Os teatros vão voltar a funcionar e, com isso, são vários os que já estão a preparar a estreia de novas peças para receber o público nos seus espaços, ainda que com uma lotação reduzida. É o caso do Teatro Nacional D. Maria II, em Lisboa, que prepara o regresso aos palcos com duas peças: "Tempo Para Refletir" e "Catarina e a Beleza de Matar Fascistas".

Nesta última, a história foca-se na figura de Catarina, uma jovem que vive no seio de uma família que tem como tradição o homicídio de fascistas. Assumindo isso como uma espécie de ritual de iniciação, chega a altura em que Catarina é obrigada a matar um. A reviravolta? O facto de se recusar, chocando de frente contra a família, soberana e intransigente.

Ana Rocha de Sousa. "Aprendi que o importante, quando existe hostilidade, é saber atravessar a sala"
Ana Rocha de Sousa. "Aprendi que o importante, quando existe hostilidade, é saber atravessar a sala"
Ver artigo

Esta é só uma das peças que poderá ver em abril assim que os teatros voltarem a abrir as suas portas ao público, mas há mais. É o caso do regresso de "Monólogos da Vagina" ou "Perfeitos Desconhecidos", que junta Ana Guiomar, Jorge Mourato e Sara Barradas na interpretação do texto.

Mostramos-lhe seis peças de teatro para ver e desconfinar em abril.

1. "Catarina e a Beleza de Matar Fascistas" (de 19 a 26 de abril)

Há uma tradição que esta família mantém ao longo dos anos: a de matar fascistas. E porque a tradição é para se cumprir, esta peça de teatro, acompanha a vida de Catarina, uma das jovens da família, que é encarregada de matar o seu primeiro fascista que fora raptado especificamente para esse propósito.

Problema? Frente a frente com o homem a quem deve tirar a vida, Catarina hesita — e a peça explica se por recusa ou se por incapacidade. É um dos grandes regressos ao teatro após o segundo confinamento no País. Com texto e encenação de Tiago Rodrigues, a interpretação fica a cargo de António Fonseca, Beatriz Maia, Isabel Abreu, Marco Mendonça, Pedro Gil, Romeu Costa, Rui M. Silva e Sara Barros Leitão.

Onde e quando? No Teatro Nacional D. Maria II, sempre às 10 horas. Os bilhetes poderão ser comprados aqui, mas ainda não estão disponíveis e ainda não se conhece o valor.

2. "Monólogos da Vagina" (de 19 de abril a 30 de junho)

Vários e pequenos textos, cada um deles focando-se em temas como o amor, a violação, a menstruação, o orgasmo, a mutilação genital feminina. No fundo, temas que, de uma forma ou de outra, são inerentes à experiência feminina e que põem no centro da peça a vagina enquanto ferramenta de capacitação feminina — reforçando a individualidade e personalidade das mulheres.

Albano Jerónimo. "A vida muitas vezes não nos salva e eu gosto dessa crueldade"
Albano Jerónimo. "A vida muitas vezes não nos salva e eu gosto dessa crueldade"
Ver artigo

Com um texto original de Eve Ensler, a encenação portuguesa cabe a Paulo Sousa Costa e, nesta nova versão, o texto é interpretado por Paula Lobo Antunes, Teresa Guilherme e Marta Andrino.

Onde e quando? No Teatro Armando Cortez (Casa do Artista), sempre às 21 horas. Os bilhetes podem ser comprados aqui e custam 20€.

3. "Tempo para Refletir" (de 20 de abril a 2 de maio)

Nesta peça de teatro, a poesia de José Miguel Silva, que reflete muito dos tempos conturbados e incertos em que vivemos, cruzam-se com o público que serve de motor para uma reflexão coletiva sobre o mundo e a sociedade.

Encenado por Ana Borralho e João Galante, o elenco de atores conta com nomes como Beatriz Costa, Cláudio de Castro, Daniela Santos, Daniel Tormo, Ema Marli e Filipa Borges.

Onde e quando? No Teatro Nacional D. Maria II, às 19h30 ou às 21h30. Os bilhetes estão à venda aqui e custam 11€.

4. "A Peça Que Dá Para o Torto" (de 21 de abril a 29 de maio)

Trazida para Portugal através da tradução e da adaptação de Nuno Markl, esta homenageia a versão inglesa e acompanha o desenvolvimento de uma peça que, de repente, começa, literalmente, a dar para o torto — os atores esquecem-se das falas, os adereços no palco começam a pegar fogo e há um caos inerente que, no meio daquele cenário, dá lugar a uma nova peça.

Do elenco fazem parte nomes como Madalena Brandão, Miguel Thiré, Rita Silvestre, Telmo Mendes, Telmo Ramalho e Valter Teixeira.

Onde e quando? No Casino de Lisboa, sempre às 19h45. Os bilhetes podem ser comprados aqui e custam entre 18 e 22 euros.

5. "Hamlet" (21 de abril a 21 de maio)

Um original de William Shakespeare, "Hamlet" chega agora ao teatro com tradução de Sophia de Mello Breyenr Andresen e encenação de Carlos Avilez. No elenco de atores estão nomes como José Condessa, Bárbara Branco, Elmano Sancho, Maria João Pinho, Teresa Côrte-Real e Elmano Coelho.

Dalila Carmo. "Todos os meses há alguém que me pergunta o que é que eu faço. E fico triste"
Dalila Carmo. "Todos os meses há alguém que me pergunta o que é que eu faço. E fico triste"
Ver artigo

Onde e quando? No Teatro Experimental de Cascais, sempre às 19 horas. Os bilhetes podem ser comprados aqui e custam 15€.

6. "Perfeitos Desconhecidos" (de 21 de abril a 27 de junho)

Quando um grupo de amigos se junta para jantar, um deles desafio o grupo a pôr o telemóvel em cima da mesa e mostrando todos os registos de contactos feitos, sejam eles mensagens, chamadas ou e-mails trocados. Aquilo que, ao início, parece uma brincadeira inusitada, rapidamente se transforma num drama de repercussões várias.

Encenada por Pedro Penim, a interpretação do texto fica a cargo de Ana Guiomar, Cláudia Semedo, Filipe Vargas, Jorge Mourato, Martinho Silva, Samuel Alves e Sara Barradas.

Onde e quando? No Teatro Maria Matos, sempre às 20 horas. Os bilhetes podem ser comprados aqui e custam entre 16 e 20 euros.

7. "Todas as Coisas Maravilhosas" (de 21 a 30 de abril)

A peça de Ivo Canelas está de regresso. Trata-se de um monólogo em que o ator convida o público a fazer parte do espetáculo e abordar, com ele, temas como a depressão, a família e o amor.

Onde e quando? No espaço da Time Out, no Mercado da Ribeira, em Lisboa, sempre às 19 horas. Os bilhetes podem ser comprados aqui e custam 20€.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.