Está a bater recordes de bilheteira, mas “Top Gun: Maverick" pode estar em perigo. Isto porque, alegadamente, a Paramount Pictures, produtora da sequela de "Top Gun - Ases Indomáveis", terá ignorado as leis em vigor e não readquiriu os direitos de um artigo escrito em 1983, que foi o mote de toda a saga protagonizada por Tom Cruise. Agora, a família do autor da história original quer terminar com a distribuição e a produção de próximos filmes da sequela, bem como interromper a exibição de “Top Gun: Maverick" nas salas de cinema.

Mas é preciso recuar no tempo para perceber o que está em causa. Tudo começou com um artigo publicado na "California Magazine", em maio de 1983, com o título “Top Gun”. Escrito por Ehud Yonay, este texto foi a inspiração para o filme original de 1986, e a Paramount Pictures, no mesmo ano, comprou os diretos de autor da história ao israelita, atribuindo-lhe os créditos da mesma, de acordo com o "The Guardian".

O sucesso do blockbuster já é conhecido e o filme protagonizado por Tom Cruise tornou-se um ícone da cultura pop. Seria de esperar que, mais cedo ou mais tarde, chega-se a sequela, o que aconteceu em 2022.

Mas Ehud Yonay morreu em 2012, e numa queixa apresentada pela viúva e pelo filho no Tribunal Federal de Los Angeles, no Estados Unidos, a família do autor acusa a Paramount Pictures de não ter readquirido os direitos da história aos herdeiros para que fosse possível produzir a sequela, “Top Gun: Maverick".

Mais: de acordo com a “BBC”, o processo refere que, no ano de 2018, a família avisou a Paramount que os direitos cessariam em 2020. A produtora garantiu que as "afirmações são feitas sem fundamento". "Vamos defender-nos de forma vigorosa”, refere em nota.

"Top Gun: Maverick" é o último grande filme de cinema
"Top Gun: Maverick" é o último grande filme de cinema
Ver artigo

Mitra Ahouraian, advogada, explicou à “BBC” que a estratégia inicial da Paramount era produzir a sequela em 2018 e lançá-la em 2019, mas a pandemia alterou os planos e o filme estreou-se a 26 de maio deste ano. A advogada reforça que “o tempo será muito importante neste caso porque o aviso de rescisão foi enviado para ter uma data efetiva de 2020”.

O grande objetivo da viúva do autor, Shosh Ypnay, e do filho, Yuval Yonay,  é receber uma indemnização, uma parte do lucro do filme e terminar com a distribuição e a produção de próximos filmes desta saga. "Top Gun: Maverick" está em exibição em todo o mundo, em diferentes salas de cinema, e a família também pretende que seja retirado.

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.