Há mais 122 mortes e 5.604 novos casos de infeção em Portugal pelo novo coronavírus. São estes os dados divulgados esta segunda-feira, 11 de janeiro, pela Direção-Geral da Saúde (DGS), no novo boletim epidemiológico.

Os dados são atualizados na altura em que Portugal se prepara para entrar num novo confinamento semelhante ao de março. Sabe-se que todo o comércio não essencial será encerrado, mas ainda não há consenso, dentro do próprio governo, sobre se as escolas deverão ou não permanecer abertas. António Costa e Tiago Brandão Rodrigues, ministro da Educação, são os principais opositores ao encerramento dos estabelecimentos de ensino, escreve o "Correio da Manhã" citando várias fontes ligadas ao executivo.

Ao lado do primeiro-ministro e do ministro da Educação estão também Pedro Siza e Mariana Vieira da Silva, ministro do Estado e da Economia e a ministra de Estado e da Presidência, respetivamente. A favor do encerramento está Marta Temido, ministra da Saúde. Quem o diz é Mário Nogueira, secretário-geral da Fenprof, que adianta que, face a este tema, "o Conselho de Ministros tomará uma posição de equilíbrio".

Voto antecipado facilitado e cada pessoa leva a sua caneta. Guia para votar nas presidenciais
Voto antecipado facilitado e cada pessoa leva a sua caneta. Guia para votar nas presidenciais
Ver artigo

A decisão final, no entanto, só deverá ser tomada depois desta terça-feira, 12 de janeiro, após a reunião no Infarmed. Além de Marta Temido, o mesmo jornal sabe que há outros governantes que vêem com bons olhos a decisão de fechar as escolas do País, mas a decisão está dependente daquilo que os especialistas disserem nesta reunião.

Sabe-se que, caso as previsões indiquem um aumento exponencial de novos casos diários, mortes e internados em unidades de cuidados intensivos e a estes dados se acumular ainda um aumento de contágios entre jovens em idade escolar, o governo de António Costa não terá outra alternativa a não ser ordenar o encerramento das escolas. Se, pelo contrário, as previsões indicarem o contrário, as escolas continuarão a ser exceção ao novo confinamento.

António Costa e Tiago Brandão Rodrigues querem evitar que o primeiro cenário se confirme, até porque isso implicaria os pais faltarem aos seus trabalhos para cuidar dos filhos em casa — o que obrigaria o governo a comparticipar, à semelhança do que aconteceu em março e abril, os salários destes trabalhadores.

Em cima da mesa, e para fazer face à possibilidade das escolas fecharem, o governo está ainda a ponderar uma opção menos severa que passará, caso seja aprovada, pelo encerramento apenas do ensino secundário a partir do 10.º ano de escolaridade.

Newsletter

A MAGG é uma revista digital pensada para mulheres e focada nas preocupações centrais da vida de cada uma. Falamos de tudo o que está a acontecer de forma descontraída mas rigorosa.
Subscrever

Notificações

A MAGG é uma revista digital pensada para mulheres e focada nas preocupações centrais da vida de cada uma. Falamos de tudo o que está a acontecer de forma descontraída mas rigorosa.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.