O que é que vai bem a seguir a um almoço de pica no chão (ou cabidela, conforme a expressão que preferirem usar)? Uma sesta. Era bom, só que não, e aqui estamos nós, a reportar a nossa mais recente visita ao FOGO.

O restaurante do chef Alexandre Silva (que viu, esta terça-feira, 22 de novembro, renovada pelo sétimo ano consecutivo a estrela Michelin do seu outro projeto, o LOCO), célebre por usar apenas combustão a lenha para cozinhar, tem desde o início deste mês um menu de almoço com pratos tradicionais portugueses, cujos sabores reconfortantes nos transportam de imediato para aqueles invernos frios, com a panela de ferro fundido à lareira, onde cozinhavam lentamente delícias das nossas avós.

À segunda-feira, o FOGO está encerrado mas, a partir de terça-feira, há, por dia, um prato para satisfazer os apetites mais tradicionais. Os preços começam nos 19€ por prato e variam consoante o dia.

  • Terça-feira - Polvo Assado à Lagareiro
  • Quarta-feira  – Cabidela de Frango do Campo
  • Quinta-feira – Arroz de Peixe e Marisco no Pote de Ferro
  • Sexta-feira – Pernil Assado no Forno a Lenha com Piso de Coentros
  • Sábado – Cabrito Estonado no Forno a Lenha
  • Domingo – Leitão Assado no Forno a Lenha

“São pratos que vêm na linha dos sabores tradicionais, com matérias-primas de excelência, temperos apurados e o sabor fumado tão característico das nossas aldeias e que procuramos recriar no FOGO, com a elevação das técnicas e um toque de sofisticação”, comenta Alexandre Silva, em comunicado.

O novo menu do Fogo tem molho de bitoque como entrada e um arroz de forno que grita comida de conforto
O novo menu do Fogo tem molho de bitoque como entrada e um arroz de forno que grita comida de conforto
Ver artigo

A MAGG visitou o Fogo esta quarta-feira, 23 de novembro, dia de cabidela. Servida num prato de barro, aromática e avinagrada, impressionou logo pelo pormenor (que pode chocar os mais sensíveis e menos habituados a estas iguarias galináceas): as patinhas, semimergulhadas no arroz caldoso, e com aquele aspecto gelatinoso, prova de que estiveram o tempo suficiente a cozinhar para os ossos se desintegrarem na boca.

fogo restaurante cabidela
Cabidela créditos: MAGG

Comprovámos, de facto, o ponto da carne, delicada e a desfazer-se, num rácio perfeito entre pedaços de proteína, caldo do cozinhado e arroz. O grão estava ligeiramente passado do ponto mas, nestas coisas do arroz, às vezes bastam uns segundos para a textura mudar. Ainda assim, uma surpresa inesperada, reconfortante, de sabores simples, limpos e tradicionais, mesmo o que se quer quando se come cabidela.

Acompanhámos com vegetais da época (6€), beterraba, abóbora e brócolos, assados e no ponto, com aquela tonalidade (e sabor) ligeiramente carbonizado que só o fogo concebido pela madeira consegue criar.

vegetais da época
Vegetais da época créditos: MAGG

Apesar de ser dia da semana, e os repastos não se quererem alongados, acompanhámos a cabidela com um copo de espumante Quinta do Poço do Lobo, frutado e leve. Fechámos com uma das melhores (e menos doces) sobremesas que já provámos, bolo Podre, figo pingo de mel e iogurte (8€), o posfácio perfeito para uma tarde cinzenta e fria.

bolo podre
créditos: MAGG

Morada: Avenida Elias Garcia 57, Lisboa
Telefone: 217 970 052
Horário: 12h30-00h30 (fecha ao domingo e segunda-feira)
Reservas: 21 797 00 52 ou fogo.reservas@alexandresilva.pt

Site, Instagram e Facebook 

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.