Mesmo que não pegue numa lista no fim de cada ano para traçar objetivos para o seguinte, inconscientemente idealiza um próximo ano melhor. Aqui inclui-se o que é melhor para si, como subir de posição no trabalho, e aquilo em que dá o melhor de si mesmo, como beber mais água ou contribuir para um planeta mais sustentável.

São várias as resoluções que pode ter para 2022, algo que é essencial não só para termos um rumo, como para nos sentirmos mais confiantes, segundo a psicóloga Catarina Graça à MAGG, num artigo sobre o tema.

O programa feito a pensar em quem quer perder peso de forma saudável está de volta em janeiro
O programa feito a pensar em quem quer perder peso de forma saudável está de volta em janeiro
Ver artigo

Contudo, antes de avançar é preciso conferir se temos as "ferramentas necessárias para os alcançar, porque se não vamo-nos desiludir e frustrar", refere a especialista.

E ferramentas ou estímulos é o que apresentamos nos cinco pontos que se seguem. Uns pode alcançar facilmente através da loja de aplicações do seu telefone, outros vão fazer com que saia mais para a rua — o que também pode ser um dos seus objetivos, principalmente se está em teletrabalho e o dia se resume a quatro paredes.

Começando pela leitura e seguindo caminho até à escrita japonesa, veja como ter um ano mais produtivo e com corpo e mente equilibrados.

1. Ler mais

Cabeceira
App Cabeceira créditos: play.google

Até pode já ter na cabeça que tem de ler um livro por mês, um capitulo por dia ou desafiar-se a ler um livro numa língua diferente, mas se não tem o hábito enraizado, é fácil perder a motivação. A não ser que tenha duas cabeceiras: a que efetivamente está ao lado da cama e na qual pousa o livro que anda a ler e a aplicação que ajuda a ler mais livros.

A app Cabeceira é para aqueles que sentem que têm falta de tempo para ler e também para os que querem melhorar o ritmo de leitura. Aos primeiros, envia notificações a lembrar que está na hora do momento de leitura e aos segundos indica quanto tempo é necessário para terminar um livro. É ainda possível registar os livros lidos, os que estão na lista de desejos e avaliar as obras já lidas.

Está disponível para iOS e Android.

2. Beber mais água

Beber agua - Waterllama
Beber agua - Waterllama créditos: apps.apple

Talvez não seja a primeira vez que traça este objetivo e que descarrega uma app que incentiva a beber mais água, com lembretes de meia em meia hora. Não é que a Beber agua - Waterllama seja muito diferente, mas fá-lo de forma apelativa e ainda acrescenta outros desafios. A app tem um lama fofinho que indica que quantidade de água deve beber tendo em conta o seu peso, atividade e o clima do local onde está e o objetivo é que no fim do dia o lama esteja colorido, em especial de azul (cor corresponde à água em estado natural). 

Já outros animais, como o macaquinho sem cafeína e o cervo sem cerveja, lançam desafios saudáveis os utilizadores — é que a cerveja tem água, mas também outros ingredientes que não estão alinhados com uma alimentação mais saudável.

A app permite ainda perceber a quantidade de água presente no chá e em smoothies, porque tudo conta para preencher o corpo das personagens da aplicação que parece para crianças, mas tem objetivos sérios para os adultos.

Disponível para iOS.

3. Aprender a tocar piano

Simply Piano
Simply Piano créditos: google play

Passava das 23h do segundo dia de 2022 quando começámos a explorar já na cama a Simply Piano e a sentirmo-nos verdadeiros músicos como se estivéssemos de volta aos tempos do jogo para consolas Guitar Hero (ainda que a tocar somente o Dó e o Ré da escala musical). A aplicação permite aprender piano de forma fácil e em qualquer lado, incluindo debaixo dos lençóis, através do telemóvel ou tablet, sem precisarmos de investir num piano a sério.

A Simply Piano (considerada uma das melhores aplicações da Google Play de 2017) ensina a tocar desde os níveis mais básicos ao profissional e quanto a músicas, depois de aprender o essencial, pode vir a tocar temas como "Imagine", "La La Land" ou até composições de Johann Sebastian Bach.

