Os professores tiveram que adaptar a forma de ensinar à distância que a pandemia exige. Por computador, com vídeos e turmas online, o ensino mudou e vai agora sofrer mais uma alteração, esta numa espécie de regresso ao passado.

Segundo adiantou o jornal “Público”, o governo estará a trabalhar com a RTP para colocar aulas em TDT (Televisão Digital Terrestre), que é gratuita, para que todos os estudantes tenham acesso. As aulas deverão ser retomadas a 13 de abril e esta medida visa apenas alunos até ao 9.º ano. Os alunos do 10.º, 11.º e 12.º anos devem conhecer as medidas específicas para os seus regimes na próxima semana.

Esta medida junta a RTP ao Ministério da Educação. Por um lado, será a estação pública que ficará encarregada do pessoal criativo e técnico para colocar o projeto de pé. Por outro lado, os conteúdos passados na televisão serão da responsabilidade exclusiva do ministério. Já o tempo diário de emissão, o local de gravação e como será feita a divisão dos vários níveis de ensino ainda são questão que não estão definidas, avança o mesmo jornal. Ainda assim, os responsáveis estão a ter em conta a sobreposição de matérias e escolaridades para uma família que tenha mais do que um filho.

COVID-19. O meu filho não tem ido à creche. Vou ter de pagar mensalidade na mesma? Como vai ser?
COVID-19. O meu filho não tem ido à creche. Vou ter de pagar mensalidade na mesma? Como vai ser?
Ver artigo

O nome e o modelo serão diferentes, mas a ideia parece ser semelhante àquela instituída em 1965 para ajudar os alunos das regiões do interior, a telescola.

Vamos voltar à telescola. Ainda se lembra como era?

A Telescola arrancou a 6 de janeiro 1965 com um intuito: ajudar as crianças a aprender à distância, através da televisão, para os casos em que não conseguiam ir à escola. Esta medida ajudou principalmente as crianças do interior e aqueles que, por variadas razões, não conseguiam estar regularmente nas aulas presenciais. Para além disso, as lições também eram vistas para complementar o ensino regular ou para ajudar a completar exames externos com vista a completar os graus de ensino.

Se agora a medida é aplicada a todos os estudantes até ao 9.º ano, na altura havia apenas dois graus de ensino, o 5.º e 6.º anos. E porquê apenas dois anos? De modo a permitir o cumprimenta da escolaridade obrigatória, que contemplava quatro anos de escola primária e dois anos no ciclo preparatório (agora, o 5.º e 6.º anos).

As aulas eram seguidas pela televisão pelos alunos e posteriormente eram completadas em contexto de sala de aula pelos professores. Durante as lições exibidas na televisão, os alunos eram acompanhados normalmente por dois professores, um de ciências e outro de letras. Para complementar o que estava a ser dito na televisão, existiam também livros adaptados às emissões que tinham sido previamente entregues gratuitamente.

A Telescola era exibida nos dias úteis, das 14 às 19 horas – numa altura em que havia apenas mil crianças matriculadas na escola, mas onde toda a população tinha acesso à televisão. A última emissão da Telescola foi em 1987, mas as aulas pela televisão continuaram até 2000, uma vez que os vídeos eram enviados diretamente para as escolas.

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.