"Rua das Flores" estreia já a 18 de abril e é a nova aposta da TVI para o horário de 19h. Trata-se de uma rua onde todas as mulheres têm nomes de flores, começando por dona Tília, o gatilho de toda a ação e a personagem que marca o regresso de Ana Bola à televisão nacional.

"Rua das Flores" estreia já em abril. Novela da tarde tem David Carreira e Paulo Futre no elenco
"Rua das Flores" estreia já em abril. Novela da tarde tem David Carreira e Paulo Futre no elenco
Ver artigo

A atriz de 69 anos já não fazia um projeto de ficção há cerca de quatro anos, tendo participado pela última vez na série "1986", da RTP, em 2018. Na apresentação do projeto à imprensa, que teve lugar nos estúdios da Plural, esta quinta-feira, 7 de abril, Cristina Ferreira admitiu que todos os atores já estavam escolhidos ou, pelo menos, apontados ainda antes do arranque da novela.

Ana Bola foi, desde logo, a atriz pensada para o papel desta cartomante poderosa da "Rua das Flores", no entanto, a atriz conta que entrou na reunião com a TVI com a certeza de que ia recusar o projeto.

"Eu tinha jurado que nunca ia fazer [novela]"

Se se pergunta há quanto tempo é que Ana Bola não fazia uma novela, a resposta é simples: pelo menos enquanto parte integrante do elenco fixo e ainda mais como uma das protagonistas, "nunca fez", palavras da própria. "E tinha jurado que nunca ia fazer", mas "quebrei [essa jura]".

"Eu ia completamente decidida a dizer que não. Depois cheguei a casa e pensei tipo hora e meia e aceitei fazer, porque gostei sobretudo muito do projeto", começa por explicar. "O 'não' prendia-se com o facto de achar que ia detestar fazer novela. Eu posso dizer que tinha tido outro convite, relativamente pouco tempo antes deste, e que não aceitei fazer. Podia ter ido fazer, mas não fiz, porque achei que este projeto era mesmo muito giro".

A atriz de 69 anos não tece grandes comentários sobre o projeto que recusou. Conta que não era da TVI, confirma que era "do outro lado", e admite que ficou muito lisonjeada. Ainda assim, avança que o convite significaria fazer uma personagem que já havia feito "mil vezes" e que, à data, não a aliciou.

Já no que toca à "Rua das Flores", foi amor à primeira vista. "Achei muito giro, muito leve e muito necessário nesta altura. E agradou-me muito ser feito com ótimos atores, com um casting muito bem feito e uma história muito bem contada. É tão leve, que pode aligeirar o peso de todas as nossas vidas", diz.

Afinal, que é Ana Bola em "Rua das Flores"?

Para perceber quem é esta Dona Tília, interpretada por Ana Bola, é preciso perceber qual é a história desta nova novela da TVI. "'Rua das Flores' conta-nos a história de uma rua no distrito de Lisboa, que podia ser como tantas outras, mas que não é igual a nenhuma. Isto porque é uma rua onde todas as mulheres têm nomes de flores. Começando pela grande figura dessa rua: a dona Tília", avança a estação de Queluz de Baixo.

E porque é que a dona Tília é a principal figura desta rua? É simples: é cartomante e todos naquela rua a procuram, embora ninguém o admita. Tília é um verdadeiro pote de segredos e confissões, o que não teria qualquer problema se esta cartomante não escrevesse tudo aquilo que lhe é contado num pequeno caderno que guarda em casa.

Ou melhor, guardava. É que esta relíquia em forma de caderno, às tantas, desaparece e a Rua das Flores entra em alvoroço. Naquela panóplia de folhas perdidas, há medos, informações confidenciais, paixões escondidas e, claro, traições. Mas o drama não fica por aqui.

"Por vergonha ninguém quer acreditar verdadeiramente nas suas profecias (em particular, quando não são boas). Porém, acabam sempre por se concretizar. E é justamente no concretizar de uma dessas profecias que começa a nossa história e é a partir daí que todos na Rua das Flores começam a acreditar que Tília é, de facto, uma verdadeira vidente", conta o canal.

Ana Bola
Ana Bola veste a pele de dona Tília, na nova novela das 19h da TVI, "Rua das Flores". créditos: TVI

A dona Tília lança (literalmente) as cartas para cima da mesa e conta, detalhe a detalhe, tudo o que vai acontecer aos habitantes desta rua. Ora, se esta cartomante nunca falha, talvez o melhor seja acreditar em tudo o que diz, certo? Mais ou menos, mas é o que esta nova grupeta do horário das 19h começa por fazer.