Disponível para iOS e Android.

4. Ter mais práticas sustentáveis

Plantar Uma Árvore
Plantar Uma Árvore créditos: Plantar Uma Árvore

Entre apps e iniciativas, há uma lista interminável de formas de contribuir para um mundo melhor e nós selecionámos algumas.

Começando pela tecnologia, que está ao passo de uns cliques no telefone, caso queria começar a reciclar ou tirar algumas dúvidas sobre o processo — segundo um estudo da Sociedade Ponto Verde, divulgado em dezembro, 62% dos portugueses que ainda não reciclam têm dúvidas sobre o ecoponto correto para a colocar as embalagens — tem de descarregar a WasteApp. Vai ficar a saber onde colocar cada tipo de resíduo e qual o ecoponto ou ponto de recolha mais próximo de casa.

Para quem está um passo mais à frente, a Sharewaste acaba com as desculpas de quem não pode ter um compostor em casa ao alojar na app pessoas que abrem os seus compostores aos resíduos de outras pessoas que queiram dar alimento às minhocas.

Passamos às apps Too Good to Go e a Phenix, que evitam o desperdício alimentar através da venda dos excedentes de estabelecimentos e de alimentos próximos do fim da validade. A sinergia para um planeta melhor liga todas as apps já referidas e assim, depois de levantar uma box do Terrárea, no Porto, pode consultar a WasteApp para ser onde depositar as caixas da Terrárea, e na Sharewaste pode ver onde levar as cascas dos legumes da box da Mercearia Domitilia, em Lisboa.

Quanto a iniciativas, em 2022 ajude a plantar uma árvore através das iniciativas de reflorestação por todo o País da Organização não governamental (ONG) Plantar uma Árvore ou do programa “Plante a sua árvore em Lisboa”, que decorre até março de 2022 e carece de inscrição prévia (gratuita) neste formulário.

5. Aprender uma língua ou a ser mais eficiente no trabalho

Feng Shui
Feng Shui créditos: divulgação

Aprender coisas novas é o principal objetivo dos workshops criados pelo Museu do Oriente, em Alcântara, Lisboa. Há mais de cinco planeados para janeiro e os primeiros são dedicados à cultura oriental.

Um diz respeito ao ensino da caligrafia japonesa Kakizome-Taikai (35€), marcado para 11 de janeiro, das 14h às 16h30, e o outro é de mandarim (60€), língua oficial na China, que vai poder aprender das 10h às 13h durante quatro sessões: a 8, 15, 22 e 29 janeiro.

O Museu do Oriente tem ainda em janeiro workshops mais espirituais, ligados às filosofias orientais do Feng Shui, método KonMari e Tong Shu. A primeira filosofia faz parte do workshop online “a energia do Feng Shui para 2022 – o Ano do Tigre” (30€), a 15 de janeiro das 10h às 13h, e das sessões presenciais “Feng Shui – o essencial da prática” (50€), a 18 e 25 janeiro e 1 de fevereiro, no mesmo horário.

7 dicas inspiradas no Feng Shui para criar uma zona de trabalho em casa que o torna mais produtivo
7 dicas inspiradas no Feng Shui para criar uma zona de trabalho em casa que o torna mais produtivo
Ver artigo

Para quem procura uma vida mais organizada, há outros dois workshops. O “organização no trabalho – uma carreira de sucesso com o método KonMari”, em formato online, tem como objetivo ensinar os participantes a organizar o espaço de trabalho, físico e digital, segundo a metodologia da conhecida Marie Kondo. Custa 30€ e está marcado para 29 janeiro, das 10h às 13h.

Já no workshop "seleção da data e organização da agenda Tong Shu”, presencial, vão ser dadas estratégias para organizar o nosso tempo e espaço. Tem o valor de 30€ e realiza-se a 8 fevereiro, das 10h às 13h.

Para marcar, deve selecionar o workshop pretendido no site do Museu do Oriente.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.