Pouco se sabe sobre o período de namoro, mas a relação de Johnny Depp e Amber Heard revelou-se tumultuosa (quase) desde o início do casamento. O casal conheceu-se durante as gravações do filme "O Diário a Rum", em 2009, e, segundo a atriz, o caso entre os dois terá começado "entre o final de 2011 ou o início de 2012". Depp e Heard casaram-se em 2015 e, quinze meses depois, rebenta o escândalo. Ou, melhor dizendo, arranca um processo complexo que culminou (e continua) em tribunal e em que ambos se assumem como vítimas de violência doméstica.

Em 2016, Amber Heard pede o divórcio e consegue uma ordem de restrição de aproximação contra o ator, alegando que Depp havia abusado dela fisicamente ao longo da relação, normalmente sob o efeito de álcool e drogas. A partir daí, o caso torna-se mais rebuscado. Depois de um acordo de milhões fora do tribunal, ameaças via chamadas telefónicas e um dedo cortado, agora, o ex-casal defronta-se novamente em tribunal. Desta vez, nos Estados Unidos.

Depp já esteve no banco dos réus para testemunhar contra a ex-mulher ao longo de quatro sessões no tribunal de Fairfax, no estado norte americano da Virgínia, desde 11 de abril. E Heard deve ser ouvida pela justiça norte-americana dentro de quatro semanas, período estipulado para o fim do julgamento.

Johnny Depp e Amber Heard. 13 momentos chave para perceber o escândalo de violência doméstica
Johnny Depp e Amber Heard. 13 momentos chave para perceber o escândalo de violência doméstica
Ver artigo

Johnny ​Depp afirma que Amber Heard o difamou quando escreveu um artigo para o "The Washington Post", em dezembro de 2018, no qual relatou ser vítima de violência doméstica e interpôs uma ação no valor de 50 milhões de dólares (46,3 milhões de euros) por difamação. No entanto, a atriz alega que o ex-marido e os seus advogados proferiram falsas acusações a seu respeito com o principal objetivo não só de a atacar, mas também destruir a sua carreira. Razão pela qual exige agora uma indemnização de mais de 92 milhões de euros.

Ambos os processos baseiam-se em alegadas difamações, mas o ex-casal acusa-se mutuamente de atos de violência física durante a sua relação. Para perceber as recentes declarações de Johnny Depp perante o tribunal de Virgínia, que terminaram esta segunda-feira, 25 de abril, com o ator a declarar que Amber Heard o deixou "destruído", importa perceber os principais pontos deste caso.

2009 - 2015: Do momento em que Depp e Heard se conhecem ao pedido de casamento

A história de Johnny Depp e Amber Heard remonta a 2009, ano em que os atores se conheceram nas gravações do filme "O Diário a Rum", baseado no livro homónimo de Hunter S. Thompson. Na ficção, Depp e Heard interpretam um casal que se apaixona desde o primeiro momento, mas fora do ecrã, de acordo com Amber Heard, o caso entre os dois só terá começado "entre o final de 2011 ou o início de 2012".

johnny depp

Período em que Depp anunciou a separação de Vanessa Paradis, com quem manteve uma relação de 14 anos, e teve dois filhos: Lily Rose e John Cristopher. E, em simultâneo, altura em que Heard se separou da fotógrafa Tasy van Ree, com quem manteve uma relação entre 2008 e 2012, que, tal como reportou o "USA Today", em julho de 2016, também teve acusações de violência doméstica.

Heard terá sido presa em 2009, acusada de agredir a, à data, namorada no aeroporto Seattle-Tacamo International, em Washington. Todas as acusações foram retiradas, com a fotógrafa a alegar que se tratou de um mal entendido. Segundo disse, os dois polícias interpretaram mal o seu testemunho e extrapolaram o incidente.

Mas adiante. O casal começou a namorar e, em setembro de 2015, o ator confirmou o noivado ao "Daily Mail", confirmando assim as suspeitas que já existiam desde 2014. Isto, no caso, depois de o anel de Heard não ter passado despercebido e de o "USA Today" ter descrito a joia como "a pedra que afundou o Titanic".

Em 2015, dá-se o casamento. Em 2016, rebenta o escândalo

No mesmo ano em que o noivado é confirmado, 2015, Johnny Depp e Amber Heard dão oficialmente o nó, numa cerimónia privada, que decorreu na casa do casal, em Los Angeles, nos Estados Unidos. Já em maio de 2016, a relação dos atores volta novamente a estar na ordem do dia. Desta vez, pelos piores motivos.

