Depois de ser pressionada para aprovar a vacina da Pfizer-BioNTech, a Agência Europeia de Medicamentos (EMA) vai reunir-se esta segunda-feira, 21 de dezembro, e é esperado que a aprovação da proposta da farmacêutica contra a COVID-19 seja um dos resultados do encontro. O objetivo é que a campanha de vacinação comece ao mesmo tempo pelos 27 estados-membros da União Europeia, já no final de dezembro.

A reunião, inicialmente marcada para 29 de dezembro, foi antecipada uma semana depois de os laboratórios farmacêuticos terem fornecido informação adicional sobre a vacina à entidade que regula a aprovação de medicamentos na União Europeia, avança a Agência Lusa, tal como escreve o "Observador". Mas parece haver ainda outro motivo.

Atenção: estão a ser vendidas vacinas falsas contra COVID-19 na Internet
Atenção: estão a ser vendidas vacinas falsas contra COVID-19 na Internet
Ver artigo

A alteração da agenda surgiu após o ministro da Saúde alemão, Jens Spahn, ter pressionado a EMA a acelerar a aprovação do fármaco, classificando o atraso como uma situação “especialmente irritante”. Isto porque enquanto Jens Spahn vê países como o Reino Unido, Estados Unidos ou o Canadá a avançar com a vacinação, o ministro vê-se impedido de dar início à campanha por ter de esperar pela aprovação do regulador.

Contudo, não é só Jens Spahn que quer acelerar o processo. Também a presidente da Comissão Europeia, Ursula Von Der Leyen, já tinha dito num debate no Parlamento Europeu na quarta-feira, 16, que a União Europeia devia iniciar a vacinação “tão cedo quanto possível” de modo a assegurar a erradicação do “vírus horrível”.

“Assim, a vacinação pode começar imediatamente, e outras [vacinas] seguir-se-ão no Ano Novo. No total, comprámos doses mais que suficientes para toda a gente na Europa, e ainda estaremos em condições de apoiar os nossos vizinhos e parceiros no mundo, para que ninguém fique para trás”, acrescentou Ursula Von Der Leyen.

Em cima da mesa estão já contratos da Comissão Europeia com a AstraZeneca (300 milhões de doses), Sanofi-GSK (300 milhões), Johnson & Johnson (200 milhões), BioNTech e Pfizer (300 milhões), CureVac (405 milhões) e Moderna (160 milhões).

A ser aprovada a vacina, tudo aponta para que a campanha de vacinação contra a COVID-19 comece a 27 de dezembro em Portugal, tal como nos restantes estados-membros da União Europeia, conforme anunciou na última quinta-feira, a ministra da Saúde, Marta Temido.

Da mesma forma que a reunião para aprovação da vacina desenvolvida pela Pfizer/BioNTech foi antecipada, a Agência Europeia de Medicamentos também já tinha antecipado de 12 para 6 de janeiro uma outra reunião extraordinária para concluir a avaliação da proposta desenvolvida pela farmacêutica Moderna.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.