Só este ano, já contabilizámos dois novos passadiços, um em Serra d’Ossa e outro em Arcos de Valdevez, e ainda está para chegar um novo passadiço às margens do Rio Mouro, em Monção, tal como anunciado pela autarquia esta terça-feira, 25 de maio. O problema? É que apesar de serem uma atração ao turismo local, podem estar a prejudicar as paisagens naturais, de acordo com a Associação Portuguesa para a Conservação da Biodiversidade (FAPAS).

"Constituem, na generalidade, um atentado às paisagens, desvalorizando os territórios onde se inserem", disse a associação em comunicado, de acordo com o "Notícias ao Minuto". Apesar de os ambientalistas reconhecerem que os passadiços podem "favorecer negócios locais e atrair visitantes", não passarão de uma moda. "Como todas as modas, também esta passará, deixando o território mais degradado e os locais mais feios", continua a FAPAS.

A associação denuncia que a construção de muitos passadiços tem sido feita sem cumprir com "qualquer quadro normativo, quer quanto aos impactos no território, quer quanto à segurança dos próprios equipamentos" e alerta ainda para o facto de poderem tornar-se perigosos por "por desadequada instalação e falta de manutenção".

Mulheres, vêm aí dois tours para vocês (e incluem segredos para fotos instagramáveis)
Mulheres, vêm aí dois tours para vocês (e incluem segredos para fotos instagramáveis)
Ver artigo

Segundo a associação, ainda é possível reconverter a situação, e sugere que a Avaliação de Impacte Ambiental (AIA) seja obrigatória a "qualquer intervenção no território, de qualquer tipo e dimensão", sejam passadiços ou baloiços.

"Isto, enquanto se vai a tempo de salvar um dos principais ativos de Portugal, a paisagem, diariamente agredida por inúteis passadiços, construídos onde frequentemente existem caminhos antigos, por baloiços sem sentido — e sem seguro —, ou pontes 'maiores do mundo' que a todos nos deviam incomodar, quer por saírem dos nossos impostos, quer por hipotecarem o nosso futuro", termina, criticando a recente abertura daquela que é conhecida como "a maior ponte pedonal suspensa do mundo", a Ponte 516 Arouca, em Arouca.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.