Varizes e derrames são coisas diferentes, mas ambos aparecem quando existe algum tipo de doença venosa. É provável que já todos tenhamos ouvido falar nestes dois nomes, pois a verdade é que as varizes fazem parte de um espectro da doença venosa crónica que é muito prevalente na população geral.

Insónias podem aumentar o risco de ataques cardíacos e derrames
Insónias podem aumentar o risco de ataques cardíacos e derrames
Ver artigo

O fator hereditário é aquele que mais contribui para o desenvolvimento de varizes, mas a verdade é que o excesso de peso, o sedentarismo, a falta de exercício físico e profissões que impliquem estar muito de pé ou sentado contribuem em grande medida para o agravamento deste tipo de patologia. Quem o diz é Joana de Carvalho, médica na Allure Clinic e especialista em cirurgia vascular, que refere que há dois mecanismos importantes para a drenagem das pernas.

"Um são as veias, as válvulas e todo o trabalho que elas fazem de levar o sangue de volta para os pulmões para ser oxigenado, voltar ao coração e passar pelas artérias. O outro é o que nós chamamos de efeito de bomba muscular. Ou seja, o auxílio que os próprios músculos da perna dão quando fazemos exercício. Cada contração e extensão vai espremer as veias e ser um mecanismo crucial para a drenagem. Por isso, o facto de estarmos parados e não fazermos exercício é também um fator de risco para o desenvolvimento de varizes", explica à MAGG.

Apesar de, muitas vezes, ouvirmos a a designação de "varizes internas" ou "varizes externas", a especialista explica que não há dois tipos de varizes. Neste sentido, de acordo com Joana de Carvalho, as varizes são veias varicosas doentes, dilatadas, tortuosas e superficiais nas pernas ou coxas, que afetam mais as mulheres, e que são caracterizadas por medir mais de três milímetros. "Na maior parte dos casos, estas varizes estão relacionadas com incompetência da veia safena (a veia que em cerca de 65% dos casos é responsável pelo aparecimento de varizes). E é a esta veia doente que as pessoas se referem como 'variz interna'."

Derrames e varizes são coisas diferentes, mas as causas para o aparecimento são as mesmas

Além da diferença que se tende a fazer entre as "varizes internas" e "externas", Joana de Carvalho refere que há também uma confusão entre aquilo que são varizes e derrames. "Muitas vezes as pessoas também dizem que têm varizes, mas não são varizes. São pequenos derrames ou raios cujo nome técnico é telangiectasia."

Joana Carvalho
Joana de Carvalho é especialista em Cirurgia Vascular créditos: drajoana_de_carvalho.vascular/Instagram

Nestes casos, a cirurgiã explica que o impacto na saúde da pessoa é pouco, pois apenas afeta a nível estético. "São pequenos vasinhos que estão na espessura da pele. Quando são muito abundantes podem dar alguma sensação de calor, pressão ou desconforto, mas estes vasos nunca vão dilatar e dar varizes, nem dar complicações", explica Joana de Carvalho, referindo que as causas para o aparecimento de derrames são as mesmas das varizes, ainda que seja pouco comum alguém não apresentar nenhum tipo de derrame.

Síndrome de congestão venosa pélvica. Dos sintomas ao tratamento, saiba tudo sobre esta doença
Síndrome de congestão venosa pélvica. Dos sintomas ao tratamento, saiba tudo sobre esta doença
Ver artigo

Ainda assim, e apesar de os derrames em si não significarem grandes problemas, estes podem ser um sinal de que há veias doentes. Por este motivo, de acordo com a especialista, o tratamento nunca pode ser feito só a pensar na superfície. "Se há doença venosa associada aos vasinhos, temos de tratar essa patologia com métodos pouco invasivos como a radiofrequência, endolaser venoso ou escleroterapia com espuma."

Apesar de não podermos controlar o aparecimento de varizes e derreamentos por questões hereditárias ou hormonais, a especialista avisa que adotar um estilo de vida mais saudável pode sempre ajudar a diminuir esse aparecimento, mas nunca a fazer desaparecer as que já temos. "Nada da doença venosa tende a regredir espontaneamente. Pelo contrário, a evolução natural é agravar e aparecerem mais derrames e varizes (ou as varizes se complicarem)", diz Joana de Carvalho.

Quanto à idade ideal para o tratamento de varizes e derrames, Joana de Carvalho aconselha a que se opte por fazê-lo o mais cedo possível. "As varizes são veias que não fazem a drenagem adequada, ou seja, veias onde o sangue não flui livremente. Sangue que não flui livremente é sangue que está mais parado, daí o risco de formar coágulos e dar origem às famosas tromboflebites. Além disso, esta drenagem que não é bem feita leva a um aumento da pressão venosa, causa inflamação constante e prolongada que começa a dar alterações da pele (como eczema ou pigmentação)", conclui.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.