Eucar crianças é um grande desafio e no topo de dificuldades está a capacidade de as chamar a atenção e ao mesmo tempo diverti-las. Para facilitar a vida aos pais, o projeto musical “Bicho de 7 Cabeças” produz contos e músicas para ensinar as crianças.

Novo livro infantil de Rita Redshoes promove o bem-estar. “As emoções não são para esconder”
Novo livro infantil de Rita Redshoes promove o bem-estar. “As emoções não são para esconder”
Ver artigo

João Pico trabalha na área da comunicação, mas tem formação no Hot Club Jazz, a sua amiga Filipa Frade é terapeuta da fala e também já deu aulas de inglês a crianças. Ambos pertencem à equipa do “Bicho de 7 Cabeças, projeto passa pela a junção das qualidades de cada um: João Pico na parte musical e Filipa Frade nas letras. 

Mas, vamos por partes. Se tem crianças em casa, já está habituado a ter de ouvir horas seguidas de álbuns infantis.  Aqui, entra o “Bicho de 7 Cabeças”, um projeto musical criado pelos dois amigos, que trazem uma maior complexidade às músicas infantis, seja na sua composição, seja pela sua vertente mais pedagógica. 

Filipa Freitas dá a cara ao projeto representando Pipa, que canta todos os temas, e nos espetáculos ao vivo também está acompanhada por Caco (representado por Eduardo Frazão). “A personagem já existia pré-projeto, porque fazia parte das sessões de terapia da fala e das aulas que dei para ajudar os meninos a aprender mais depressa”, explica Filipa Freitas à MAGG, que sublinha que os adereços que usa são os mesmos. 

A primeira canção do “Bicho de 7 Cabeças” já existe há mais de 10 anos, mas só veio ver a luz do dia depois de João Pico ter a sua segunda filha há quatro anos. Cada um dos temas tem um propósito diferente, mas a função pedagógica e educativa está presente em todos.

Em cada uma das canções que a equipa cria há objetivos basilares importantes: para João Pico a função passa por “criar temas que os pais tenham algum gosto, que sejam normais, com uma estrutura, e não infantilizando a canção”, explica à MAGG. 

Além de dar voz e corpo à personagem, Filipa Freitas é responsável pela parte mais pedagógica das canções, sendo que trabalha a par com pais, psicólogos, professores e educadores.

“Uma das canções que temos é sobre a chucha, que o objetivo é ajudá-los a largá-la. Há sempre um objetivo, há sempre algum fundamento nas letras, até porque depois as letras estão associadas a contos”, explica Filipa Freitas. 

Outra das canções do “Bicho de 7 Cabeças” é sobre o ciclo da água, que foi um tema a pedido de uma professora. Filipa Freitas partilha que precisou de ler e estudar sobre o tema para conseguir escrever a letra. Justifica que “estamos a falar de crianças e o objetivo é que aprendam facilmente, não precisam de toda a linguagem e complicação, mas tenho de agarrar aquilo e traduzir para miúdos, literalmente”, explica entre risos a personagem Pipa. 

Além de ensinar as crianças, o “Bicho de 7 Cabeças” pretende colmatar uma falha no mercado que é a falta de conteúdo online em português de Portugal. Sem esquecer, a importância de passar a existir um canal online onde os pais podem confiar que o conteúdo é de qualidade e fidedigno. 

Ainda sobre as tecnologias, Filipa Freitas, entre risos, relembra o provérbio: “já que não podes vencê-los, junta-te a eles”. A terapeuta da fala explica que as crianças não vão largar a internet, por isso, a forma mais fácil é “produzir conteúdo com conteúdo”. 

Filipa Freitas diz que lida com crianças de vários nichos e níveis sociais e o grande objetivo é “tentar que este tipo de trabalho seja acessível a todos”

O “Bicho de 7 Cabeças” já saiu à rua com alguns espetáculos ao vivo e o feedback é muito positivo. Filipa Freitas diz que há momentos de discussão, partilha de opiniões e a curiosidade das crianças aumenta nas atuações ao vivo. 

O grande objetivo de João Pico e Filipa Freitas é produzir mais conteúdo, alcançar mais crianças e perceber sempre quais são as lacunas na educação que podem colmatar.

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.