Donald Trump quer banir a plataforma de vídeo TikTok dos Estados Unidos, revelou na sexta-feira, 31 de julho, quando estava com vários jornalistas no avião Air Force One, a voar da Flórida para Washington.

"No que diz respeito ao TikTok vamos bani-lo dos Estados Unidos", disse, sem especificar de que modo é que pretende abolir a rede social desenvolvida pela China. “Bem, eu tenho essa autoridade. Posso fazer isso com uma ordem executiva assim”, disse. A decisão do governo Trump representa mais um passo na deterioração das relações entre Washington e Pequim, surgindo uma semana após os EUA terem fechado o consulado chinês em Houston, levando a China a fechar o consulado americano em Chengdu.

Sobre as novas declarações, um porta-voz do TikTok sublinhou, em comunicado, o facto de que a empresa ajudou a criar postos de trabalho nos Estados Unidos, estando comprometida com a privacidade dos utilizadores. "Contratámos quase mil pessoas só para a nossa Equipa nos Estados Unidos e este ano estamos orgulhosos de contratar outros 10 mil funcionários para grandes empregos remunerados em todo o país", disse. "Os dados dos utilizadores do TikTok estão armazenados nos Estados Unidos com controlos rigorosos no acesso dos funcionários."

Segundo este porta-voz, os investidores maiores do TikTok provém do país americano. Reforça a ideia da privacidade: "Temos o compromisso de proteger a privacidade e a segurança de nossos utilizadores, enquanto continuamos a trabalhar para trazer alegria às famílias e carreiras significativas para aqueles que criam na nossa plataforma."

Filho de Donald Trump suspenso do Twitter por partilhar informações falsas sobre coronavírus
Filho de Donald Trump suspenso do Twitter por partilhar informações falsas sobre coronavírus
Ver artigo

Os comentários de Donald Trump surgem na sequência de, na sexta-feira, a Microsoft ter tido conversas no sentido de comprar o TikTok à empresa chinesa ByteDance, soube o canal CNBC, junto de uma fonte próxima. Segundo esta mesma pessoa, esta conversa não é de agora — a ideia já vinha a ser discutida.

Aos jornalistas, Donald Trump disse que não apoiava a compra, que poderia transformar a Microsoft, uma empresa fornecedora da software, que passaria assim a deter negócio focado na tecnologia do consumidor. A Microsoft não quis comentar as alegadas negociações. "Embora não comentemos rumores ou especulações, estamos confiantes no sucesso a longo prazo do TikTok", disse a gigante tecnológica, em comunicado.

A ByteDance lançou o TikTok em 2017. A aplicação tornou-se ainda mais popular durante a pandemia, com mais de dois mil milhões de downloads em abril, dizem dados do Sensor Tower. A app está avaliada em 50 mil milhões, disse a agência Reuters, citada pelo mesmo canal.

A ascensão do TikTok, que terá boicotado o seu comício, em Tulsa, em junho, levou a que os Estados Unidos analisassem a aplicação. No início do mês, o secretário de estado Mike Pompeo disse que o país estava a pensar proibir a aplicação, assim como outras plataformas chinesas, alegando preocupações relacionadas com a segurança nacional.

O secretário de estado comparou a análise da aplicação à das empresas de tecnologia chinesas Huawei e ZTE, que Pompeo descreveu como "cavalos de Tróia para a [serviços de] inteligência chinesa."

Foi em 2018 que o Pentágono interrompeu as vendas dos telefones e modems das marcas Huawei e ZTE em bases militares de todo o mundo, alegando, novamente, questões de segurança nacional e roubo de propriedade intelectual americana, que terá roubado muitos milhares de milhão em receita e empregos. O Pentágono terá também desencorajado  os membros dos serviços americanos, e as suas famílias, de usarem a tecnologia desenvolvida e apoiada pela China.

Já em dezembro, a Agência de Sistemas de Informação de Defesa aconselhou que todos os membros do Departamento de Defesa a não usar redes sociais detidas pela China, citando um "potencial risco associado à utilização da aplicação TikTok."

Newsletter

A MAGG é uma revista digital pensada para mulheres e focada nas preocupações centrais da vida de cada uma. Falamos de tudo o que está a acontecer de forma descontraída mas rigorosa.
Subscrever

Notificações

A MAGG é uma revista digital pensada para mulheres e focada nas preocupações centrais da vida de cada uma. Falamos de tudo o que está a acontecer de forma descontraída mas rigorosa.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.