Para compensar a falta de quedas na passadeira vermelha da 92.ª edição dos Óscares, a chuva que se fez sentir em Los Angeles, nos Estados Unidos, fez ceder algumas das tendas que suportavam o cenário preparado para receber algumas das maiores estrelas da indústria de Hollywood. Num cenário que pedia sapatos engraxados e vestidos sem vincos, viram-se panos, vassouras e folhas de papel. Tudo serviu para limpar a água que, pelo menos no início da passadeira vermelha, ameaçou estragar a noite à imprensa e à Academia de Hollywood.

Resolvido o problema, a cerimónia arrancou à uma da manhã em Portugal sem grandes percalços e a abertura da gala mostrou a todos os céticos que os Óscares não precisam de apresentadores para nada. Janelle Monáe, a artista associada ao hip-hop e R&B, subiu ao palco para um momento musical que também serviu de homenagem a alguns dos filmes estreados em 2019.

E se ao início surgiu de colete vermelho, numa clara referência ao filme "Um Amigo Extraordinário", pelo qual Tom Hanks estava nomeado na categoria de Melhor Secundário e que não chega a Portugal, no final da atuação surgiu com uma coroa de flores na cabeça — em alusão ao filme "Midsommar" que não teve o apreço da Academia.

Ainda não o sabíamos, mas estávamos perante aquele que seria o primeiro momento constrangedor da noite. É que à medida que Monáe passava pela primeira fila da plateia, punha o microfone à frente de algumas das estrelas para que a pudessem acompanhar ao trautear partes da canção.

Óscares. Os melhores e piores vestidos da noite
Óscares. Os melhores e piores vestidos da noite
Ver artigo

E se há melhor forma de envergonhar atores famosos, é esta: pôr-lhes o microfone à frente e vê-los a fazer as caras mais estranhas em frente às câmaras por não saberem se devem ou não cantar. Houve quem se recusasse, quem aceitasse cantar — como Leonardo DiCaprio —, e quem ameaçasse cantarolar só para desviar a cara assim que o microfone lhes chegasse à boca.

O segundo momento constrangedor da noite fez-nos tremer e pensar se não estaríamos a breves momentos de uma nova bronca nos Óscares. Não houve troca de envelopes, como há dois anos, mas Diane Keaton (que apresentou o prémio de Melhor Argumento Original com Keanu Reeves) quase se tornou viral nas redes sociais depois de um mini-desastre.

No momento em que tentou abrir o envelope para ler o vencedor, o mão falhou-lhe, o envelope escorregou e quase atirou o microfone para o meio do palco. Após o imprevisto, foi Keanu Reeves quem tratou de anunciar que "Parasitas" ganhava uma das categorias a que estava nomeado, vencendo outras produções como "Era Uma Vez... em Hollywood""Marriage Story" e "1917".

Já na categoria de Melhor Argumento Adaptado, o vencedor foi Taika Waititi por "Jojo Rabbit", que também realizou. O realizador subiu ao palco, agradeceu à mãe e esqueceu parte do discurso. Damos o desconto. Afinal, não é todos os dias que se recebe um Óscar e que se está em frente de algumas das maiores figuras da indústria cinematográfica.

Para anunciar o prémio de Melhor Design de Produção, as atrizes Maya Rudolph e Kristen Wiig subiram ao palco e protagonizaram um dos momentos mais hilariantes da noite ao mostraram-se chateadas e incomodadas com a Academia, num sketch de humor para trazer mais dinamismo a uma gala que, até então, estava a meio gás.

Foi a meio da performance que revelaram que estavam só a representar. "Vocês não querem saber por que estamos chateadas, acreditem. Calma. Estamos só a representar, percebem? É isto que fazemos: representamos. Somos atrizes e fazemos mais do que comédia. E como sabemos que hoje estão aqui muitos realizadores, preparámos isto."

As atrizes cantaram, choraram, riram e arrancaram gargalhadas e palmas da plateia (e de realizadores como Martin Scorsese e Quentin Tarantino).

Eminem rimou e Martin Scorsese adormeceu

A entrega de prémios continuou sem grande surpresas até que, antes de um dos intervalos, a Academia criou uma montagem para mostrar a forma como a música tinha transformado o mundo do cinema. Para isso, utilizou várias canções que já se tornaram indissociáveis de grandes filmes, como é que o caso de "My Heart Will Go On", de Celine Dion, em "Titanic".

