Os duques de Sussex integram a lista das 100 pessoas mais influentes do ano, de acordo com a revista "Time". Na sequência da tensão entre o casal e a família real, a eleição foi, no mínimo, pouco consensual – mas a polémica não fica por aqui. A capa protagonizada pelo casal tem sido escrutinada nas redes sociais e, às tantas, a naturalidade é posta em causa.

Donos do Mundo: estas são as 25 pessoas mais influentes de 2020, segundo a "Time"
Donos do Mundo: estas são as 25 pessoas mais influentes de 2020, segundo a "Time"
Ver artigo

A revista americana anunciou esta quarta-feira, 15 de setembro, a lista anual das 100 personalidades mais influentes de 2021. Os escolhidos são eleitos com base no impacto que tiveram no mundo ao longo do último ano — seja positivo ou negativo — e estão divididos entre seis categorias: ícones, pioneiros, titãs, artistas, líderes e, ainda, inovadores.

Já foi divulgada a lista completa, que conta com nomes como Billie Eilish, Simone Biles, Kate Winslet, entre outros. A revista americana lançou sete capas diferentes e a edição protagonizada pelo príncipe Harry e Meghan Markle tem sido alvo de severas críticas.

Na capa, o casal surge com uma postura séria e visuais contrastantes, com um fato negro e um vestido branco, mas foi precisamente o rosto e cabelo dos duques de Sussex que estiveram no cerne da discussão.

"Harry está a usar uma peruca? Ou é excesso de Air Brush [técnica de manipulação digital de fotografias]?", rematou um internauta, na rede social Twitter. "Esta capa parece tão falsa. Esperem, é porque eles são [falsos]!", comenta outro utilizador.

Os utilizadores das redes sociais Twitter e Instagram não pouparam comentários  à fotografia do casal, em que a (falta de) naturalidade não se revela consensual. Se, por um lado, há quem defenda que a capa está "falsa" e que foi sujeita a manipulações digitais; por outro, há quem alegue que o "brilho natural" da fotografia é  resultado do afastamento da família real, que justifica a alegada vida pacífica e feliz que o casal vive atualmente.

“Que capa espetacular! Estou a adorar o bom trabalho que têm feito, independentemente dos ataques da Instituição. Continuem o bom trabalho, Harry e Meghan. O vosso trabalho humanitário fala por si”, lê-se.

Meghan e Harry integram a lista das 100 pessoas mais influentes do mundo, segundo a "Time", na categoria "ícones", como resultado do trabalho solidário inerente ao novo projeto do casal. "[Meghan e Harry] apelaram à compaixão  com a Archewell Foundation. Deram voz àqueles que não a tinham através da produção audiovisual", escreveu o chef José Andrés, que se uniu ao casal em dezembro de 2020, para juntos construírem centros comunitários com a World Central Kitchen.

Reconciliação à vista? Meghan prepara-se para regressar pela primeira vez ao Reino Unido
Reconciliação à vista? Meghan prepara-se para regressar pela primeira vez ao Reino Unido
Ver artigo

"De mãos dadas com parceiros sem fins lucrativos, correm riscos para ajudar comunidades necessitadas (...) Num mundo onde toda a gente tem uma opinião sobre pessoas que não conhecem, os duques mostraram compaixão por pessoas que não conheciam. Não se limitam a opinar. Vão diretos ao problema", completou.

Reconciliação à vista?

Como consequência da relação tensa com a família real britânica, Meghan e Harry têm vindo a perder popularidade junto do público britânico.

A relação entre os membros da família real e o casal tem sido controversa desde o momento em que os duques de Sussex decidiram renunciar funções enquanto membros seniores da instituição, mas a tensão intensificou-se desde a polémica entrevista a Oprah Winfrey – em que a família real foi acusada de exercer um controlo abusivo sobre a atriz, que terá sido alegadamente vítima de racismo por parte de membros da Instituição.

Harry e Meghan. Versões do príncipe e da mulher sobre questão do racismo não coincidem
Harry e Meghan. Versões do príncipe e da mulher sobre questão do racismo não coincidem
Ver artigo

No entanto, já se fala da possibilidade de uma futura reconciliação entre o casal e a família real. Desde o nascimento de Lilibet, segunda filha de Harry e Meghan, em junho de 2021, surgiram rumores de que Kate Middleton terá feito um esforço para se reaproximar da cunhada, independentemente da relação polémica que se mantém entre William e Harry.

No passado dia 6 de setembro, Harry e Meghan divulgaram a intenção de visitar a rainha Isabel II já nos próximos meses, com o objetivo de apresentar a rainha à sua bisneta homónima Lilibet. Se a bisavó concordar, esta será a primeira viagem de Meghan Markle ao Reino Unido desde março de 2020. Até ao momento, ainda não há qualquer confirmação de que a visita se concretize.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.