A cura está longe, a descoberta da causa também e as terapêuticas não são eficazes — nem a retardar os sintomas, nem a melhorá-los. Há estudos importantes em curso, mas são preciso anos para se chegar a conclusões relevantes, capazes de mudar as consequências desta doença. O Alzheimer é um tipo de demência em que há perda de memória, de capacidade intelectual, de reações emocionais, causadas pela formação de emaranhados e de placas no cérebro, que vedam a comunicação entre os neurónios.

Apesar de existirem poucas certezas quanto a esta doença que afeta 47,5 milhões de pessoas no mundo (prevê-se que, em 2050, o número triplique), há comportamentos que podem proteger-nos, explica à MAGG neurologista Socorro Piñero, dos hospitais CUF.

Existem evidências científicas significativas de que a hipertensão, os hábitos tabágicos, a baixa escolaridade e os maus hábitos alimentares estão associados ao desenvolvimento de doenças neurodegenerativas como a doença do Alzheimer”, diz. Apesar de assumir que nem sempre faz aquilo que é suposto, há cinco cuidados fundamentais que a médica tenta aplicar no seu quotidiano para proteger o cérebro desta doença, do treino cognitivo a alimentos específicos.

1. Manter o cérebro ativo

A preguiça não é exclusivamente um estado do corpo, e da mesma maneira que a inatividade física tem consequências, a cerebral também.

O treino cognitivo não é apenas fundamental para retardar os sintomas de quem já tem a doença. Pessoas saudáveis devem fazer uma série de exercícios, para manter o cérebro ativo. "Costumo dar aos meus pacientes e aconselho pessoas saudáveis a fazerem uma espécie de treino, com exercícios para o cérebro", diz.

Exemplos:

  • Experimente o inesperado: saia de casa diariamente, caminhe por locais variados, pouco conhecidos, assista a espetáculos e converse com diferentes pessoas.
  • Por vezes, utilize a mão não dominante para abrir gavetas ou portas de armários, lavar os dentes, escrever ou comer.
  • Identifique objetos pelo tato, como, por exemplo, o valor das moedas que tem no bolso. 
  • Altere a localização habitual de utensílios em casa, para que o mapa pré-formado do cérebro se modifique.
  • Resolva quebra-cabeças com frequência: palavras cruzadas, sudoku, sopa de letras ou o encontre as diferenças.
  • Utilize mnemónicas para memorizar listas de informações
  • Se se esqueceu de algo importante, reflita sobre possíveis causas: talvez não tivesse prestado atenção por estar a fazer outra coisa, porque não valorizou a informação. Esta reflexão pode ajudar a criar novas estratégias para memorização futura.
  • Invista em aprendizagens novas. Aposte num curso de fotografia, de informática, de xadrez, aprenda um idioma diferente.

2. Apostar na dieta mediterrânea

É que “além de prevenir o Alzheimer”, esta dieta “também ajuda a prevenir problemas cardíacos, como enfarte ou insuficiência cardíaca.” Socorro Piñero chama à atenção para alguns alimentos específicos: frutas, vegetais, cereais, peixe, azeite e consumo moderado de vinho (um copo por dia). “O ómega 3 é a gordura encontrada nos peixes azuis — carapau, sardinha, salmão, atum — e reduz o risco de declínio cognitivo”, alerta.

Alzheimer. Quão perto (ou longe) estamos da cura?
Alzheimer. Quão perto (ou longe) estamos da cura?
Ver artigo

Os alimentos ricos em antioxidantes também são importantes — frutos vermelhos, por exemplo — porque protegem o organismo da ação dos radicais livres, responsáveis pelo envelhecimento celular.

“Evito alimentos ricos em gordura, como produtos industrializados e salgadinhos.”

3. Praticar exercício físico

Há mesmo uma relação entre o exercício físico e o desempenho cerebral. Treinar regularmente liberta neurotrofinas, que, por sua vez, reduzem a hipertensão, que está relacionada com a alteração da memória.

“Recomendam-se 30 minutos de atividade física, três a cinco vezes por semana”, lembra. “Devemos também trocar o elevador pelas escadas, estacionar o carro mais longe do nosso destino ou parar na paragem anterior à habitual.”

4. Fazer check ups regularmente

O despiste é importante. A neurologista chama especial atenção para a hipertensão arterial, porque esta condição é capaz de influenciar a memória. “Há que controlar”, diz. “Pacientes com hipertensão devem seguir as indicações do clínico geral e fazer, pelo menos, duas consultas por ano para avaliar a pressão arterial.”

5. Dormir bem

É enquanto dormimos que assimilamos e gravamos tudo aquilo que aprendemos, pelo que é fundamental respeitar as regras de uma boa higiene de sono.

“Devemos ter um horário regular, evitar estímulos lumínicos — ecrãs — uma hora antes de nos deitarmos, evitar fazer desporto ou comer nas três horas anteriores e criar uma rotina de atividades que ajudem o nosso cérebro a perceber que é hora de descansar, tal como se faz com as crianças.”

Newsletter

A MAGG é uma revista digital pensada para mulheres e focada nas preocupações centrais da vida de cada uma. Falamos de tudo o que está a acontecer de forma descontraída mas rigorosa.
Subscrever

Notificações

A MAGG é uma revista digital pensada para mulheres e focada nas preocupações centrais da vida de cada uma. Falamos de tudo o que está a acontecer de forma descontraída mas rigorosa.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.