Após a montagem, que terminou com o filme "8 Mile", protagonizado por Eminem, o rapper americano subiu ao palco para surpresa de toda a plateia e interpretou a canção "Lose Yourself" que tinha sido vencedora de um Óscar há 18 anos. A câmara saltou de Eminem, sempre frenético em palco, para Martin Scorsese que dormia na plateia — momento que se tornou num dos memes da cerimónia mais partilhados nas redes sociais.

O resto da gala decorreu sem grandes polémicas ou momentos memoráveis, mas ficou marcada por um registo disperso e sempre incoerente. As mudanças de ritmo foram várias e a aposta em vários momentos musicais não ajudaram a encurtar uma cerimónia já de si muito longa. Foi nas categorias principais que começaram a ser anunciadas as surpresas da noite.

"Parasitas" derrota "1917" e surpreende toda a gente

Depois das vitórias previsíveis de Joaquin Phoenix na categoria de Melhor Ator em "Joker" e de Brad Pitt como Melhor Ator Secundário em "Era Uma Vez... em Hollywood", foi a fez de "1917" ganhar tudo o que havia para ganhar nos prémios técnicos. Até que chegou a vez de "Parasitas", que sempre que era mencionado levava a plateia ao rubro.

Além de vencer na categoria de Melhor Filme Estrangeiro, ganhou ainda o prémio de Melhor Realizador (derrotando "1917" de Sam Mendes) e o prémio principal de Melhor Filme do Ano — que também se esperava que fosse entregue a "1917".

Nas outras categorias as surpresas foram nulas e não muito diferentes do que se esperava e mesmo os discursos não surpreenderam, embora tenha havido alguns momentos emotivos.

Enquanto Joaquin Pheonix recordou o irmão, River Phoenix, que morreu em 1993 com apenas 23 anos depois de uma overdose, e aproveitou para consciencializar para um estilo de vida mais sustentável. Hildur Guðnadóttir, que venceu o prémio de Melhor Banda Sonora por "Joker", agradeceu à família e pediu a todas as mulheres que falassem.

Óscares. As previsões de Guilherme Fonseca, Pedro Boucherie Mendes e Miguel Somsen
Óscares. As previsões de Guilherme Fonseca, Pedro Boucherie Mendes e Miguel Somsen
Ver artigo

"Este prémio é para todas as mulheres de Hollywood. Falem, elevem a vossa voz. Precisamos todos de vos ouvir", atirou emocionada para a plateia, que respondeu com palmas e uma ovação de pé.

Conheça a lista completa de todos os vencedores da edição de 2020 dos Óscares.

Melhor Ator Secundário

  • Brad Pitt ("Era Uma Vez... em Hollywood")

Melhor Filme de Animação

  • "Toy Story 4"

Melhor Curta-Metragem de Animação

  • "Hair Love"

Melhor Argumento Original

  • "Parasitas"

Melhor Argumento Adaptado

  • "Jojo Rabbit"

Melhor Curta-Metragem em Live Action

  • "The Neighbours' Window"

Melhor Design de Produção

  • "Era Uma Vez... em Hollywood"

Melhor Guarda-Roupa

  • "Mulherzinhas"

Melhor Documentário

  • "American Factory"

Melhor Documentário de Curta-Metragem

  • "Learning to Skateboard in a Warzone"

Melhor Atriz Secundária

  • Laura Dern ("Marriage Story")

Melhor Edição de Som

  • "Ford v Ferrari"

Melhor Mistura de Som

  • "1917"

Melhor Cinematografia

  • "1917"

Melhor Edição

  • "Ford v Ferrari"

Melhores Efeitos Especiais

  • "1917"

Melhor Caraterização

  • "Bombshell — O Escândalo"

Melhor Filme Estrangeiro

  • "Parasitas"

Melhor Banda Sonora

  • "Joker"

Melhor Canção Original

  • "(I'm Gonna) Love Me Again" ("Rocketman")

Melhor Realizador

  • "Parasitas"

Melhor Ator

  • Joaquin Phoenix ("Joker")

Melhor Atriz

  • Renée Zellweger ("Judy")

Melhor Filme

  • "Parasitas"

Newsletter

A MAGG é uma magazine para mulheres MAGGníficas. A MAGG faz um apanhado das mais estranhas que encontrámos nos sites das lojas.
Subscrever

Notificações

A MAGG é uma magazine para mulheres MAGGníficas. A MAGG faz um apanhado das mais estranhas que encontrámos nos sites das lojas.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.