A polícia norte-americana já tinha revelado que entregaria uma recompensa de 50 mil dólares (cerca de 46 mil euros) a quem tivesse informações que levassem à detenção de Frank James, o homem por detrás do ataque ao metro de Brooklyn, nos Estados Unidos.

Foi divulgado um número para o qual qualquer pessoa poderia ligar e foi precisamente através dessa linha telefónica que a polícia conseguiu localizar o suspeito de 62 anos.

Frank James. Quem é o principal suspeito do atentado em Nova Iorque, cuja detenção vale 50 mil dólares?
Frank James. Quem é o principal suspeito do atentado em Nova Iorque, cuja detenção vale 50 mil dólares?
Ver artigo

No entanto, foi o próprio homem em fuga quem ligou a revelar onde estava. Frank James ligou para a "Crime Stoppers", uma linha da polícia de Nova Iorque, que oferece recompensas financeiras em troca de informações relevantes para a captura de criminosos, e disse que estava num restaurante McDonald's, na zona leste de Manhattan.

Foi detido pouco tempo depois, nas redondezas do restaurante, avança a CNN Portugal, com base em informação que já foi previamente confirmada por fontes oficiais.

Frank James arrisca ser condenado a prisão perpétua

Este homem, que terá largado engenhos explosivos por toda a estação de Brooklyn e disparado indiscriminadamente contra civis, vai ser julgado num tribunal federal. Sabe-se que vai ser julgado por "crime de terrorismo", mas esta não será a única acusação em cima da mesa, explicou o procurador dos Estados Unidos para o distrito leste de Nova Iorque, Breon Peace, numa conferência de imprensa, que teve lugar esta quarta-feira, 13.

Segundo a lei norte-americana, há a possibilidade de Frank James vir a ser condenado a pena de prisão perpétua.

De acordo com a CNN Portugal, este homem de 62 anos já foi detido cerca de nove vezes, entre 1992 e 1998. Em causa, não estariam situações semelhantes à desta terça-feira, em Brooklyn, mas crimes como posse de arma proibida, furto e crimes sexuais.

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.