Depois de confirmada a decisão de que o processo que acusa príncipe André de abusos sexuais vai mesmo para a frente, David Boies, advogado da alegada vítima Virginia Giufre, já se manifestou face às expectativas da cliente e garante que nenhuma quantia monetária, "por si só", será suficiente para encerrar o caso.

"Acho que é muito importante para Virginia Giufre que este assunto seja resolvido de uma forma que a reivindique não só a ela, mas às outras vítimas também", disse Boies, em declarações à BBC, esta quinta-feira, 13 de janeiro.

Afinal, príncipe André vai mesmo a julgamento por abuso sexual
Afinal, príncipe André vai mesmo a julgamento por abuso sexual
Ver artigo

Nas quais deixa claro que Giufre ainda "não tem uma visão clara daquele que deve ser o desfecho [do caso]", com a ressalva de que "é importante que legitime a sua cliente e o seu testemunho".

Em causa estão alegados abusos sexuais, que datam de 2001, quando a alegada vítima teria apenas 17 anos, e uma suposta ligação do príncipe à rede de tráfico do magnata milionário acusado de tráfico sexual nos Estados Unidos, Jeffrey Epstein.

Príncipe André processado por vítima da rede de tráfico sexual de Jeffrey Epstein
Príncipe André processado por vítima da rede de tráfico sexual de Jeffrey Epstein
Ver artigo

Príncipe André negou todas as acusações

A vítima de 38 anos, com 17 anos à altura dos alegados abusos, terá sido escrava sexual do multimilionário norte-americano Jeffrey Epstein – posteriormente preso por abuso e tráfico de menores em julho de 2019 –,  durante aproximadamente quatro anos, e alegadamente 'emprestada' pelo magnata ao príncipe André para propósitos sexuais não consensuais.

Até à data, o príncipe André negou todas as acusações e os advogados do duque de Iorque chegaram a alegar que o processo interposto por Giufre não seria válido, depois de ter sido divulgado um acordo que revela que Jeffrey Epstein pagou 500 mil dólares (443.000 euros) à alegada vítima para desistir do caso — num documento que serve ainda para "ilibar para sempre" qualquer potencial réu, incluindo príncipe André.

Semana decisiva. Príncipe André pode estar protegido por acordo entre Epstein e vítima de abusos
Semana decisiva. Príncipe André pode estar protegido por acordo entre Epstein e vítima de abusos
Ver artigo

No entanto,  o juiz recusou-se a arquivar o caso e explicou a rejeição da moção do príncipe André com o facto de ser prematuro considerar a mesma. "O trabalho do tribunal, nesta fase, é simplesmente determinar se há duas ou mais interpretações razoáveis daquele documento (acordo de 2009). Se há, a determinação de verdade deve esperar pelos procedimentos seguintes", pode ler-se no documento oficial.

De acordo com a decisão de Lewis Kaplan, citada pela CNN, a queixa apresentada pela alegada vítima não é “vaga” nem “ambígua”, já que são alegados “incidentes distintos de abuso sexual em circunstâncias particulares em três locais identificáveis” e, ainda, "identifica a quem atribui esse abuso sexual".

Assim, o duque de Iorque vai mesmo a julgamento por alegados abusos sexuais a Virginia Giufre, quando esta ainda seria menor, naquela que será a primeira vez que um membro da família real britânica está envolvido num processo judicial deste teor.

Até à data, não há qualquer referência à possível data do julgamento.

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.