A cada ano que passa, a chegada do 25 de Abril é sempre um momento de balanço. Mesmo 44 anos depois. Como era o país antes da revolução, o que sentia e fazia quem viveu nessa época, o que mudou, como mudou, quem foi mais afectado ou até como seria se nada tivesse acontecido.

E o que se vestia antes do 25 de Abril?

Falamos do início dos anos 70. Altura em que reinavam os hippies, o flower power, os padrões psicadélicos e até os punks. Um pouco por todo o lado, mas não em Portugal. Em pleno regime de Estado Novo, Portugal era um país ultra tradicional e conservador, o que o levou a estar sempre um pouco atrás em várias áreas, inclusivé na moda.

Enquanto que "lá fora", as mulheres usavam as calças à boca de sino, as mini saias, os vestidos justos e as plataformas, por cá, quem usava calças eram praticamente só os homens e as mini saias e decotes eram censurados. Os looks das portuguesas antes da revolução eram então os vestidos cintados e abaixo do joelho, os saltos muito baixos, a gola alta, padrões florais e xadrez, mas muito discretos. Basicamente o que fosse permitido pelo regime de Salazar.

Histórias passadas antes do 25 de Abril que davam argumentos de Hollywood
Histórias passadas antes do 25 de Abril que davam argumentos de Hollywood
Ver artigo

Os homens, com menos restrições, vestiam blazers, camisas ou polos justos com golas XL, gravatas igualmente grandes, gola alta, calças à boca de sino e calçavam texanas.

Em Portugal, a realidade era bem diferente da de outros países. O acesso à roupa era muito limitado e eram as modistas e alfaiates quem fazia a roupa da maioria das pessoas. Profissões que praticamente se extinguiram com a entrada dos pronto-a-vestir logo após o 25 de Abril e com o aumento do poder de compra, mas que atualmente voltaram a ganhar força, pela preferência de várias pessoas por roupas mais exclusivas e personalizadas. As revistas internacionais serviam de inspiração para conhecer as tendências, passá-las às costureiras e ficar "na moda", dentro do possível. E looks como estes eram a principal inspiração.

Susana Marques Pinto, stylist, produtora e professora de moda, que vivia em Londres nos anos anteriores ao 25 de Abril, contou: "Eu trabalhava na Yves Saint Laurent, em Londres, no auge do movimento hippie, onde tudo era cor e padrões, e quando vinha a Portugal a única imagem que tinha era de um país e de uma moda cinzentos e retrógrados."

A stylist recordou ainda que nessa altura havia apenas uma loja que contrariava todo esse lado cinzento da moda portuguesa que era a Porfírios. "A Porfírios era muito à frente. Havia música muito alta, filas para entrar e roupa muito colorida. Foi o primeiro passo de modernidade em Portugal e, sinceramente, não sei como sobreviveu ao Estado Novo", afirmou Susana Marques Pinto.

O segundo passo para uma revolução na moda portuguesa foi a abertura da loja "Maçã" de Ana Salazar onde a estilista vendia roupa que trazia de Londres, como por exemplo os jeans. Isto levou algumas mulheres a arriscar, mesmo antes do 25 de Abril.

O que é que se comia antes do 25 de Abril?
O que é que se comia antes do 25 de Abril?
Ver artigo

Os penteados dos anos 70 eram também muito característicos. Se no caso das mulheres, a inspiração vinha de cabelos como os da atriz Farrah Fawcett, Sophia Loren ou Elizabeth Taylor, no caso dos homens, a inspiração vinha principalmente de Elvis Presley ou dos The Beatles.

Farrah Fawcett era considerada um ícone de moda mundial nos anos 70

Com a massificação e democratização da moda, pós 25 de Abril, a oferta passou a ser muito maior, o estilo começou a mudar e a equiparar-se ao que se usava noutros países.

Newsletter

A MAGG é uma revista digital pensada para mulheres e focada nas preocupações centrais da vida de cada uma. Falamos de tudo o que está a acontecer de forma descontraída mas rigorosa.
Subscrever

Notificações

A MAGG é uma revista digital pensada para mulheres e focada nas preocupações centrais da vida de cada uma. Falamos de tudo o que está a acontecer de forma descontraída mas rigorosa.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.