Um estudo japonês revelou que o novo coronavírus (SARS-CoV-2 ) permanece ativo na pele por nove horas. Assim, lavar as mãos com frequência é uma das maiores medidas de segurança para combater a pandemia.

De acordo com o mesmo estudo, publicado em outubro na revista "Clinical Infectious Diseaseso", o agente patogénico que causa a gripe comum mantém-se na pele por cerca de 1,8 horas, fazendo a comparação.

Medicamento que Trump diz ser "cura" para a COVID-19 foi desenvolvido em tecido fetal de abortos
Medicamento que Trump diz ser "cura" para a COVID-19 foi desenvolvido em tecido fetal de abortos
Ver artigo

"A sobrevivência de nove horas do SARS-CoV-2 (a estirpe do vírus que causa a doença COVID-19) na pele humana pode aumentar o risco de transmissão por contacto em comparação com o IAV (vírus da influenza A ou influenza A), acelerando assim a pandemia", dizem os autores do estudo, de acordo com a Agência Lusa, citada pela RTP.

Os especialistas chegaram a esta conclusão depois de testarem amostras de pele retiradas de espécimes de autópsia cerca de um dia após a morte, percebendo também que tanto o vírus da gripe como o novo coronavírus são inativados em 15 segundos com a aplicação de etanol, usado em desinfetantes para as mãos.

"A maior sobrevivência do SARS-CoV-2 na pele aumenta o risco de transmissão por contacto, mas a higiene das mãos pode reduzir esse risco", afirmam os investigadores, tal como escreve o site da RTP.

Newsletter

A MAGG é uma revista digital pensada para mulheres e focada nas preocupações centrais da vida de cada uma. Falamos de tudo o que está a acontecer de forma descontraída mas rigorosa.
Subscrever

Notificações

A MAGG é uma revista digital pensada para mulheres e focada nas preocupações centrais da vida de cada uma. Falamos de tudo o que está a acontecer de forma descontraída mas rigorosa.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.