Três inspetores do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) foram detidos pela Polícia Judiciária esta segunda-feira, 30 de março, por suspeitas de terem morto um homem ucraniano de 40 anos à pancada. Tudo aconteceu numa sala do aeroporto de Lisboa, a 12 de março.

Dois dias antes, o ucraniano chegou a Portugal como turista, num voo vindo da Turquia. Ainda não se sabe bem o que aconteceu para que tudo isto decorresse mas sabe-se que a vítima foi acusada de entrar em Portugal de forma irregular e foi alvo de fiscalização por parte do SEF. Aparentemente, o homem reagiu mal à detenção inicial e foi levado para uma sala do aeroporto sendo em seguida agredido com extrema violência. Durante o período de detenção, a vítima chegou a receber assistência médica e já estava de volta a uma sala de enfermaria do Centro de Instalação Temporário, para ser expulso do país, quando o crime aconteceu. O ucraniano foi encontrado sem vida no dia seguinte, numa sala onde não há câmaras de vídeovigilância. A autópsia revela que a causa da morte foram agressões na zona da caixa torácica, revela o "Diário de Notícias". Dado isto, o SEF já demitiu o Direito da Direção de Fronteiras de Lisboa, António Sérgio Henriques, e Subdireitor, Amilcar Vicente.

COVID-19. Turista viola restrições, nada em piscina de hotel e um polícia atira-se à água e prende-a — o vídeo já é viral
COVID-19. Turista viola restrições, nada em piscina de hotel e um polícia atira-se à água e prende-a — o vídeo já é viral
Ver artigo

A investigação da PJ concluiu que três inspetores do SEF, com idades entre os 42 e 47 anos, foram os responsáveis do crime. Ainda não se sabe o que levou ao homicídio, mas os detidos devem ir a tribunal perante um juiz de instrução nas próximas horas para conhecerem que medida de coação lhes vai ser aplicada. Os suspeitos do crime podem ter uma pena de prisão até 25 anos por homicídio qualificado.

Os inspetores detidos integram os quadros "daquele Serviço e a investigação apurou que serão os presumíveis responsáveis pela morte de um homem", segundo explicações da PJ.

Desde o início desta investigação que o SEF está a colaborar com todas as autoridades envolvidas na investigação.

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.