Amber Heard pede o divórcio e consegue também uma ordem de restrição contra o ex-marido, alegando ter sido vítima de abusos físicos e psicológicos ao longo da relação, normalmente sob o efeito de álcool e drogas. Esta acusação veio a público em 2016, mas seis anos depois continua em discussão. 

Esta segunda-feira, 25 de abril, o quarto dia de Depp no banco das testemunhas num tribunal da Virgínia terminou com os seus advogados a reproduzirem a gravação de uma conversa que aconteceu depois de Heard ter obtido a ordem de restrição em causa, em 2016.

Segundo o ator, Depp e Heard estavam juntos já depois de a ordem de restrição ter sido emitida por vontade da atriz. Depp diz ter concordado com o pedido de Heard de se encontrar num quarto de hotel, em São Francisco, nos Estados Unidos, porque pensou que a ex-mulher poderia retirar a acusação.

Na gravação, citada pelo jornal "Público", Depp sugeria que o casal emitisse um comunicado conjunto. No caso, dizendo que se amavam e que os meios de comunicação social estavam no cerne do mal entendido, aquilo a que chamou uma tentativa de "solução pacífica".

No mesmo áudio, Heard desafia o ator a contar publicamente que tinha sido ele a sofrer abusos. "Diz ao mundo, Johnny", começou por dizer. "Diz-lhes que 'eu, Johnny Depp — um homem —, também sou uma vítima de violência doméstica'", ouve-se. Provocação a que o ator garante ter respondido: "sim, sou".

"Eu não te magoei (...) estava só a bater-te"

Estas gravações foram recentemente reproduzidas no tribunal norte-americano, em que Depp contou a sua versão dos factos, ao longo de quatro sessões de julgamento, que terminaram esta segunda-feira, 25. No entanto, esta não é a primeira vez que surgem registos que ligam Heard a questões de violência doméstica. Já em 2020 foram divulgados pelo "Daily Mail" registos áudio em que o casal falava de um suposta agressão que teria acontecido durante o período de casamento. Ou seja, entre 2015 e 2016.

Nas conversas telefónicas, a atriz admite ter agredido Depp, mas descarta a ideia de que "esmurrou" o ex-marido. "Desculpa por ter-te... batido na cara com um estalo. Mas eu estava a bater-te, não estava a dar-te murros. Querido, não foste esmurrado", cita o jornal. "Não sei qual é que foi o movimento real da minha mão, mas estás bem, eu não te magoei, não te dei um murro, estava só a bater-te".

"Fui-me embora ontem à noite. Porque, honestamente, juro-te, não aguentava a ideia de mais abuso físico um no outro", terá dito o ator. "Porque, se tivéssemos continuado, teria ficado muito mau. E, querida, eu disse-te isto uma vez: morro de medo de sermos uma cena de crime agora", terá acrescentado.

"Não te consigo prometer que não vou tornar-me agressiva outra vez. Meu Deus, eu às vezes fico tão zangada que perco [o controlo]", ter-se-á ouvido Heard confessar.

O dedo cortado

Ainda face aos alegados abusos durante o casamento, o assunto do dedo cortado de Johnny Depp voltou a ser tema de discussão em tribunal, esta segunda-feira, 25 de abril, com a presença de Ben King. O mordomo da casa onde o casal ficou, em 2015, na Austrália, quando o ator estava em rodagem de um dos filmes da saga "Os Piratas das Caraíbas", disse em tribunal ter encontrado o dedo de Depp.

"Havia um pedaço de papel de cozinha amarfanhado, com muito sangue. E [a ponta do dedo de Depp] estava nesse pedaço de papel, nos azulejos no chão do bar, junto a uma cadeira", revelou. À data, de acordo com mensagens entre o ator e o médico, Depp terá revelado ter cortado o dedo.

A defesa de Heard levantou a hipótese de automutilação, mas o ator alegou que só distorceu os factos para proteger a ex-mulher. "Não queria revelar que foi a Sra. Heard que me atirou uma garrafa de vodka e me cortou o dedo", disse, durante o seu depoimento. "Eu não queria metê-la em problemas. Tentei tornar as coisas o mais pacíficas e fáceis possível para todos".

