Harvey Weinstein, magnata e ex-produtor de cinema em Hollywood, foi condenado por dois dos cinco crimes de que era acusado — ato sexual criminal em primeiro grau envolvendo Miriam Haley, e de violação em terceiro grau, envolvendo outra mulher. A decisão foi tomada na segunda-feira, 23 de fevereiro, depois de o júri ter estado perto de 30 horas a deliberar. O produtor enfrenta uma pena que pode ir dos cinco aos 25 anos de prisão, tendo livrado-se da possibilidade de cumprir perpétua ao ser sido ilibado do crime de comportamento sexual predatório, a acusação mais grave que enfrentava.

Tendo sido fundamental para o crescimento do movimento #MeToo, a polémica em torno de Weinstein começa a 5 de outubro de 2017, quando o “The New York Times” publica uma investigação em que são denunciados os comportamentos de assédio e agressão sexual do então produtor, decorridos ao longo de três décadas. As atrizes Rose McGowan e Ahsley Judd foram as vítimas e denunciantes mais conhecidas. Mas seguiram-se muitas outras: Gyneth Paltrow, Angelina Jolie, Rosanna Arquette, Lucia Evans, Annabella Sciorra ou a italiana Asia Argento foram nomes que fizeram parte de uma lista com centenas de relatos de diferentes mulheres.

Sexo oral forçado, invasão de propriedade e violação estão entre as situações descritas pelas mulheres. Muitas não puderam fazer denúncia porque os casos já haviam prescrito. Outras histórias caíram por terra por acordos que o produtor fez com as mulheres, trocando silêncio por dinheiro.

Ainda assim, a 25 de maio de 2018, o magnata é acusado formalmente pelo Estado americano de Nova Iorque pelo crime de assédio em primeiro e terceiro grau, em situações relacionadas com duas mulheres. No início do julgamento, a 6 de janeiro, o homem — que sempre afirmou ser inocente, alegando que todos aqueles atos haviam sido consentidos — era acusado por cinco crimes sexuais, cometidos entre 2006 e 2013.

Annabella Sciorra, Miriam Haley, Jessica Mann, Dawn Dunning e Lauren Young foram as seis mulheres que testemunharam frente ao juiz, no  julgamento decorreu em Manhattan. Desde o dia um, diz a revista “Vulture”, o julgamento foi marcado por uma série de declarações chocantes, assim como reviravoltas surpreendentes. Vejamos algumas.

Gigi Hadid podia ter sido membro do júri

30 celebridades que são mais novas do que imaginamos
Gigi Hadid, 24 anos

A supermodelo Gigi Hadid apareceu no tribunal a 13 de janeiro, como potencial membro do júri no julgamento do ex-produtor, num grupo de 120 pessoas. No momento em que o juiz James Burke pergunta se alguém, entre aquelas pessoas, conhecia pessoas presentes na sala de tribunal, Hadid foi uma das que levantou o braço. “Eu conheço o réu”, disse a supermodelo. Quando o juiz lhe pergunta se ela conseguiria ser imparcial durante o processo, ela afirma que sim.

Ainda assim, acabou por ser dispensada dias depois. É que, de seguida, foram mencionadas as testemunhas — entre as quais  Salma Hayek, Charlize Theron e Rosie Perez — e Hadid, novamente, ergueu o braço para revelar que conhecia Hayek.

Uma testemunha alegou que Weinstein ofereceu trabalho em troca de um ménage à trois

dawn

A antiga atriz Dawn Dunning testemunhou contra o produtor e acusou-o de ter tocado nos seus genitais sem consentimento durante uma reunião de negócios. A mesma mulher alegou que o homem terá oferecido trabalho em troca de um ménage à trois, cerca de um mês depois do primeiro episódio.

“Ela pediu que me encontrasse com ele num hotel”, relatou, referindo-se à assistente de Harvey Weinstein. Quando chegou ao local, a mesma assistente sugeriu que subissem para ir ao encontro do produtor. “[Weinstein] abriu a porta e estava de roupão de hotel vestido e aberto”, contou a ex-atriz. “Ele foi direto ao assunto e disse: ‘Aqui estão os papéis para os meus próximos três filmes. Eu assino hoje se fizeres um ménage à trois comigo e com a minha assistente.”

A ex-atriz relatou que se riu, porque achava que o homem não estava a falar a sério. Ele terá respondido: "Nunca vais vingar neste negócio. É assim que a indústria funciona.” Dunning disse ainda que, nesta tentativa de ménage à trois, o produtor referiu os nomes de Salma Hayek e Charlize Theron.

