Na família Cerqueira, metade do tempo útil de vida é passado à mesa. Se não for à mesa é de pé, mas de croquete numa mão e Alvarinho na outra.

Somos pessoas de convívio, de mesa cheia, de broa, de azeite, de vinho verde. Mas também pessoas de cozido à portuguesa, arroz de cabidela e carne assada na brasa.

Ser vegetariano no Alto Minho é o mesmo que ser fã de praia e viver na Guarda. E é por isso que, desde que deixei de comer carne, o meu prato é sempre diferente do que o do resto da mesa e se a ideia é comer fora, safo-me com couves e batatas. O que vindo daquelas terras, até que fico bem servida.

Já vi muitos revirar de olhos, ouvi muitos suspiros críticos, muitos "mas tu agora não comes nada", e muitas questões relacionadas com a inevitável fraqueza que se apodera de alguém assim que decide reduzir o consumo de proteína animal. Aos revirar de olhos, reviro de volta. Aos que dizem que não como nada, dou a provar os meu pratos bem mais ricos em cor e vitaminas. Aos que duvidam das forças dos vegetarianos, respondo com uma subida ao Machu Picchu.

Mas no meio dos Cerqueiras, há um mais carnívoro do que os outros: o meu irmão. Aquele que vai a Espanha para comer chuleton que enche uma travessa e tem como Top três de refeições preferidas massa à bolonhesa, arroz de cabidela ou um bom bife da vazia.

Criticou sempre a minha decisão de deixar de comer carne e incorporou durante anos uma espécie de Donald Trump, cético quanto à relação entre os puns das vacas e o futuro do planeta.

vegan
A prova de que isto aconteceu mesmo.

Nunca o obriguei a deixar de comer, nem lhe impingi os meus pratos. Estavam sempre lá para ele provar se quisesse, o que nunca aconteceu. Até que chegou 2020.

Não sei se foi a mudança de década, o mercúrio retrógrado ou simplesmente a tomada de consciência, mas a verdade é que acordo um dia com esta mensagem: "Quais são os documentários sobre cenas vegan de que me falaste?"

Ainda associei a pergunta ao papa-Netflix e fiz as minhas sugestões: "What the Health", "Cowspiracy" e, ainda que algumas incongruências, o "The Game Changers". Dias depois, sim, a mensagem que nunca ele pensou escrever e muito menos eu ler: "Estou seriamente a pensar mudar a maneira como como".

O meu coração disparou. Esta mensagem vinda do carnívoro do meu irmão é o mesmo que ver Trump e Greta juntos num barco a caminho da Gronelândia para medir os níveis de degelo.

conta
Produtos simples, a maioria nacionais, e a preços acessíveis.

Nesse mesmo dia decidiu ir às compras e pediu-me, à distância de um telemóvel, que lhe desse indicações sobre o que comprar. "Fruta, posso?" "E legumes?". Sim, Zé Francisco, ainda não há brócolos nem uvas a sair da vaca. "Arroz, massa?" Venham elas. "Cogumelos? É que eu adoro cogumelos!". Força.

Lista feita, vem a questão em forma de mito comum. "Vou deixar para aí 100€ no supermercado, não?" Garanti-lhe que gasto muito menos no supermercado do que qualquer pessoa do clã Cerqueira e ele acreditou. "Confirma-se", escreveu-me meia hora depois, com um talão do Pingo Doce que nem cabia na fotografia tal era o tamanho, mas que no final ditava um total de 32,18€.

Crónica. Não é preciso gastar dinheiro para ser sustentável
Crónica. Não é preciso gastar dinheiro para ser sustentável
Ver artigo

Ali estavam ervilhas, grão, couve flor, cenoura, espinafres, cenoura, salsa, batata doce, tomate, maçãs, peras, cogumelos, leite, iogurtes, beterrabas, arroz, massa, barritas de cereais e aveia. Não havia comidas estranhas, superalimentos nem produtos do outro lado do mundo.

Nem todos os vegetarianos são saudáveis, é certo, mas o que não é certamente saudável era aquele chuleton a ocupar meia travessa, acompanhado de batatas fritas.

Claro que não deixou de comer carne, nem era isso que eu esperava. Reduzir o consumo é a chave e não querer fazer os impossíveis também. Ouvi-lo dizer que "couve flor assada é mesmo saboroso" ou que "couves cozidas afinal são boas" é uma vitória maior do que ver alguém tornar-se vegan. É que falamos aqui de uma pessoa que nem no hambúrguer do McDonalds comia a alface, ok?

Continua a comer os seus bifes, mas menos vezes. Continua a comer batatas fritas, mas já as substitui por verdes. Continua a vir visitar-me a Lisboa, mas agora já o posso levar a comer ao The Green Affair. "Aquelas guiozas de vegetais que serviram de entrada ontem eram mesmo boas, não eram?".

Faith in humanity restored. Emoji de vitória.

Newsletter

A MAGG é uma revista digital pensada para mulheres e focada nas preocupações centrais da vida de cada uma. Falamos de tudo o que está a acontecer de forma descontraída mas rigorosa.
Subscrever

Notificações

A MAGG é uma revista digital pensada para mulheres e focada nas preocupações centrais da vida de cada uma. Falamos de tudo o que está a acontecer de forma descontraída mas rigorosa.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.