Agosto de 2016. Heard retira as acusações contra Depp em troca de acordo de sete milhões, fora do tribunal

No mesmo ano, em 2016, o caso foi a tribunal e Heard defendeu a sua versão dos factos, em que alegava ser vítima de violência doméstica, mas o casal chegou a um acordo fora do tribunal, depois de a atriz retirar a ordem de restrição de aproximação contra o ator por alegada violência doméstica e anular o pedido de pensão de alimentos de 50 mil dólares por mês.

Pelo divórcio, oficializado em 2017, a atriz recebeu sete milhões de dólares, que admitiu ter doado a instituições de solidariedade, de acordo com a revista "People".

"O nosso relacionamento foi intensamente apaixonado e por vezes vezes instável, mas sempre vinculado no amor. Nenhuma das partes fez falsas acusações para ganho financeiro", lia-se num comunicado conjunto divulgado pela dupla de atores. "Nunca houve qualquer intenção de dano físico ou emocional".

De acordo com a mesma publicação, o divórcio foi oficializado em 2017, com a premissa de que nenhum dos elementos teceria novamente comentários negativos sobre a relação. Escusado será dizer que não aconteceu. Meses depois, surge o gatilho para o processo que está atualmente em tribunal: o artigo de opinião que Amber Heard escreveu para o "Washington Post".

2018-2020. O artigo de opinião de Heard e o processo contra o jornal "The Sun"

Num artigo de opinião publicado no "Washington Post" , Heard falou sobre a forma como são tratadas as mulheres nos casos de violência doméstica — e sem nunca mencionar o nome de Johnny Depp. "Tornei-me numa figura pública que representa a violência doméstica e senti toda a ira que a nossa cultura tem contra as mulheres que falam abertamente", escreveu.

"Ela não é uma vítima de violência doméstica, ela é uma perpetradora", lia-se no processo que o Depp avançou como resposta ao artigo escrito pela ex-mulher, e no qual negou os alegados crimes de abuso de que é acusado. Segundo o processo, Depp acredita que Heard estava a "elaborar um embuste para gerar publicidade positiva" .

"O artigo dependia da premissa central de que a Sra. Heard foi vítima de violência doméstica e que o Sr. Depp perpetrou violência doméstica contra ela", lia-se. Mas o caso não ficou por aqui.

Na sequência do artigo assinado por Heard, o jornal "The Sun" caracterizou o ator como "wife-beater" ("agressor de esposas"), relativamente à relação com Heard. E o ator entrou numa nova luta em tribunal: desta vez, contra a publicação.

A luta jurídica arrancou em julho de 2020. O julgamento decorreu no Reino Unido, durou três semanas e incluiu acusações de Depp contra a ex-mulher, onde, mais uma vez, mencionava que esta o havia agredido com murros, falando ainda em casos extraconjugais, com James Fraco e Elon Musk. Acusações que Amber Heard, até à data, nega veementemente.

Depois de acusações de violência doméstica, Johnny Depp fala de um "boicote" de Hollywood
Depois de acusações de violência doméstica, Johnny Depp fala de um "boicote" de Hollywood
Ver artigo

Em novembro de 2020, Depp perdeu oficialmente o caso. O tribunal decidiu a favor do "The Sun" e concluiu que o jornal — que deu 14 relatos de incidentes para justificar a expressão "agressor de esposas" — agiu corretamente ao reportar as atitudes de teor violento e abusivo contra a ex-mulher.

A partir daí, a carreira do ator nunca mais foi a mesma e, em agosto de 2021, Depp culpou a  "absurda matemática dos media". 

Na sequência das acusações, Depp perdeu trabalhos como ator

Ainda em 2020, o ator foi forçado a abandonar o próximo capítulo da saga "Monstros Fantásticos e Onde Encontrá-los".

E, mais tarde, já em 2021, voltou a acusar a indústria de sabotar a sua carreira depois de a estreia do seu filme "Minamata" ter sido suspensa nos Estados Unidos. "Os MGM decidiram 'enterrar o filme' (palavras do diretor Sam Wollman), porque estavam preocupados com a possibilidade de os assuntos pessoais de um dos atores do filme se virem a refletir de forma negativa", lê-se na carta escrita pelo realizador Andrew Levitas e publicada pelo "Deadline", endereçada particularmente aos MGM Studios.

Abril de 2022. O caso volta a tribunal e é transmitido em canal aberto

Depois de ter perdido o processo interposto num tribunal em Inglaterra, Johnny Depp voltou a recorrer à justiça para avaliar o caso. Desta vez, nos Estados Unidos, mais precisamente em Fairfax, no estado de Virgínia. O processo arrancou no passado dia 11 de abril e o ator submeteu-se às questões do tribunal e da defesa de Heard ao longo de quatro sessões, tendo a última acontecido esta segunda-feira, 25 de abril.

