Com base em dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), o Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge (INSA) avançou com um estudo sobre o perfil nutricional dos alimentos para crianças dos seis aos 36 meses e concluiu que "31% dos alimentos têm, pelo menos, uma fonte de açúcar indicada na lista de ingredientes" e "97% apresentaram, pelo menos, um tipo de alegação nutricional ou de saúde na embalagem", que pode induzir os pais em erro.

Entre março e julho de 2021, o INSA recolheu  informação nutricional de 138 alimentos rotulados como adequados para a faixa etária dos 6-36 meses e vendidos em cinco superfícies comerciais da região de Lisboa.

Como controlar os excessos alimentares das crianças no Natal?
Como controlar os excessos alimentares das crianças no Natal?
Ver artigo

Os investigadores distribuíram os alimentos por três categorias — papas infantis, refeições “de colher” (incluindo as subcategorias: sobremesas lácteas, purés de fruta, purés de carne/peixe) e bolachas/snack — e procuraram analisar a presença de sal e açúcar, que "não devem ser consumidos durante o primeiro ano de vida", afirmam os autores do estudo: Filipa Matias, Rui Vaz, Ricardo Assunção, Mariana Santos, Isabel Castanheira.

No entanto, a conclusão não é favorável à saúde das crianças.

"Foi verificado que 25% (n=35) dos alimentos têm sal adicionado e 47% (n=16) das papas infantis, 50% (n=5) das bolachas/snacks e 23% (n=22) das refeições 'de colher' têm pelo menos uma fonte de açúcar na sua formulação", pode ler-se no documento.

Bolachas/Snack
Bolachas/Snack créditos: insa

O açúcar e sal podem estar de certo modo camuflados por designações menos diretas, encontradas em 97% dos alimentos estudados. "As alegações mais frequentes são: 'sem adição de açúcares' (69%), 'sem corantes/conservantes' (54%), 'fonte de vitaminas/minerais'/ 'enriquecido com vitaminas/minerais' (36%), 'sem adição de sal' (33%)", exemplificam os investigadores e lembram que a promoção inadequada dos alimentos vai conta as orientações da OMS e do Codex Alimentarius.

Outro estudo do INSA divulgado em novembro de 2020 revelava que a maioria das bolachas e dos cereais de pequeno-almoço têm açúcar e sal a mais e o novo relatório, focado na alimentação das crianças após iniciarem o período de introdução progressiva de novos alimentos, a partir dos 6 meses, chega a resultados semelhantes.

De acordo com os autores do estudo, no qual foi possível constatar que "dos 138 alimentos analisados, 69% não cumpriam todos os critérios nutricionais propostos pelo modelo da OMS", é preciso adotar medidas para melhorar a oferta alimentar disponível às crianças para um adequado aporte nutricional e energético. 

"Os resultados obtidos revelam a necessidade de implementar medidas que limitem a promoção de alimentos menos saudáveis destinados à faixa etária dos 6-36 meses, de modo a garantir que pais e cuidadores tenham acesso a informações claras e fiáveis sobre as escolhas alimentares que fazem para os seus filhos", defendem.

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.