O sexo desencadeia emoções que nem conseguimos descrever e, apesar da maioria de nós saber o que acontece durante o acto, a mesma maioria não perde muito tempo a pensar no que acontece fisiologicamente enquanto o fazemos. Quais são as alterações que acontecem no nosso corpo? É que durante o sexo estamos, inconscientemente, a colher os benefícios do chamado “ciclo de resposta sexual humana”.

Basicamente, quando se está excitado ou a participar em actividades sexualmente estimulantes, o corpo e o cérebro reagem, acendendo-se numa cadeia de reações fisiológicas que tornam o sexo o mais prazeroso possível. E este é o processo a que os cientistas Masters and Johnson chamaram de “ciclo de resposta sexual humana”, normalmente categorizado em quatro fases e que começa a partir do momento da excitação (mental ou física) e que dura até à dita conclusão dos eventos. Apesar de não haver uma distinção clara de quando uma fase acaba e a outra começa, até porque homens e mulheres têm diferentes timings para cada uma das fases, no geral, estas são as quatro fases por que todos nós passamos quando temos sexo: desejo, excitação, orgasmo e resolução.

Sexo. As mulheres não têm um Ponto G e a ciência já o está a comprovar
Sexo. As mulheres não têm um Ponto G e a ciência já o está a comprovar
Ver artigo

Apesar de ninguém pensar nisso, o processo acontece e se conseguir entender melhor como se sente e quais as reações do seu corpo, pode tornar o sexo numa experiência mais saudável e confortável e que o fará mais feliz. De todos os adultos é esperado que se saiba o que fazer durante o ato sexual mas para além dos mecanismos básicos não somos ensinados nada a esse respeito e por isso há uma falta de conhecimento geral sobre o que acontece antes, durante e depois do ato. Claro que é preciso manter em mente que este é um traço geral do que nos acontece quando estamos sexualmente estimulados, mas há muita variação entre indivíduos e diferentes tipos de eventos sexuais. Aqui está um olhar sobre o que acontece durante cada uma destas fases do sexo, passo a passo.

Fase 1: Desejo (desperta a vontade de sexo)

O desejo, ou a vontade de ter sexo, é considerado como o primeiro passo para o começo do ciclo de resposta sexual humana. E por um bom motivo: porque é causado por mudanças hormonais que têm um papel importante em preparar o corpo física e mentalmente para o acto sexual. Normalmente esta fase começa dentro de 10 a 30 segundos depois de uma estimulação erótica e como resposta a beijos, carícias ou estímulos visuais. Esta primeira fase pode durar desde alguns minutos até várias horas e apresenta-se de uma maneira bastante diferente entre homens e mulheres.  

Fase 1: Desejo
créditos: Shutterstock

Algumas das reações ao desejo são: os homens rapidamente ganham uma ereção mas podem perdê-la e ganhá-la novamente durante esta fase; para as mulheres, os peitos e órgãos sexuais incham e os músculos ao seu redor tendem a contrair; para ambos, o batimento cardíaco acelera, a respiração torna-se mais ofegante, os músculos contraem e a pele fica corada em áreas como o peito e as costas devido à circulação extra de sangue.

 Fase 2: Excitação (os estímulos sexuais começam a saber ainda melhor)

Todas as mudanças fisiológicas que aconteceram na fase do desejo continuam a ocorrer na fase da excitação, sendo que alguns novos elementos se juntam à festa. Quanto maior é o estímulo, mais é a excitação. Mas a excitação não depende só do que acontece no corpo mas também de como nos sentimos e em que pensamos. Há um aumento de actividade neurológica em certas partes do cérebro (como é o caso da amígdala) que estão intrinsecamente ligadas ao prazer sexual.

Fase 2: Excitação
créditos: Bigstock

Para as mulheres, o clitóris fica mais sensível, os lábios vaginais incham e a "inner labia" muda de cor (para mulheres sem filhos de rosa para vermelho, e para mulheres com filhos de vermelho para roxo). Nos homens, os testículos retraem-se no escroto, o pénis fica totalmente ereto e podem começar a secretar líquido pre-seminal. Para ambos, os mamilos tornam-se mais sensíveis e as contrações musculares aumentam, desta vez nas coxas, ancas e nádegas, podendo levar ao início de espasmos.   

Fase 3: Orgasmo (Com ou sem ele, está tudo bem)

E chegámos. Este é o climax do ciclo, quando ocorre a descarga de energia sexual no corpo. Também é a fase mais curta de todas, normalmente com uma duração de apenas alguns segundos para ambos os parceiros. Durante esta fase há um aumento da produção de oxitocina, serotonina e dopamina no cérebro, todos eles responsáveis por nos fazerem sentir felizes e relaxados. As mulheres conseguem rapidamente atingir outro orgasmo se estimuladas novamente, mas os homens não. Para além disso, estudos indicam que um terço das mulheres consegue facilmente atingir o orgasmo através de penetração vaginal, um terço consegue-o às vezes, enquanto que um terço nunca. 

Fase 3: Orgasmo
créditos: Shutterstock

Nesta fase os homens ejaculam e, para as mulheres, os músculos da pélvis e da vagina contraem  — e algumas podem ter uma descarga similar à ejaculação masculina. Para ambos o batimento cardíaco, a respiração e a pressão sanguínea disparam, e uma intensa libertação de tensão é normal e uma das principais características do orgasmo.

Fase 4: Resolução (Acalme-se… ou comece outra vez)

Depois do orgasmo, a excitação começa aos poucos a desaparecer e o corpo a acalmar. Esta é a fase em que tudo volta ao estado normal. Pode durar desde alguns minutos até mais de meia hora, depende de cada um, mas normalmente esta fase é mais longa nas mulheres do que nos homens. Os músculos relaxam, a pressão sanguínea baixa, o ritmo cardíaco acalma e tudo volta ao normal. Entender o que acontece durante o sexo e ao seu corpo e do seu parceiro pode levar a que esta seja uma experiência mais prazerosa para ambos. Combine este conhecimento com uma boa comunicação e encontrou a chave do sucesso para uma boa vida sexual e para que possa tornar todos os seus desejos em realidade.  

Fase 4: Resolução

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.