O caso voltou a marcar a atualidade não só pela força mediática dos intervenientes, mas porque, desta vez, as sessões em tribunal, que, até à data, contaram com Depp no banco dos réus, foram transmitidas em direto no Youtube e, mais tarde, partilhadas em redes sociais como o Twitter ou o TikTok.

Na última semana, o ator prestou declarações sob juramento e garantiu que "jamais" bateu numa mulher na sua vida, identificando a ex-mulher como o elemento violento da relação. "Ela tem necessidade de conflito. Ela tem necessidade de violência", acusou.

"Ao longo da relação, houve discussões e coisas dessa natureza, mas nunca atingi o ponto de agredir a Sra. Heard sob qualquer forma, tal como nunca agredi nenhuma mulher na minha vida", rematou.

Confrontado com algumas mensagens nas quais dizia que Heard "iria ser completamente humilhada" e que "o karma iria dar cabo dela", Depp assumiu, em declarações citadas pelo "Expresso", que "a única pessoa de quem abusou em toda a vida" foi de si próprio. "Sou vítima de violência doméstica", acrescentou.

Já no contra-interrogatório, a defesa de Heard recorreu a mensagens escritas e enviadas por Depp, em que o ator fala sobre o seu desejo que ver a ex-mulher morta. Entre vários conteúdos, estão frases como "espero que o cadáver em decomposição dessa vaca esteja na mala de um Honda Civic". "Vamos afogá-la antes de a queimarmos. Depois, vou foder o seu cadáver queimado para ter a certeza de que ela está morta", disse o ator, em mensagens trocadas com o amigo Paul Bettany.

"Não estou orgulhoso de nenhum dos termos que usava nos momentos de raiva", disse Depp, alegando tender a usar "humor negro" para se expressar, considerando que terá sido esse o caso.

Na última sessão, esta segunda-feira, 25, Depp confessou que "estava destruído" e revelou que chegou a ter intenções de se suicidar. "Tinha uma faca no bolso, peguei nela e disse-lhe: 'Toma. Corta-me. É o que queres fazer. No fundo, tiraste-me tudo. Queres o meu sangue, toma', conta o ator. "E ela [Amber] disse: 'Não, não'".

"Se ela não o fizesse, eu ia fazê-lo porque era assim que estava emocionalmente e psicologicamente. Estava no fim. Estava destruído", acrescentou.

Amber deve ser ouvida em tribunal já na próxima segunda-feira, 2 de maio

Está previsto que o julgamento termine dentro das próximas quatro semanas. Depois de Johnny Depp, Amber Heard deve ocupar o banco dos réus já na próxima segunda-feira, 2 de maio. A atriz ainda não falou em tribunal, no entanto, o seu nome tem sido escrutinado nas redes sociais. Principalmente, depois de a sua advogada de defesa, Elaine Bredehoft, ter recorrido a uma caixa de maquilhagem para comprovar as alegadas marcas e nódoas negras resultantes dos abusos físicos de Depp.

Durante o contra-interrogatório de dia 12 de abril, Elaine Bredehoft exibiu o Kit de Correção All-In-One da Milani Cosmetics enquanto contava ao júri como Heard disfarçava as alegadas nódoas negras no rosto.

"Isto é o que Amber tinha na sua mala durante toda a relação com Johnny Depp", disse Bredehoft, segurando o produto de maquilhagem para o júri ver. "Ela é uma atriz — acha mesmo que ela teria saído do apartamento sem maquilhagem? Acha que ela alguma vez quereria que outras pessoas vissem os seus hematomas e cortes? Isto é o que ela usou", rematou.

No entanto, este momento em concreto revelou-se controverso. Num vídeo no TikTok, a marca Milani Cosmetics negou que o seu produto pudesse ter sido usado uma vez que não foi vendido até 2017, e o casamento de Heard e Depp terminou no ano anterior, em 2016. "Você perguntou-nos... que fique registado que o nosso Kit de Correção foi lançado em 2017!", lê-se na descrição.

Segundo a revista "People", uma fonte anónima defendeu que a advogada da atriz estava apenas a usar o produto da Milani Cosmetics como um exemplo do tipo de maquilhagem a que Heard recorria para tapar as marcas dos abusos. Ou seja, não estaria necessariamente a dizer que Amber Heard usava a marca em questão.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.