova dos vinhos Quinta dos Murças (35€), com prova Douro (10€) ou prova Terroir (25€).

Se no fim do passeio já não estiver com forças para voltar para casa, pode ficar alojado num dos quartos da quinta desde 180€ para duas pessoas em época baixa, com pequeno-almoço incluído, assim como acesso à piscina, transporte de barco do cais da Folgosa e participação nas rotinas da Quinta dos Murças, seja no campo ou na cozinha.

Quinta dos Murças

Localização: Covelinhas, 5050-012 Quinta dos Murças
Reservas: reservas.murcas@esporao.com

GR22 - Grande Rota das Aldeias Históricas de Portugal

GR22
GR22 créditos: divulgação

Acredita que entre 7 de março e 31 de dezembro de 2021 a Estruturas de Animação Permanente das Aldeias Históricas de Portugal registou mais de 105 mil passagens, a pé e de bicicleta, nas rotas das Aldeias Históricas de Portugal? Nós ainda estamos a assimilar o número antes de lhe darmos argumentos para elevar a contagem este ano.

Pode ir em março ou noutro mês, porque se durante todos estes anos as aldeias históricas mantiveram as pedras das calçadas e os castelos bem preservados, não é agora que vão desaparecer. Prepare-se antes com umas caminhadas ao fim de semana ou uns treinos leves em casa para estar pronto para a GR22 - Grande Rota das Aldeias Históricas de Portugal, que liga as 12 Aldeias Históricas de Portugal num percurso circular com cerca de 600 quilómetros.

Passa por aldeias como Belmonte, Trancoso e Sortelha, sendo que neste último ponto há uma passagem no Sabugal, cidade do famoso pastel de castanha “Quinas”, receita do chef Rui Cerveira, que tornou-se uma referência gastronómica no concelho.

Tudo o que precisa de saber sobre a caminhada está aqui.

Trilhos no Museu ao Ar Livre de Vila Pouca de Aguiar

Visita guiada Complexo Mineiro Romano Tresminas
Visita guiada Complexo Mineiro Romano Tresminas créditos: divulgação

Já não há ouro no Complexo do Ouro Romano de Tresminas, no concelho de Vila Pouca de Aguiar, mas continua a ser valioso o que se pode encontrar neste Museu ao Ar Livre, assim classificado pela Associação Europeia de Museus ao Ar Livre (EXARC). Ainda tem as marcas da exploração de outro feita pelo Império Romano nos séculos I e II d.C. e para que nenhuma lhe escape pode fazer uma visita guiada pelos trilhos do concelho.

Existem dois — o Trilho dos Miradouros e o Trilho da Corta da Ribeirinha —, cujos graus de dificuldade, entre o fácil e o moderado, permitem que até sejam feitos em família. O primeiro, o Trilho dos Miradouros, é o mais curto e o que permite ver as mais belas paisagens sobre as cortas mineiras romanas de Covas e Ribeirinha.

Já o Trilho da Corta da Ribeirinha inclui uma visita ao interior da Galeria dos Alargamentos e à exploração mineira que dá nome ao trilho. Nesta é possível perceber como era feito este trabalho duro antigamente.

Uma vez em Tresminas, leve na mochila o típico mel de urze, feito com a planta comum na região.

Complexo do Ouro Romano de Tresminas

Localização: Tresminas, Vila Pouca de Aguiar Coordenadas: 41.481480, -7.518212
Horário: de terça-feira a domingo das 10h às 17h30
Reservas: +351 259 458 091 ou geral@tresminas.com

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.