Ameaça Vegetal é o novo restaurante do chef Diogo Noronha, que funciona exclusivamente através de take away e delivery, em parceria com a Uber Eats e o coletivo FoodRiders. Se gosta de opções sustentáveis de base vegetal e flexitarianas, então está no sítio certo.

Para além das sopas e pratos principais que se comprometem a atrair consumidores de produtos de origem animal, as sobremesas também foram pensadas para dar um toque extra ao final da refeição.

Um restaurante para comer em casa. Os tacos incríveis do Savage chegam ao Parque das Nações
Um restaurante para comer em casa. Os tacos incríveis do Savage chegam ao Parque das Nações
Ver artigo

A MAGG experimentou alguns pratos confecionados pelo chef do Ameaça Vegetal e destaca a combinação de sabores que, para Diogo Noronha, é a chave para manter a tradição gastronómica aliada a uma alimentação sustentável. "As pessoas têm de fazer uma transição para mudar a sua dieta. Por isso, apresentamos propostas interessantes, que combinam sabores diferentes", começa por dizer, em conferência de imprensa.

Para começar, sugerimos a sopa de batata doce com gengibre (6,80€) e para prato principal pode experimentar uma mistura de beterrabas assadas, tofu, molho de ervas frescas e crocantes de sementes (9,76€). A sobremesa, como não podia deixar de ser, tem de ter o chocolate como elemento principal. Por isso, nada melhor do que optar pelo bolo de avelã acompanhado por mousse de chocolate e abacaxi em calda de especiarias (6,71€).

Entre as propostas de sanduíches, servidas em focaccia de fermentação natural, há a de couve flor assada, de beringela em tempura, de ostras empanadas e de bacalhau em polme. A escolha pode substituir o prato principal e está entre os valores de 8,55€ e 18,30€.

Com a variada oferta criada pelo chef Diogo Noronha, um dos propósitos do seu projeto também é criar parcerias com pequenos produtores. "O objetivo é criar parcerias fortes com pequenos produtores locais, com produtos o mais biológico possível e boa qualidade", acrescentou durante a apresentação do restaurante virtual.

Percorra a galeria para conhecer o menu do restaurante.

O que é o coletivo FoodRiders?

A primeira cozinha do Foodriders fica na Penha de França, onde o Ameaça Vegetal também está disponível para take away. O conceito do coletivo junta vários profissionais da restauração, cujo co-fundador é o próprio Diogo Noronha. Um outro projeto que faz parte do FoodRiders é o restaurante Las Gringas, de Damian Irizarry e Marta Fea.

Agora, o objetivo do coletivo é continuar a crescer e fazer com que os projetos a ele associados cheguem a novas fronteiras. Um bom exemplo é a intenção de criar o espaço físico para o Ameaça Vegetal, que para já está focado em ser um restaurante virtual, bem como criar uma carrinha de street food para chegar a mais público.

Diogo Noronha já passou por restaurantes como o Casa de Pasto ou o Pedro e o Lobo. A sua carreira começou em Nova Iorque, onde trabalhou no Per Se, do chef Thomas Keller, galardoado com três estrelas Michelin.

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.