Quando os olhos começam a ficar pesados, o nosso corpo arrasta-se para a casa de banho para lavar a cara e os dentes. Há quem aproveite para meter um creme hidratante, outros são preguiçosos e saltam logo para os lençóis. E é neste momento que se respira fundo e o mundo parece um lugar melhor. Descanso, finalmente.

E a porta do quarto? Ficou aberta ou fechada? De acordo com um inquérito realizado pela Underwriters Laboratories (UL), uma organização global especializada em ciência da segurança, 60% das pessoas vão deitar-se com a porta do quarto aberta. Em caso de incêndio, esta última decisão antes de ir dormir pode ser fatal.

Entrevista a André Ventura. "O casamento é uma coisa entre homem e mulher"
Entrevista a André Ventura. "O casamento é uma coisa entre homem e mulher"
Ver artigo

É mais seguro dormirmos de porta fechada. Para alertar a população para este facto, e contrariar a tendência que se verifica atualmente, o UL Firefighter Safety Research Institute, lançou uma campanha.

A organização que se dedica a estudar incêndios, com o objetivo de reduzir ferimentos e mortes no serviço de bombeiros, divulgou um vídeo bem revelador de como as chamas agem quando a porta está fechada ou aberta.

Com o aumento da utilização de produtos sintéticos na construção dos imóveis e mobiliário, fechar a porta pode fazer toda a diferença. Nas últimas décadas, o tempo médio para fugir de uma casa em chamas passou de 17 para apenas três minutos ou menos. Fechar a porta ajuda a abrandar a forma como o fogo se espalha pelas divisões, reduz a emissão de fumos tóxicos, aumenta os níveis de oxigénio e permite baixar a temperatura.

Newsletter

A MAGG é uma revista digital pensada para mulheres e focada nas preocupações centrais da vida de cada uma. Falamos de tudo o que está a acontecer de forma descontraída mas rigorosa.
Subscrever

Notificações

A MAGG é uma revista digital pensada para mulheres e focada nas preocupações centrais da vida de cada uma. Falamos de tudo o que está a acontecer de forma descontraída mas rigorosa.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.