Na primeira semana de "O Amor Acontece", o novo programa da TVI, Portugal rendeu-se ao amor e à interação entre o casal Jorge, de 75 anos, e Ide, de 64 anos. Nesta nova aposta da estação televisiva de Queluz de Baixo, quatro casais viveram quatro intensos dias em autênticas casas de sonho, na expectativa de que o amor, de facto, acontecesse. Os casais mais jovens não se renderam aos afetos e foi o casal composto pelos dois concorrentes mais velhos do programa que brilhou no campo físico e afetivo. Jorge e Ide renderam-se ao amor e perderam-se em beijos, abraços e carícias ao longo da semana. 

Sem tabus, chegou a primeira rede social portuguesa sobre sexualidade
Sem tabus, chegou a primeira rede social portuguesa sobre sexualidade
Ver artigo

Neste contexto, será que Jorge e Ide são um caso isolado ou a idade é diretamente proporcional à predisposição para amar? Generalizações à parte, “existe uma noção que, com o passar dos anos, o nosso tempo e que as nossas vivências estão a chegar ao fim, aquele aproximar do término, e se calhar também as aproveitamos com o máximo potencial possível”, explica Rita Castro, psicóloga e sexóloga, à MAGG.

Na terceira idade, as experiências sexuais tradicionais dão origem a outras

Com a premissa de que os estereótipos intrínsecos na sociedade acabam por influenciar a nossa perceção daquilo que faz parte do domínio da sexualidade, a especialista esclarece que, “com o avançar da idade, por vezes, o que acontece é que acabam as experiências sexuais tradicionais, sendo que ainda vivemos muito com a ideia de que tudo se resume à penetração, e constrói-se mais o afeto e o toque físico”.

Rita Castro desmistifica ainda o estigma de que a vida sexual termina com o avançar da idade. "Há mudanças, sobretudo ao nível da resposta sexual, ereção ou lubrificação, mas não significa que tenha de ser um declínio.". A psicóloga e sexóloga esclarece que “mesmo perdendo a função da ereção e até o sexo penetrativo, se deixar de fazer sentido, podemos continuar a ter as carícias genitais, o toque no corpo e os orgasmos", e acrescenta que, "muitas vezes, aquela questão do roça, roça, do coxa com coxa, pode desencadear mais prazer e mais disponibilidade para o contacto físico".

Com a noção de que a ideia de "amor para a vida toda" deixou de ser uma regra imposta pela sociedade, a especialista Rita Castro diz-nos que “têm-se visto, cada vez mais, amores a acontecer em centros de dia e nas residências para pessoas mais velhas, porque cada vez mais também há informação e a permissão social para que isso aconteça”.

Em relação àquilo que é a noção do amor, principalmente junto dos mais jovens, a especialista confessa que temos tendência a confundir “o [amor] não fazer sentido com a dificuldade” e acrescenta que “às vezes, perante a dificuldade, tendemos a sair da relação e, na realidade, não foi o amor que acabou, foi só um desafio que se criou”. Já no que diz respeito às pessoas com mais idade, já há uma noção de que é preciso “regar o amor”.

Susana Dias Ramos. "As pessoas sabem fazer sexo, mas nem sempre sabem ter relações"
Susana Dias Ramos. "As pessoas sabem fazer sexo, mas nem sempre sabem ter relações"
Ver artigo

Costuma-se dizer que amor faz bem ao corpo e à alma e, se dúvidas restassem, Rita Castro convida-nos a refletir. "Se pensarmos que a saúde não é a ausência de doença por si só, mas sobretudo o bem-estar, então esta componente das relações íntimas e de proximidade é muito importante."

A especialista enumera os benefícios da sexualidade e do prazer – desde as emoções positivas aos orgasmos e à sua influência na imunidade e na saúde cardiovascular – e deixa bem claro que “não é, de facto, aquela velha história de que as relações [em idades mais avançadas] poderiam fazer mal ao coração, claro que é preciso ter atenção ao esforço físico, mas já sabemos que faz melhor do que pior”.

Mitos e preconceitos à parte, confirma-se que “estamos sempre disponíveis para o amor, às vezes a forma de o expressar é que pode ser diferente de caso para caso, mas o amor é desde que nascemos até à morte – e o sexo e a sexualidade também". "Se calhar o nosso conceito de sexo é que tem de mudar”, esclarece a psicóloga e sexóloga.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.