Pegámos no telefone e ligámos para o Miminhos da Fátima, em Viseu. Ninguém atendeu. Tentámos um número fixo. Estava desativado. "Será que o restaurante faliu?", pensámos. Não seria o primeiro a fechar depois da passagem do chef Ljubomir Stanisic. Fizemos uma quinta tentativa, e finalmente conseguimos que nos atendessem. Foi o que precisávamos para nos fazermos à estrada, a caminho de Viseu.

Só um verdadeiro fã de "Pesadelo na Cozinha" acerta em pelo menos oito destas 10 perguntas
Só um verdadeiro fã de "Pesadelo na Cozinha" acerta em pelo menos oito destas 10 perguntas
Ver artigo

Encontrar o restaurante não foi fácil. Não está escondido mas a fachada que é exibida na Internet já não é a mesma. As mudanças começam aqui. Aquela que era a Casa das Francesinhas de Viseu deu lugar aos Miminhos da Fátima, com vidros com película preta semi-opaca e um reclame que em nada se parece com o anterior. Depois de algumas voltas, entrámos. Eram 13h30 e das as nove mesas só três estavam disponíveis, uma destas acabou por ser ocupada minutos depois.

Rapidamente um dos dois funcionários da sala nos entregou o menu com as sugestões do dia. Seis pratos de peixe e carne entre os quais estava a francesinha. Nem sempre foi assim, contou mais tarde a proprietária, mas esta foi uma das poucas alterações que o chef fez. Tornou o atendimento mais simples. "Com tantas opções e com pratos mais elaborados, acabávamos a demorar imenso no atendimento", e os clientes de almoço são quase todos trabalhadores com pouco tempo para esperar por um Cordon bleu com arroz de míscaros. Passaram a existir dois menus: o do almoço mais reduzido e o do jantar com todos os pratos.

Enquanto decidia o que queria, foram trazendo algumas entradas: um cesto com vários tipos de pão, azeitonas e enchidos. Mas a decisão já tinha sido tomada sem ver a ementa: se esta era conhecida como a casa das francesinhas era isso mesmo que íamos provar.

Nesta Selllva há panquecas de sonho, comida do mundo e sumos do Rei Leão
Nesta Selllva há panquecas de sonho, comida do mundo e sumos do Rei Leão
Ver artigo

No espaço estavam grupos de quatro ou cinco pessoas e um casal. Com os pedidos quase todos respondidos, Fátima veio até à sala e foi falando com algumas das pessoas — a filha também por lá andava. Descobrimos mais tarde que os filhos vão ajudando nos tempos livres e que o marido é um dos funcionários da sala. O atendimento foi rápido e alguns minutos depois lá estava a francesinha acompanhada pelas batatas fritas.

A francesinha custa 9,50€ e inclui batata frita

Fátima está no restaurante há 5 anos. Quando chegou, o nome era "Casa das Francesinhas de Viseu". Pensou em mudar, mas não o fez. "Tive receio de que caso mudássemos o nome as pessoas já não viessem atrás das francesinhas”.

Nunca viu o negócio afundado em dívidas milionárias ou necessidade de fechar as portas e é por isso que não foi a proprietária a contactar o programa. Aqui começam as surpresas. Foi o "Pesadelo na Cozinha" quem entrou em contacto com Fátima. "Queriam fazer um programa em Viseu e estavam à procura de um restaurante. Os outros aqui da zona recusaram e por isso vieram até mim. Não tinha nada a perder".

O contacto com o chef Ljubomir foi tranquilo e pouco polémico face a alguns episódios. "Gostei do método de trabalho dele. Gostei dele, é uma pessoa muito sincera", disse. As mudanças foram quase nenhumas — umas aplicações de madeira no teto, papel de parede e um quadro a giz onde está escrito o nome do espaço.

O quadro de giz veio substituir uma parede em tijoleira

"Na sala de baixo [dedicada a grupos maiores] não mexeram e na cozinha também não". A entrada, que estava completamente diferente, é literalmente só fachada. "Aquele reclame é autocolante temporário e temos de mandar fazer outro, até já devíamos ter tirado". Quanto à comida, o essencial neste processo, a proprietária admite que o chef apenas inseriu receitas e pratos.

O balanço parecia positivo mas quando perguntámos se voltariam a participar no programa, a reposta deixou dúvidas: "Ia pensar bem, é muito stressante para nós. A pressão de fazer tudo para o chef não é fácil". E as diferenças parecem não justificar todo o trabalho. Fátima não sente grandes mudanças. “Consultámos a faturação do ano passado e comparamos com a deste ano, e há diferenças. Pode ser pelo chef ter vindo e pela mudança ou foi simplesmente porque os clientes continuaram a vir.”

Newsletter

A MAGG é uma revista digital pensada para mulheres e focada nas preocupações centrais da vida de cada uma. Falamos de tudo o que está a acontecer de forma descontraída mas rigorosa.
Subscrever

Notificações

A MAGG é uma revista digital pensada para mulheres e focada nas preocupações centrais da vida de cada uma. Falamos de tudo o que está a acontecer de forma descontraída mas rigorosa.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.