Em meados dos anos 80, os homicídios em série aterrorizavam os Estados Unidos. Olhando em retrospetiva, foi nesta década que o número de serial killers bateu recordes, com pelo menos 200 assassinos em massa a atuar só nos EUA. Era a época de Ted Bundy, John Wayne e Jeffrey Dahmer, monstros implacáveis que aterrorizavam a população e faziam manchetes com os seus crimes macabros.

Eles eram temidos, é verdade. Mas tal como nos dias de hoje, havia um certo fascínio que persistia em tentar compreender como é que um ser humano só consegue ser feliz a matar. Naquela altura a análise era feita através dos jornais, hoje temos séries como "Mindhunter" ou “Conversas com um Assassino – As Gravações de Ted Bundy”, que contam as suas histórias e tentam traçar um perfil.

A mais recente obsessão criminal chama-se "The Confession Killer", e chegou à Netflix esta sexta-feira, 6 de dezembro. Só que há um pequeno twist nesta história: ao longo de cinco episódios, a minissérie revela-nos quem é Henry Lee Lucas, o homem que admitiu ter assassinado 600 mulheres.

Considerado durante muito tempo como o mais perigoso serial killer dos Estados Unidos, e aquele que mais crimes cometeu — só para termos um ponto de comparação, o temível Ted Bundy "só" tirou a vida a cerca de 30 pessoas —, as forças policiais entraram em êxtase. Dia após dia, eram encerrados dezenas de casos de homicídios graças às confissões de Henry Lee Lucas.

As 100 melhores séries da última década segundo o IMDb
As 100 melhores séries da última década segundo o IMDb
Ver artigo

Onde é que está o twist então? Era (quase) tudo mentira. Apesar da relutância da polícia em reconhecê-lo, os testemunhos eram inconsistentes, Henry tinha acesso a todos os detalhes dos crimes antes de confessá-los e chegou mesmo a admitir a mentira. Procurava um "suicídio jurídico", terá dito uma vez ao seu advogado, algo que sentia merecer depois de matar aquele que dizia ter sido o único amor da sua vida, Becky Powell.

Mais de 40 anos depois, ainda hoje não se sabe ao certo quantos crimes foram cometidos por Henry Lee Lucas — mas restam poucas dúvidas de que a grande maioria dos homicídios confessados não foram certamente cometidos por ele. As família continuam a exigir que seja feita justiça, e esse, garantem os realizadores da série, é o grande objetivo de “The Confession Killer”: fazer entender ao mundo que os verdadeiros culpados continuam à solta.

Nasceu numa família abusiva — a mãe era prostituta e agredia-o frequentemente, física e verbalmente —, perdeu o olho esquerdo numa brincadeira com o meio-irmão, mais tarde sofreu uma lesão cerebral depois de ser agredido pela mãe. Sexo e violência fizeram sempre parte da sua infância, e prolongaram-se pela vida adulto: antes de confessar crimes que não cometeu, foi preso várias vezes por roubo, posse de arma e até por homicídio em segundo grau pela morte da mãe.

Quem foi Henry Lee Lucas? Estas 33 fotografias contam a sua história.

Newsletter

A MAGG é uma magazine para mulheres MAGGníficas. A MAGG faz um apanhado das mais estranhas que encontrámos nos sites das lojas.
Subscrever

Notificações

A MAGG é uma magazine para mulheres MAGGníficas. A MAGG faz um apanhado das mais estranhas que encontrámos nos sites das lojas.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.