Beatriz, de apenas 16 anos, foi detida esta quarta-feira, 13 de setembro, pela Polícia Judiciária (PJ) por matar a própria irmã, Lara Pereira, de 19 anos, em Peniche. A vítima estava desaparecida há cerca de um mês, havendo até publicações nas redes sociais a pedir informações sobre o seu paradeiro.

“A jovem de 16 anos de idade, por motivo fútil, utilizando arma branca, desferiu número de facadas não apuradas, provocando a morte da irmã, que havida sido dada como desaparecida”, informou a PJ em comunicado sobre o crime que terá acontecido no dia 15 de agosto, segundo o "Jornal de Notícias".

Homem que apalpou repórter em direto foi detido e pode ser acusado de agressão sexual
Homem que apalpou repórter em direto foi detido e pode ser acusado de agressão sexual
Ver artigo

A TVI, entretanto, informou de que foram desferidas três facadas no abdómen da vítima. O motivo terão sido "desavenças por causa de um telemóvel", segundo o que Avelino Lima, diretor do Departamento de Investigação Criminal da PJ de Leiria, disse à Lusa, já que Lara tê-lo-á escondido.

A jovem terá “lavado o interior da casa para ocultar pistas” e “enterrado o corpo nas traseiras da residência em terreno arenoso”, no quintal da casa onde ambas moravam com o pai. As irmãs estavam sinalizadas pela Comissão de Proteção de Crianças e Jovens (CPCJ), segundo o “Correio da Manhã”.

“Ontem [quarta-feira, 13 de setembro], desde o início da manhã, procederam-se a várias diligências de investigação, junto dos familiares diretos, bem como à realização de vários exames e perícias, realizadas pela Equipa do Local do Crime do Laboratório de Polícia Cientifica desta PJ, resultando inequívoco que ocorrera uma morte violenta na domicílio da desaparecida”, explicou a PJ, que iniciou diligências em Peniche, Caldas da Rainha e grande Lisboa pelo desaparecimento da vítima.

A jovem de 16 anos confessou o crime depois de ter sido “confrontada” com provas do crime, tendo informado a polícia sobre o local onde escondeu o corpo, segundo a TVI. Da casa até ao quintal, o corpo da jovem anã foi transportado através de um carrinho de mão.

O corpo foi transferido para o Instituto Nacional de Medicina Legal e Ciências Forenses para a realização de autópsia. Beatriz será presente às autoridades, onde vai conhecer as medidas de coação adequadas.

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.