Os serviços secretos russos terão evitado uma tentativa de assassinato do presidente ucraniano Volodymyr Zelenksky. A revelação foi feita esta terça-feira, 1 de março, pelo chefe do Conselho de Defesa e Segurança Nacional, Oleksiy Danilov.

Numa mensagem, publicada na rede social Telegram, é explicado que a tentativa de matar o presidente ucraniano estava a ser planeada por um grupo de forças especiais de elite chechenas, denominado "Kadyrovites". Esse grupo, de acordo com o chefe do Conselho de Defesa e Segurança Nacional, terá sido "eliminado".

O líder do país que está há sete dias a ser atacado pela Rússia concedeu uma entrevista à CNN internacional esta quarta-feira, 1 de março. Zelenksky, que se encontra num bunker em local indeterminado, algures em Kiev, admitiu não estar esperançoso em relação a uma nova ronda de negociações com a Rússia.

Bombardeamentos em Kharkiv matam civis. Rússia investigada por crimes de guerra na Ucrânia
Bombardeamentos em Kharkiv matam civis. Rússia investigada por crimes de guerra na Ucrânia
Ver artigo

Questionado sobre o que espera, em termos de ajuda, dos Estados Unidos, Zelensky apelou a Joe Biden que apoie a Ucrânia. "A Ucrânia vai lutar de forma determinada contra a Rússia, vão ver. Mas sozinhos não o vamos conseguir fazer", disse.

Sobre o primeiro encontro entre as delegações russa e ucraniana, na passada segunda-feira, o presidente ucraniano disse que teriam de voltar ao ponto de partida, à posição em que estavam no primeiro dia do conflito e só a partir daí poderiam negociar. Questionado sobre se o governo de Putin "está pronto" para esse diálogo, Zelensky respondeu. "Veremos".

Sétimo dia de guerra: o que sabemos até agora

Já esta manhã, o líder ucraniano voltou a publicar um vídeo nas redes sociais, no qual afirmou taxativamente: "A Rússia quer apagar a nossa história". Zelensky voltou a apelar à ajuda da União Europeia. Disse que já foram mortos 6000 russos e ofereceu garantias de que o exército de Putin não seria capaz de tomar a Ucrânia bombas e ataques aéreos. "Eles não sabem nada sobre Kiev, sobre a nossa história. Mas todos eles têm ordens para apagar a nossa história, apagar o nosso país, apagar-nos a todos", afirmou.

O cerco a Kiev está cada vez mais apertado mas a coluna militar russa que está a tentar entrar na capital ucraniana não fez avanços na últimas 24 horas. Com a tentativa de tomada da capital atrasada, o exército russo está concentrado em Karkhiv, onde tem havido fortes bombardeamentos, em Kherson e Mariupol.

mapa ucrânia

O controlo da cidade de Kherson, que fica no sul da Ucrânia, seria estrategicamente vital para o exército russo, além de ser também um ponto importante de fornecimento de água potável. Isto porque, aquando da anexação russa da Crimeia, o fornecimento de água à região foi limitado, através da construção de barragens. O exército russo avança que já controlou a cidade mas, de acordo com a BBC, tal não é possível de confirmar.

Esta quarta-feira, 1 de março, durante o discurso do Estado da União, Joe Biden voltou a endurecer a narrativa contra Vladimir Putin. Anunciou o encerramento do espaço aéreo norte-americano a todos os voos russos e comprometeu-se a "ir atrás" dos oligarcas russos que apoiam o regime de Putin. "Esta noite, digo aos oligarcas russos e líderes corruptos, que sacaram biliões de dólares graças a este regime violento: acabou!".

O presidente norte-americano prometeu ainda continuar a liderar uma ampla coligação internacional em resposta à invasão da Ucrânia pela Rússia. Para esta quarta-feira, 2, estaria agendada uma nova ronda de negociações entre os representantes ucranianos e russos, mas não há confirmação se essa reunião acontecerá.

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.