"Agora, mais do que nunca, todos os seus habitantes terão de lidar com tudo aquilo que Tília previu para os seus futuros e que vamos ver revelado ao longo da história", remata a TVI, em comunicado.

Apesar do destaque do seu papel, Ana Bola descarta a ideia de que é a grande protagonista desta história. "Eu não me sinto protagonista. Francamente, nem sei se sou protagonista. O facto de eu ser mais velha e de ter uma longa carreira não quer dizer que seja [protagonista]", explica.

"Sou a personagem mais importante da novela, porque, de facto, desta mulher [dona Tília] dependem as vidas de toda gente. Agora, acho que isto é uma novela de protagonistas", remata.

Dona Tília é cartomante, mas Ana Bola não podia ser mais cética

Esta cartomante da "Rua das Flores" não só deita as cartas como tem premonições, quer com eventos quer com pessoas. No entanto, quando a câmara desliga e o realizador grita 'corta', tudo o que tem que ver com o campo do desconhecido e do além é excluído da vida da atriz.

"Sou a pessoa mais cética do mundo. Não acredito em nada", começa por explicar. Ana Bola assume que interpretar uma cartomante é um desafio, principalmente por se tratar de uma matéria que lhe é completamente estranha. Mas admite que tem quem a ajude a explorar a área.

"Há uma senhora que é cartomante e que me ajuda em algumas cenas. Até porque eu não faço a mínima ideia do que aquilo é", conta Ana Bola, que garante nunca visitou nenhuma cartomante na vida, nem por curiosidade, e que nem o facto de ter diariamente a ajuda de quem percebe efetivamente do assunto ameaça o seu ceticismo.

"Tenho quase 70 anos, já não acredito em nada, mas tenho o maior respeito", remata.

Ana Bola
Ana Bola veste a pele de dona Tília, na nova novela das 19h da TVI, "Rua das Flores". créditos: TVI

Ana Bola fala das dificuldades que enfrentou, sem trabalho, durante a pandemia

Em declarações à imprensa, Ana Bola conta que o facto de se tratar de uma personagem tão diferente de tudo o que já tinha feito influenciou a sua decisão, mas conta que o "sim" resultou de um conjunto de fatores.

Admite que o regresso à televisão também teve o seu "peso", mas não nega que o fator financeiro também foi posto na balança. Ainda assim, deixa claro que não foi apenas o dinheiro que a motivou a aceitar.

"Não vou dizer que o facto de poder voltar a trabalhar em televisão não tem o seu peso, porque claro que sim. Mas eu vivi dois anos e tal sem ganhar um tostão. E vivi", começa por explicar. "Lá em casa, fomos dois cancelados [como consequência direta da pandemia], porque o meu marido [Zé Nabo] é músico. Não foi fácil, mas conseguimos"

Ana Bola admite que a questão financeira também influenciou a decisão de aceitar este novo desafio, mas garante: "se o projeto não me agradasse, continuaria a viver daquela maneira". "Até porque tinha teatro para fazer, portanto não ia ficar desempregada", explica.

"Eu também não me vejo a fazer agora um papelão num dramalhão, não sei fazer. Portanto, o facto de a novela ser em tom de comédia fez-me aceitar também, claro", diz.

"Em Portugal, os atores não se podem aposentar"

Cristina Ferreira não confirmou nem desmentiu se o projeto vai ter mais do que uma temporada, mas deu a entender que, se correr bem, a ideia é dar continuidade a esta "Rua das Flores" por muito tempo. Até porque, diz, há muito conteúdo por explorar.

Ainda assim, Ana Bola confirma que não está preparada para "anos e anos" a fazer novela. "Isso são eles que são novos. Farei aquilo que conseguir fazer", remata. "Quando não puder, arreio-me", diz.

"Mas eu não me posso aposentar. Se eu pudesse, aposentava-me", acrescenta, entre risos. "Em Portugal, os atores não se podem aposentar, exceto um ou dois casos. E para trabalhar que seja divertido", frisa.

Por agora, e enquanto se sentir capaz de continuar, Ana Bola admite que o foco é esta "Rua das Flores", já que confirma que o ritmo de gravações de uma novela é alucinante. No entanto, não descarta a hipótese de regressar aos palcos e não deixa o teatro completamente fora da equação.

"Eu tencionava continuar a fazer teatro até...até", diz. "Como isto apareceu, vou intervalar e depois voltarei. Ou não. Logo se vê", remata.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.