Há oito meses, saíamos de casa de álcool gel em punho, para nele desinfetarmos as mãos a cada toque. Mudávamos de passeio na iminência de nos cruzarmos com alguém. Não visitávamos família ou amigos — não havia interações sociais. Os produtos de supermercado desinfetavam-se, a roupa da rua ia diretamente para a máquina de lavar. A vida fazia-se por casa, com o número de saídas limitado ao estritamente necessário, com sucessivos Estados de Emergência a ditarem novas regras, que mudaram radicalmente a forma de viver.

Duas estações depois, à medida que os números de COVID-19 voltam a disparar em Portugal (com quase três mil casos por dia, o número mais elevado desde o início da pandemia), cresce também a "Fadiga Pandémica" ("pandemic fatigue"), sentimento que foi já reconhecido pela comunidade científica de vários Estados Membro da Europa e pela Organização Mundial de Saúde (OMS). Foi, a 5 de outubro, tema de uma reunião levada a cabo por esta organização, que incluiu a presença de médicos de diferentes países, tendo como objetivo chegar a soluções para combater o novo problema do novo normal.

COVID-19. Há mais 21 mortes e 2.608 novos casos de infeção. É um novo recorde desde o início da pandemia
COVID-19. Há mais 21 mortes e 2.608 novos casos de infeção. É um novo recorde desde o início da pandemia
Ver artigo

Apesar de o aumento de casos e da nova sensação seguirem no mesmo sentido crescente, são dois acontecimentos que entram em conflito, que se alimentam um do outro. É uma união contraproducente. No fundo, trata-se disto: depois de sucessivos Estados de Emergência, depois de alterações profundas nas estruturas da sociedade, depois de meses em constante estado de alerta, o medo deu lugar à apatia, da mesma forma que a força e o pragmatismo iniciais para combater o novo coronavírus deram lugar ao cansaço emocional. Tudo somado, reflete-se em menos empenho na aplicação das recomendações das entidades de saúde, aquelas que nos protegem individualmente e em comunidade.

É provável que esteja a sentir esta fadiga, até porque, de acordo com a OMS, as manifestações comportamentais deste sentimento, que figura uma nova ameaça à saúde global, passam pela sensação de desmotivação "quanto a seguir os comportamentos recomendados para se proteger e proteger outras pessoas do vírus." Esquece-se de desinfetar as mãos? De vez em quando já dá um abraço? Reúne-se em casa com amigos sem equipamento de protecção individual? Exato. É mesmo esse o resultado: ser menos exigente e cuidadoso quanto ao distanciamento social, à desinfeção das mãos, e à utilização de máscara, as três regras fundamentais que cada cidadão pode levar a cabo para conter a disseminação do novo coronavírus.

É o efeito do cansaço. “Desde que o vírus chegou à região europeia, há oito meses, os cidadãos fizeram enormes sacrifícios para conter a COVID-19", disse já Hans Henri Kluge, diretor regional da OMS na Europa. “Teve um custo extraordinário, que nos esgotou a todos, independentemente de onde vivemos ou do que fazemos. Nessas circunstâncias, é fácil e natural sentirmo-nos apáticos e desmotivados, sentir fadiga."

Como surge a Fadiga Pandémica?

Não surge da noite para o dia. A fadiga pandémica vai, gradualmente, aparecendo e crescendo, à medida que o carrossel emocional provocado pela COVID-19 se torna mais denso, contaminando todos as dimensões da vida. Está tudo ligado: "A fadiga pandêmica evolui gradualmente com o tempo e é afetada pelo ambiente cultural, social, estrutural e legislativo", diz a OMS.

Dina Guerreiro, psicóloga, garante-nos que a forma de sentir os efeitos do vírus é sempre dolorosa, mas muito distinta de pessoa para pessoa. Mas há um pensamento comum: "Doutora, estou muito preocupado, mas já me convenci que vamos ser todos infectados", ouve dizer, em consulta.

"As pessoas não estão felizes. Estão cansadas e precisam de certezas, apesar de hoje isso não ser possível."