Uma das vítimas disse que Weinstein não tem testículos

jessica

Jessica Mann acusou o homem de vários ataques sexuais — incluindo sexo oral forçado, do qual não acusado — e descreveu pormenorizadamente a anatomia do homem. “A primeira vez que o vi totalmente nu achei que era deformado e intersexo [pessoas que nascem com anatomia sexual e reprodutiva que não se encaixa na definição típica do sexo masculino ou feminino]”, disse.

“Ele tem uma cicatriz extrema, talvez tenha sido vítima de queimadura [...] Parece que não tem testículos e parece que tem uma vagina”. Mann recordou ainda um episódio em que o magnata urinou em cima dela e falou de uma descoberta que fez após o alegado primeiro ataque sexual, quando se fechou na casa de banho para se recompor. “Vi uma agulha no lixo e passei-me. Agarrei nela e olhei para ela. Lembro-me mais ou menos do nome, porque quis ir logo pesquisar ao Google. Não sei qual é o termo médico correto, mas lembro-me que implicava qualquer coisa relacionada com pénis morto.”

Os jurados viram uma fotografia de Weinstein nu — e ficaram chocados

Foi a 4 de fevereiro que os procuradores do processo mostraram cinco imagens do produtor às cinco mulheres e sete homens do júri. Numa ele estava nu. Segundo a procuradora Joan Illuzzi, apesar de não ser prática comum humilhar o réu, era essencial mostrar as fotografias ao painel de jurados. Estas não foram adicionadas às provas, portanto não foram tornadas públicas. Mas o conteúdo foi registado pelos elementos que retratam em desenho o julgamento — que apanharam um membro do júri a arregalar os olhos e duas mulheres com um ar desconfortável.

Uma das vítimas terá desenhado o pénis de Weinstein à polícia

Laura Young terá sido mais uma das vítimas do produtor e foi uma das testemunhas em tribunal. Weinstein terá apalpado o seu peito, depois de a prender na casa de banho de um hotel em Beverly Hills, enquanto se masturbava.

Recordou que, após uma agressão sexual do homem, desenhou-o à polícia. Corroborou a descrição de Mann: descreveu o seu pénis tendo um “aspeto nojento”, dizendo que parecia que tinha sofrido um corte, que nada se assemelhava ao que é fruto da circunscrição.

Weinstein é acusado em Los Angeles pela agressão a Laura Young, bem como pela violação de outra mulher.

Um amigo de Weinstein disse que o produtor era viciado em sexo

Era uma das testemunhas que iria ajudar no caso, mas acabou por acontecer o contrário. Ao ser chamado a testemunhar a favor de Weinstein, o produtor Paul Feldsher acabou por afirmar que Harvey era “viciado em sexo”. Foi Joan Illuzzi que dirigiu o interrogatório e confrontou-o com mensagens trocadas entre os dois amigos.

“Você diz: ‘Provavelmente há um monte de verdades nas alegações de que te comportaste como um mulherengo”, disse a procuradora. "'O teu apetite pelas coisas que desejas — um guião, um filme e, sim, uma miúda — são, no mínimo, vorazes'.”

Quando interrogado sobre o significado daquela mensagem, Feldsher disse: “Era do meu conhecimento de que, há muito tempo, o Harvey tinha um problema de adição com sexo e que namorava muitas mulheres.”

O especialista em memória de Weinstein teve problemas para explicar o cérebro humano

Mais uma testemunha para a defesa do produtor que correu mal. Elizabeth Loftus, psicóloga cognitiva, especialista em memória — a mesmo que trabalhou nos casos de O.J. Simpson, Michael Jackson ou Ted Bundy — teve problemas em explicar o funcionamento do cérebro humano.

À advogada de defesa de Weinstein disse que “informações pós-evento”, assim como informações mediáticas, eram capazes de corromper as memórias das pessoas, tentando mostrar que os relatos das vítimas corriam o risco de não serem fieis à realidade. Mas quando questionada pela acusação, que lhe solicitou que discutisse um diagrama do cérebro, a mulher respondeu que aquele tema não se enquadrava na sua “área de especialização”: “Não sou especialista em regiões do cérebro."

Newsletter

A MAGG é uma revista digital pensada para mulheres e focada nas preocupações centrais da vida de cada uma. Falamos de tudo o que está a acontecer de forma descontraída mas rigorosa.
Subscrever

Notificações

A MAGG é uma revista digital pensada para mulheres e focada nas preocupações centrais da vida de cada uma. Falamos de tudo o que está a acontecer de forma descontraída mas rigorosa.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.