Mais ou menos gulosos, quando vemos uma sobremesa é difícil ficar indiferente àquele pedaço de tentação. O caso agrava-se quando entramos na página de Instagram da My Green Pastry, que por agora é a única montra à vista, uma vez que aquela que habitualmente estava recheada na pastelaria vegana sediada no Porto não pode ser visitada por enquanto. Mas as fotografias fazem jus àquilo que agora é entregue ao domicílio.

Os bolos parecem obras de arte decoradas a pinças, que levaram para cima da tarte de limão com merengue francês pequenas pétalas de flores delicadas que se comem com os olhos, mas também com a boca. E não é por acaso que este bolo é de inspiração francesa.

Quem trata da pastelaria da My Green Pastry é Marthe-Alexandrine Lemoine, de 25 anos, que durante a infância viveu no Algarve e mais tarde foi com a minha família para França, onde viveu durante vinte anos. Filha de pai francês e mãe portuguesa, ambas as nacionalidades marcaram Marthe a nível linguístico, criando "uma 'mistura' bastante curiosa", e a nível culinário.

Marthe estudou Letras, Arte e Línguas, em França, porque pensava que queria ser jornalista de moda, mas o interesse pelas notícias que saem ainda quentes do forno falou mais alto e aventurou-se em várias formações de pastelaria tradicional e vegan em França e Espanha.

O paraíso que junta pastelaria vegan e saudável

As razões mais óbvias para quem adere ao veganismo têm normalmente que ver com ética, ambiente e saúde. Mas não foi o caso de Marthe. "Aos meus vinte anos tive os primeiros sintomas de um AVC. Restaram duas soluções: tomar medicação e ter acompanhamento médico para a vida ou mudar drasticamente a minha alimentação". Adivinha qual das opções Marthe escolheu? Torna-se vegan, claro, o que se acabou por estender além da alimentação. "É um estilo de vida, uma procura pela igualdade entre mim, os animais e o planeta", diz à MAGG.

baransu. Os bolos saudáveis e vegan que se comem simples ou numa bowl — mas de uma só vez
baransu. Os bolos saudáveis e vegan que se comem simples ou numa bowl — mas de uma só vez
Ver artigo

A transição acabou por ser mais fácil por estar familiarizada desde cedo com o vegetarianismo. "Em casa, desde sempre a minha mãe cozinhou numa base quase vegetariana, tudo caseiro, até os iogurtes", conta, acrescentando que tal também se deve ao facto de o irmão gémeo, Pierre, ter uma doença denominada "Gluten1-Vivo", que o impede de comer alimentos com açúcar e glúten.

E, para bem dos nossos pecados doces, ainda bem que Marthe se tornou vegan, porque foi através desse caminho que chegou até Portugal. "Abri a primeira pastelaria em França, mas sempre com o pensamento de voltar a Portugal e dar asas a um novo projeto. Para minha felicidade, acabou por acontecer, deixei tudo, e voltei para abrir no Porto", conta a responsável do projeto, que não está sozinha nisto.

Lembra-se das fotografias irresistíveis de que falávamos? São da autoria do companheiro de Marthe, Micael Dias Afonso. Além dele, a mãe tratou da decoração da pastelaria, o irmão mais velho do design e obras no interior, e o pai (à distância) e o irmão gémeo são os responsáveis pelo apoio de levar avante um projeto desafiante, principalmente em tempo de pandemia.

mygreenpastry
créditos: mygreenpastry

Mas mesmo durante esta fase, o que não falta são bolos que saem do forno para as caixas em take away ou que vão mesmo até casa dos gulosos. Quer dizer, gulosos q.b. É que quando perguntámos a Marthe se algum dos bolos é saudável, não quisemos acreditar na resposta. "TODOS", escreveu assim mesmo.

"Toda a confeção é caseira, desde os cremes à margarina. Por isso, os nossos bolos podem durar três dias a ser fabricados. Os nossos produtos são biológicos e da época. Não utilizamos açúcar branco, nem produtos pré-fabricados. A nossa filosofia é de utilizar uma planta, um fruto... em todas as formas possíveis", destaca a proprietária.

Que "pastelaria verde" da My Green Pastry pode ser sua?

A oferta da pastelaria vegan do Porto vai desde um layer cake (bolo em camadas) a tartines (tostas) com e sem glúten — opções que podem ser feitas à medida e ao gosto de cada cliente — o que faz variar os preços —, "mas sempre com um toque pessoal", frisa Martha.

Já com preço fixo, embora variação na vitrine virtual semanal, há bolos como coco cake (3€), flan Parisien e coulant chocolate sem glúten (3,50€), tarte de limão com merengue francês (5€) e o bolo Ópera (6€). Também famosos são os éclairs franceses vegan e sem glúten.

Há ainda brunch, que em tempo de pandemia deixou de ser servido apenas aos sábados. A qualquer dia da semana pode pedir o brunch com crush, para duas pessoas (44€), e o sem crush (para uma pessoa) mas com muitos sabores (22€). Os menus são compostos por omelete com queijo, sopa, croissant, pain au chocolat, pain perdu, bebidas quentes e sumo do mês.

As encomendas dos bolos de pastelaria, tartines ou brunch podem ser feitas por mensagem privada nas redes sociais (Instagram/Facebook), por telefone (221 155 976) ou no site. Pode levantar em regime de take away ou pedir entrega ao domicílio (gratuita do Grande Porto à Póvoa de Varzim).

Localização: Praça da República n°195, 4000-291 - Porto
Horário: de terça a sexta-feira das 12h às 19h e ao sábado das 9h30 às 20h

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.