Após o aumento exponencial de casos de infeção nas últimas 24 horas, todos os hospitais de Lisboa deverão, "de imediato, escalar os seus planos de contingência para o nível máximo" e "garantir a alocação de meios humanos à área dos cuidados críticos" de forma a maximizar a capacidade de resposta nas unidades de cuidados intensivos. Foi esta a medida comunicada pela ministra da Saúde, Marta Temido, ao presidente da Administração Regional de Saúde (ARS) por e-mail, a que o jornal "Expresso" teve acesso.

Com objetivo de garantir que os hospitais de Lisboa não esgotem a sua capacidade de resposta aos doentes infetados com a COVID-19, Marta Temido ordena a suspensão de toda "atividade assistencial programada não urgente que possa reverter em esforço de cuidados ao doente crítico". A decisão, escreve o mesmo jornal, surge no decorrer da reunião realizada esta terça-feira, 5, que contou com a presença da ARS e da comissão responsável por coordenar as transferências entre os vários hospitais.

Alívio das restrições no Natal pode significar "maior dimensão" de contágios em Portugal
Alívio das restrições no Natal pode significar "maior dimensão" de contágios em Portugal
Ver artigo

No mesmo e-mail, Marta Temido diz ser essencial "garantir a resposta a uma procura [aos serviços de saúde] que se prevê crescente nos próximos dias".

"Os próximos dias vão ser muito difíceis e vão começar a refletir-se nas unidades de cuidados intensivos [UCI]. Neste momento, a taxa de ocupação em UCI na região de Lisboa é igual ou superior a 94%. E sabemos que taxas superiores a 80% não nos permitem dar resposta a todos os doentes", explica João Gouveia, presidente da Sociedade Portuguesa de Cuidados Intensivos, ao jornal "Expresso".

Nas últimas 24 horas, registou-se mais 91 mortes e 10.027 novos casos de infeção em Portugal naquele que é agora o pior dia de sempre em termos de novos casos desde o início da pandemia.

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.