Catarina, de 24 anos, foi a concorrente expulsa na gala deste domingo, 11 de outubro. A ex-concorrente da casa do "Big Brother - A Revolução" esteve à conversa com os jornalistas e revelou que, depois de um mês no jogo, sente-se tranquila e nada desiludida com a saída precoce do reality show da TVI.

"Acho que estava na altura certa. Claro que se ficasse também estaria feliz", começou por dizer. "Sempre disse que o mais importante são as pessoas com quem vamos a nomeações", considera, acreditando que isso pesa mais do que as percentagens dos votos dos portugueses.

Apesar de ter falado com poucas pessoas desde que saiu, a hospedeira de bordo sente que não falhou nada no seu percurso pela mansão da Ericeira. "Não estou arrependida de nada que tenha feito lá dentro. Se alguma coisa me prejudicou ou não, ainda não sei. Mas também não faria nada diferente, porque as visões das pessoas também são sempre diferentes", frisou.

A ex-concorrente, que acabou por se ver envolvida na relação de Renato e Jéssica Fernandes, também teve algo a dizer sobre os casais que se formaram na casa. "O Renato e a Jéssica gostam muito um do outro, estão sempre no vai e não vai, mas gostam muito um do outro e isso vê-se. O André e a Zena, nota-se que ele gosta mais. Mas ela já está a mostrar alguma coisa, apesar de ainda não ser tudo", disse.

"Aquela casa à noite ganha vida, parece totalmente diferente. Não sei se é da comida. Durante o dia andamos sempre cansados e à noite a casa vira-se ao contrario", explicou Catarina sobre o ambiente que se vive na casa mais vigiada do País.

Questionada sobre a altura em que a sua mãe e irmã souberam dos abusos sexuais de que foi alvo, Catarina quis prestar esclarecimentos: "Elas souberam mesmo há dois anos. Isso foi um mal-entendido. Realmente saiu um comunicado, mas houve uma falha e agora vou ter de resolver isso. Dizem que nenhum familiar sabia, mas no parágrafo seguinte diz que a 'Catarina contou à mãe há cerca de dois anos'", explicou a ex-concorrente de Fernão Ferro.

"A minha família está fragilizada, não é fácil para eles lidar com isto estando eu fechada dentro de uma casa. Ainda só tive oportunidade de falar com a minha mãe, ainda não falei com a minha irmã", confessou. Mas o que Catarina pretende é espalhar uma mensagem de esperança: "Ninguém tem de ter vergonha. A culpa não é das vítimas, a culpa não é nossa, nunca foi e nunca será. A vítima tem de falar com a pessoa mais próxima. Se não é consentido é crime".

Se tivesse possibilidade de dar um conselho à Catarina de 12 anos, diria que, sem medo, falasse. "Apesar da revolta que fica, esta situação podia ter-se resolvido de outra forma".

"Big Brother". Alguém desligue as máquinas a esta revolução, que a salvação já parece impossível
"Big Brother". Alguém desligue as máquinas a esta revolução, que a salvação já parece impossível
Ver artigo

Desemprego, violência doméstica e planos para o futuro

"Fui despedida no início da quarentena e fiquei desempregada. Depois surgiram as inscrições do 'Big Brotger - A Revolução' e pensei que não tinha nada a perder e foi isso que fiz", explicou. "Valeu muito a pena ter entrado neste 'Big Brother', com estas pessoas, que me deram valor e me fizeram ver a pessoa que sou. Nunca tive uma nomeação que fosse propriamente por eles, foi sempre por exclusão de partes", disse a ex-concorrente.

Catarina explicou ainda a fase de violência doméstica que viveu com um outro namorado, cuja relação ficou marcada por aborto espontâneo. "Nós já estávamos juntos há algum tempo mas depois quando começou essa fase foram cerca de seis [até sair da relação]. Tive mesmo de dizer 'chega' e tive de interiorizar isso para apagar a relação em que já não me sentia bem. Já não me sentia mulher nem acreditava que tinha qualquer valor", contou.

"Se não formos nós a tomar essa decisão, ninguém nos pode ajudar. O amor é cego e quando estamos numa situação dessas deixamos arrastar e nós continuamos lá. Infelizmente é assim", garantiu.

Para já, a ex-concorrente continua desempregada mas espera que novas oportunidades surjam. "Gostaria de abrir um negócio meu. Por ter passado muito tempo em aviação e em hotéis, tenho um caderno no qual aponto muitas ideias. Mas gostaria de ter uma marca da roupa. A Joana, que está dentro da casa, é designer de moda e ela ainda me fez crescer mais o bichinho", rematou

Newsletter

A MAGG é uma revista digital pensada para mulheres e focada nas preocupações centrais da vida de cada uma. Falamos de tudo o que está a acontecer de forma descontraída mas rigorosa.
Subscrever

Notificações

A MAGG é uma revista digital pensada para mulheres e focada nas preocupações centrais da vida de cada uma. Falamos de tudo o que está a acontecer de forma descontraída mas rigorosa.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.