Dalton Stevens, um estudante de 18 anos e o namorado, Jacob Geittmann, foram ao baile de finalistas no passado sábado, 25 de abril. Dalton escolheu usar um vestido vermelho para provar que as roupas "não têm género", disse depois o jovem à estação de televisão local WKRN.

O evento, que aconteceu no Harpeth Hotel, na cidade de Franklim, Tennesse, está no epicentro da polémica. Tudo porque no mesmo espaço estava também Sam Johnson, CEO da empresa de telemedicina VisuWell.

Pedro Crispim alvo de insultos homofóbicos depois de ser defendido por Ana Garcia Martins
Pedro Crispim alvo de insultos homofóbicos depois de ser defendido por Ana Garcia Martins
Ver artigo

No vídeo, que pode ver abaixo, é possível ver o homem a abordar Dalton, insultando-o pelo facto de estar a usar um vestido. O vídeo foi filmado por Jacob.

"Este homem não parava de insultar o Dalton, dizendo 'estás ridículo, pareces um idiota, os homens não deviam usar isso'. Uma série de insultos homofóbicos", relatou Jacob. Enquanto filmava o incidente, Jacob também foi insultado pelo homem, que lhe terá tentado tirar o telemóvel e agredido Dalton nas costas.

Em entrevista à NewsMax, Sam Johnson desmentiu o incidente, dizendo que abordou os adolescentes porque eles estavam "a falar alto e a dizer obscenidades". Admitiu, contudo, ter chamado "idiota" a Dalton. "Não devia ter feito aquilo. Pedi desculpas ao Dalton pelo comentário, mas a tensão estava tão alta no momento que, quando eu tentei voltar a entrar no restaurante, eles acusaram-me de o perseguir, o que não é verdade". Sam Johnson diz ainda à mesma publicação não estar arrependido do episódio.

A polícia foi chamada ao local e Johnson negou a altercação. À "People", afirma que o vídeo foi editado e que foram eliminadas partes onde este surge como um "defensor calmo da comunidade, da família e da decência".

Após o vídeo se ter tornado viral, a empresa VisuWell fez uma declaração pública, anunciado que Johnson foi despedido. "O seu comportamento não representa os nossos valores, que incluem respeito e compaixão por todos."

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.