Um novo confinamento geral vai mesmo para a frente. Depois de o cenário ter sido confirmado este sábado, 9 de janeiro, pela ministra de Estado e da Presidência, sabe-se agora que este vai começar às 00h de quinta-feira, dois dias antes da renovação do próximo estado de emergência, e depois do conselho de ministros, que acontece na quarta-feira, e onde serão aprovadas as medidas a seguir, avança o "Público".

Confinamento vai mesmo acontecer. Governo vai decretar medidas "o mais cedo possível"
Confinamento vai mesmo acontecer. Governo vai decretar medidas "o mais cedo possível"
Ver artigo

Apesar das regras apertadas, haverá possibilidade de votar no dia 24 de janeiro, e estão até a ser preparadas equipas para recolher os votos dos idosos em lares. Além disso, as escolas continuam abertas naquela que será a grande diferença face ao confinamento que marcou o início de 2020. Esta decisão prende-se com o facto de o governo ter concluído que os alunos estão em maior segurança sanitária dentro das instituições de ensino, escreve a mesma publicação. Para além disso, também pesará a importância de não prejudicar o processo de aprendizagem, bem como o rombo económico que se traduz em um dos pais ser obrigado a ficar em casa para acompanhar os filhos.

No entanto, as medidas concretas só serão fechadas no conselho de ministros de quarta-feira, já depois do governo ter reunido com os especialistas em saúde pública e epidemiologia, e analisado as conclusões.

O novo confinamento, que surge para travar a excessiva subida de novos casos diários — que tem estado sempre perto dos 10 mil casos por dia —, deverá ter a duração de 15 dias, à imagem da renovação de cada estado de emergência. No entanto, irá ser prolongado por igual período se os números diários de novas infeções do coronavírus não baixarem consideravelmente, avança o "Público".

Pedro Siza Vieira, ministro da Economia, já avançou que tudo se deve manter igual para a maioria do comércio e restauração, que devem encerrar atividade — embora no caso dos restaurantes, estes possam continuar a funcionar com entregas e take-away.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.