Ainda que o exercício físico deva fazer parte da rotina diária para uma vida mais saudável, isso não significa que tenha obrigatoriamente de se inscrever no ginásio para passar a ter uma vida mais ativa. Uma caminhada, a simples escolha de subir até casa pela escadas do prédio (e não pelo elevador), ou dar uns passos de dança é o que basta para se tornar mais ativo e melhorar o seu dia e a sua saúde.

Se os habituais exercícios de saltar à corda, fazer agachamentos ou abdominais nunca lhe despertaram a atenção, o Fit Like a Dancer poderá ser aquilo que há muito procurava. Daniela Andana, 38 anos, licenciou-se em educação física pela Faculdade de Motricidade Humana, mas a enorme paixão pela dança fez com que mais tarde decidisse tirar mais uma licenciatura: desta vez na Escola Superior de Dança de Lisboa. Só pelo percurso académico, conseguimos perceber que estas duas realidades sempre andaram de mãos dadas na vida de Daniela que, em 2018, começou a dar os primeiros passos na criação do projeto que mais tarde viria a ter o nome de "Fit Like a Dancer".

Começou a treinar? Saiba o que deve fazer para evitar lesões
Começou a treinar? Saiba o que deve fazer para evitar lesões
Ver artigo

Aqui, pode treinar de uma forma diferente já que os exercícios combinam a fluidez e a plasticidade da dança com a intensidade de um treino funcional.  Nos últimos dois anos, o projeto foi evoluindo, mas uma pandemia veio mudar a dinâmica das aulas. Incentivada por uma amiga, começou a gravar vídeos com vários exercícios e a colocar no YouTube para que o contacto com os alunos não se perdesse, mas com o segundo confinamento decidiu que queria ter uma alternativa diferente.

"Queria uma plataforma através da qual as pessoas chegassem, conseguissem aceder às aulas, ter um plano de treino semanal e os vídeos organizados para que cada um os pudesse encaixar no seu dia a dia. O meu grande objetivo era que as pessoas fizessem as coisas", diz à MAGG, referindo que o facto de haver treinos curtos faz com que mais gente não deixe de treinar.

"Se só tivesse aulas de 40 ou 50 minutos, as pessoas sentir-se-iam desmotivadas ou diriam que não têm tempo e, por isso, na plataforma têm acesso às duas alternativas." Com o desconfinamento, Daniela tentou perceber a recetividade dos atletas a voltar a treinar ao ar livre. Apesar de muitos quererem ter acesso a essa alternativa, outros preferiram continuar a fazer os exercícios em casa e, por isso, aqui há alternativas para todos os gostos.

Fit Like a Dancer
créditos: Divulgação

O que esperar dos treinos, quanto custam e como me posso inscrever?

No site, encontrará os treinos para cada dia da semana, e ainda uma biblioteca de vídeos com desafios que são lançados todos os meses. Os treinos online em direto acontecem às quintas-feiras, das 19h às 19h50, e os ao ar livre são às terças-feiras, das 19h20 às 20h15. As inscrições podem ser feitas através da plataforma, mas se quiser realizar um treino experimental pode sempre enviar e-mail para be.fitlikeadancer@gmail.com e pagar uma aula avulso.

Gyrotonic. Saiba tudo sobre a modalidade que já cativou Madonna e Naomi Campbell
Gyrotonic. Saiba tudo sobre a modalidade que já cativou Madonna e Naomi Campbell
Ver artigo

Quanto a preços, quem quiser fazer o treino online paga 16,90€ por mês e tem acesso não só aos treinos em direto, como também a todos os vídeo disponíveis na plataforma. Para os que preferem os treinos outdoor, o preço é de 31,90€ por mês e dá acesso a tudo o que está disponível também na plataforma online.

Caso não esteja inscrito neste plano, mas queira realizar uma aula de rua de quando em vez, pode sempre verificar se há disponibilidade e inscrever-se (esta aula terá o custo de 6,90€). Quem quiser experimentar o Fit Like a Dancer pela primeira vez tem também a possibilidade de realizar uma aula experimental pelo valor de 5€. Os treinos outdoor decorrem habitualmente num parque na Praça de Londres, em Lisboa.

"As minhas aulas trabalham muito a coordenação, a memória física e muscular e a parte da dança traz a fluidez e as combinações. Muitas vezes, o que faço é pegar nos elementos que os alunos já conhecem, ou que na aula fomos trabalhando individualmente, e cozinho aquilo de forma a que as pessoas estejam a trabalhar a memória, o equilíbrio, a coordenação e, mais importante, a mobilidade. O que acontece com a idade é perdermos mobilidade e por isso é que é essencial trabalhar esta parte."

Além disso, Daniela garante ainda muita música, boa disposição e espírito de equipa partilhado tanto nas aulas como através do grupo de WhatsApp onde todos os elementos do Fit Like a Dancer podem ir contando as suas experiências e a evolução ao longo dos treinos.

Quanto ao feedback, a profissional refere que grande parte dos alunos revela "sentir músculos que nem sabia que tinha" e nota que realiza as atividades do dia a dia de forma mais eficaz.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.