Sobre o decréscimo dos cuidados, a especialista responsabiliza, em parte, as políticas públicas que, depois de sucessivos e exigentes estados de emergência, nos devolveram uma falsa sensação de normalidade, que veio a facilitar o desleixo. Mas, no que se refere à emoção reconhecida pela OMS, aponta a questão da incerteza e da frustração. "Mais complicado do que o vírus, é a incerteza do vírus", diz, notando que, no que toca à saúde mental, estão a disparar os casos de depressões e quadros ansiosos.

"As pessoas não estão felizes. Estão cansadas e precisam de certezas, apesar de hoje isso não ser possível. Os seres humanos têm um limite à frustração e esta fadiga pandémica representa este limite."

Depois, há a tal apatia. "Quando o ser humano passa por uma experiência prolongada, chega um ponto em que deixa de ter quase energia para o combate e manutenção da guarda face à situação de medo e de incerteza."

"Resta viver um dia de cada vez, viver os momentos que temos, porque o amanhã não sabemos"

Sem vacina ou medicação à vista, como é que combate esta sensação de fadiga? A comunidade científica já está em busca de soluções, tanto que a pedido dos Estados-Membros europeus, a OMS/Europa "desenvolveu um quadro de recomendações de políticas para orientar os governos no planeamento e implementação de estratégias nacionais e subnacionais para reforçar o apoio público às medidas de prevenção COVID-19."

Sem nada específico a apontar, concluiu-se que este quadro de recomendações deveria envolver quatro esferas principais:

  • Compreender as pessoas, reunindo evidências para a criação de políticas, intervenções e comunicação direcionadas, personalizadas e eficazes;
  • Envolver as pessoas como parte da solução;
  • Ajudar as pessoas a reduzir o risco enquanto estão envolvidas em atividades que as fazem felizes;
  • Reconhecer e tratar as dificuldades pelas quais as pessoas estão a passar, contemplando o "profundo impacto" que a pandemia tem nas suas vidas.

Dina Guerreiro dá o exemplo da estratégia que, desde o início da pandemia, foi adotada pela Finlândia. "Comunicou muito assertivamente com as diferentes populações. Fez conferências de imprensa direcionadas ao público-alvo, incluindo crianças."

Por outro lado, em Portugal, considera que, apesar dos esforços do Governo, faltou o apelo à compreensão e o envolvimento da população. "As pessoas não se sentem nem envolvidas, nem compreendidas."

Saúde Mental."Foi difícil pedir ajuda porque eu não sabia que podia ser ajudada"
Saúde Mental."Foi difícil pedir ajuda porque eu não sabia que podia ser ajudada"
Ver artigo

No que se refere à orientação da OMS, relativa à redução do risco nas atividades que nos fazem felizes, a psicóloga considera que é uma tarefa difícil, porque "as atividades que fazem as pessoas felizes passam muitas vezes por relacionarem-se com o outro, que é um tipo de acção que sofreu grandes alterações."

Ainda assim, dá um exemplo, mostrando que as alternativas existem: ao invés de nos encontrarmos no café com um amigo, podemos sempre dar uma caminhada, assegurando a distância de segurança e a utilização da máscara. "Temos de apelar a todo o nosso poder de encaixe e tolerância à frustração, para conseguirmos reenquadrar as atividades que nos davam prazer."

A vida no longo prazo está suspensa. "Ninguém sabe com o que contar, ninguém consegue fazer planos", diz. Mas esta é a realidade atual. Temos de reconhecê-la, agir em conformidade e fazer um esforço para olhar para o presente, considera Dina Guerreiro. "Resta viver um dia de cada vez, viver os momentos que temos, porque o amanhã não sabemos. Temos de aprender a lidar com a incerteza e de ter a capacidade para aceitar como as coisas são, sem querermos que sejam como sempre foram."

Newsletter

A MAGG é uma revista digital pensada para mulheres e focada nas preocupações centrais da vida de cada uma. Falamos de tudo o que está a acontecer de forma descontraída mas rigorosa.
Subscrever

Notificações

A MAGG é uma revista digital pensada para mulheres e focada nas preocupações centrais da vida de cada uma. Falamos de tudo o que está a acontecer de forma descontraída mas rigorosa.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.